Resultado final do Processo Seletivo Indígena da Ufopa será divulgado nesta quinta-feira

A Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) realizou nesta quarta-feira, 19 abril de 2017, um balanço sobre a realização dos Processos Seletivos Especiais (PSE) – Indígenas e Quilombolas. Essa é a sétima edição do Processo Seletivo Especial Indígena (PSEI), que começou em 2011, e a terceira edição do Processo Seletivo Especial Quilombola (PSEQ), que se iniciou em 2015. Atualmente a Ufopa conta com 94 discentes quilombolas e 297 alunos indígenas, oriundos de 18 etnias.

O resultado final do PSEI será divulgado amanhã, quinta-feira, 20 de abril, no site da Ufopa: www.ufopa.edu.br. Em 2017, a instituição ofertou 54 vagas para cada um dos processos. “Amanhã sairá o resultado final do PSEI e, a partir daí, são as questões de habilitação e matrícula de alunos. E, caso haja alguma vaga ociosa por ausência de habilitação ou por qualquer outra motivação, podemos fazer uma segunda chamada”, explica a Diretora de Ações Afirmativas, Elenise Arruda.

De acordo com a Diretora de Ensino da Ufopa, Poliana Fernandes Sena e Sousa, este ano o Processo Seletivo Especial Indígena (PSEI) teve 476 candidatos inscritos, com provas aplicadas em Santarém, Oriximiná e Jacareacanga. “Para os indígenas, o curso mais concorrido foi o de Pedagogia, seguido por Direito e pela Licenciatura em Ciências Biológicas”, explica Poliana Sousa.

Segundo a Diretora de Ensino, as principais etnias que participam desse processo são: os Wai-wai, de Oriximiná; os Munduruku, do alto Tapajós; os Barari e Arapiuns; Tupinambás e Tupaiu. “O processo seletivo indígena finaliza esta semana, com o preenchimento de 54 vagas. Na próxima semana já inicia o processo de habilitação dos alunos indígenas aprovados”.

Já o Processo Seletivo Especial Quilombola (PSEQ) contou com 290 candidatos inscritos, com provas realizadas em Santarém, Oriximiná e Óbidos. O curso mais concorrido também foi o de Pedagogia. “Percebemos que há uma migração das populações indígenas e quilombolas para as licenciaturas, para a formação de professores”. As principais comunidades quilombolas que participaram do processo foram: Último Quilombo, Araribama, Pacoval e Bom Jardim. “Foram 54 vagas ofertadas, todas preenchidas, no qual o processo encerrou-se na semana passada”.

Diferente do Processo Seletivo Regular (PSR), no qual é utilizada a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para ingresso nos cursos de graduação da Ufopa, os processos seletivos especiais utilizam uma metodologia diferenciada para selecionar os candidatos indígenas e quilombolas, que devem comprovar sua origem. No PSEI, a seleção é composta por prova de redação em língua portuguesa e entrevista, enquanto que o PSEQ consiste de prova de leitura e interpretação de textos.

Além do ingresso diferenciado, a instituição vem, nos últimos anos, buscando implementar políticas de ações afirmativas visando à melhoria da qualidade de aprendizagem dos alunos indígenas e quilombolas dentro da Universidade. Coordenado pela Pró-Reitoria de Gestão Estudantil (Proges) em parceria com a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (Proen), o Ciclo Básico Indígena é uma das ações que vêm sendo colocadas em prática visando à excelência acadêmica dos alunos. Resultado das reivindicações dos discentes indígenas, o Ciclo Básico é uma formação inicial, desenvolvida por meio de ações de ensino e de extensão, que contempla conteúdos das áreas de Ciências Exatas, Ciências Humanas, Tecnologias e Letras – Língua Portuguesa.

Outro avanço previsto é a aprovação pelo Conselho Universitário (Consun) da resolução da Política de Ações Afirmativas e Promoção da Igualdade Étnico-Racial da Ufopa, que tem por objetivo a defesa dos direitos humanos e da igualdade étnico-racial e de gênero, além da garantia dos direitos das pessoas com necessidades especiais. No âmbito da resolução, a instituição entende como “ação afirmativa” um conjunto de medidas e ações, específicas e especiais, necessárias para contribuir com a afirmação da dignidade, da identidade e da cultura de grupos discriminados e vitimados pela exclusão social, ocorridos no passado ou no presente, bem como com a diminuição da desigualdade social.

Informações sobre os alunos indígenas da Ufopa

Nº de alunos indígenas até 2016: 297

Nº de alunos ingressantes no Processo Seletivo Especial Indígena (PSEI) 2017: 54

Nº Total de alunos indígenas a partir de 2017: 387

O que é o Processo Seletivo Especial Indígena (PSEI)?

É a seleção diferenciada de candidatos indígenas para provimento de vagas nos cursos de graduação oferecidos pela Ufopa. É realizada pela instituição desde 2011, sendo composta por duas fases: prova de redação em língua portuguesa e entrevista.

Etnias atendidas pela Ufopa através do PSEI: 18

  1. Borari
  2. Borari Arapiun
  3. Borari Tapuia
  4. Cara Preta
  5. Jaraqui
  6. Juruna
  7. Kaxuyana
  8. Kumaruara
  9. Maytapu
  10. Munduruku – Alto Tapajós
  11. Munduruku – Médio Tapajós
  12. Munduruku – Baixo Tapajós
  13. Tapajó
  14. Tapuia
  15. Tupaiú
  16. Tupinambá
  17. Wai-Wai
  18. Sateré-Mawé

Distribuição de discentes indígenas por instituto: 2011 a 2016

Instituto de Ciências da Educação (Iced) – 44%

Instituto de Ciências da Sociedade (ICS) – 19%

Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA) – 18%

Instituto de Biodiversidade e Florestas (Ibef) – 8%

Instituto de Engenharia e Geociências (IEG) – 6%

Instituto de Saúde Coletiva (Isco) – 5%

Institucionalização do Processo Seletivo Especial Indígena:

  • Aperfeiçoamento do Ciclo Básico Indígena;
  • Programa de Facilitação de Aprendizagem;
  • Programa de Atendimento Psicossocial;
  • Cursos de Apoio Permanentes (Língua Portuguesa, Informática, Metodologia Científica);
  • Fortalecimento do Plano Nacional de Assistência Estudantil (Bolsa MEC/Bolsa Permanência).

O que é o Ciclo Básico Indígena?

Corresponde ao processo de formação básica inicial, em ensino superior, destinada aos alunos indígenas provenientes do Processo Seletivo Especial Indígena. Com duração de dois semestres, a formação contempla conteúdos das seguintes áreas: Ciências Exatas, Ciências Humanas, Tecnologias e Letras – Língua Portuguesa, desenvolvidas por meio de ações de ensino e extensão.

Objetivo Geral

Mensurar a proficiência em Ciências Exatas, Humanas Tecnologias e Letras dos estudantes recém-ingressados na Ufopa, por meio de Processo Seletivo Especial Indígena, visando a proporcionar a excelência acadêmica destes, com expectativas na diminuição da retenção e evasão universitária.

Objetivos Específicos

  • Promover a integração e melhores condições para a permanência dos(as) alunos(as) indígenas que ingressam na Ufopa pelo Processo Seletivo Especial;
  • Desenvolver metodologias de ensino, extensão e produção de conhecimento que valorizem e reconheçam as cosmologias e modo de vida dos povos indígenas;
  • Fortalecer os processos identitários e organizativos dos povos indígenas;
  • Promover o intercâmbio perene entre a Ufopa e as comunidades indígenas;
  • Oferecer atividades de formação sobre os princípios da interculturalidade e a realidade dos povos indígenas.

Disciplinas Ofertadas: Língua Portuguesa, Matemática, Metodologia Científica e Tecnologias.

Tempo de Duração: 2 semestres letivos.

Informações sobre os alunos quilombolas da Ufopa

Nº de alunos quilombolas até 2016: 94

Nº de alunos quilombolas ingressantes pelo PSEQ 2017: 54

Nº total de alunos quilombolas a partir de 2017: 148

O que é o Processo Seletivo Especial Quilombola?

Seleção diferenciada de candidatos quilombolas para provimento de vagas nos cursos de graduação oferecidos pela Ufopa. Começou em 2015 e consiste de prova de leitura e interpretação de textos.

Fonte: RG 15/O Impacto e Ascom/Ufopa

 

Deixe seu comentário aqui: