Madeira apodrece na Resex Renascer, em Prainha

Madeira apodrece na Resex

Centenas de toras de madeira – 65 mil metros cúbicos, apreendidos durante a Operação Arco de Fogo, da Polícia Federal, há um ano -, permanecem amontoadas na Resex Renascer, reserva extrativista em Prainha, município do oeste do Pará. Uma liminar concedida pelo Juiz da Vara Federal estabeleceu a não remoção do material até que se decida em definitivo seu destino. E até hoje o ICMBio – órgão responsável – não apresentou uma solução para o caso.

Os comunitários querem que os recursos obtidos com a venda da madeira sejam revertidos em favor da instalação efetiva da Resex, que ainda não teve nem seus limites demarcados. Os nativos não têm acesso a direitos básicos, como moradia, saúde e educação.

Enquanto isso, madeireiros e grileiros atuam à vontade, cortando madeira nova e vendendo áreas para “laranjas”, tanto dentro da Reserva quanto em sua área de amortecimento.

Ontem, o Ministério Público Federal recebeu denúncia sobre a situação, com pedido de nova fiscalização e a retirada definitiva das madeireiras que ainda estão na Resex.

Com informações e foto da Ong Terra de Direitos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.