Universitários dizem sim ao Tapajós‏

Plenária dos estudantes

Ocorreu na tarde do último sábado, dia 10 de setembro, a Plenária Municipal da UES que definiu a posição da entidade sobre a criação do estado do Tapajós. Cerca de 300 pessoas compareceram ao auditório da Casa da Cultura, dentre elas mais de 150 delegados – estudantes universitários que se credenciaram para participar das decisões na Plenária. Por maioria dos votos, os universitários de Santarém disseram SIM ao novo Estado.

O evento teve início com a mesa redonda Estado do Tapajós em debate, formada pelo Padre Edilberto Sena (diretor da Rádio Rural de Santarém) e pelos professores Manuel Dutra (doutor em jornalismo) e Aluízio Leal (doutor em economia).

Manuel Dutra apontou as origens históricas do movimento de emancipação do oeste do Pará, que remetem ao século XVIII; a idéia de autonomia política da região percorreu o imaginário de inúmeras gerações que viveram nestas terras. Dessa forma, a criação do estado do Tapajós, para Dutra, é um “direito histórico adquirido” do povo do oeste paraense. Para aqueles que argumentam que a nova unidade administrativa será tomada pela corrupção, o professor e jornalista respondeu categoricamente: “Quem fala isso desconsidera que os velhos estados já estão tomados pela corrupção. Prova disso é a Assembléia Legislativa do Pará, instituição que, de tão suja, deveria ser fechada”.

O padre Edilberto Sena, militante histórico de movimentos em defesa da Amazônia e dos povos da região, também defendeu a emancipação do oeste do Pará, apontando vários desafios que o povo do futuro estado terá pela frente, como formar novas lideranças políticas, defensoras de novas idéias, e construir um novo modelo de desenvolvimento econômico e social, diferente do atual modelo predatório que prevalece na Amazônia. Edilberto alertou, porém, que a simples criação do Tapajós não vai trazer mudanças significativas para a população: só o que muda de verdade é a luta do povo, que deve participar ativamente da construção do novo estado.

Por fim, Aluízio Leal fez um forte e bem fundamentado contraponto ao movimento que defende a criação do estado do Tapajós. Baseado em experiências passadas de redivisão territorial, como a criação do estado do Amapá, o economista argumentou que o surgimento de novos estados não é a solução para os problemas do povo de determinada região. Pelo contrário: no nosso caso, a criação do estado do Tapajós deve piorar a situação de miséria e exploração em que vivem os trabalhadores, uma vez que o movimento emancipacionista vem sendo conduzido pela burguesia local e por políticos ligados aos grandes grupos econômicos da região. Assim, para Aluízio, “quem vai mandar no novo estado não são os filhos do Tapajós, mas sim os donos do agronegócio e da mineração”.

O público presente à Plenária teve oportunidade de fazer perguntas e questionamentos aos debatedores, formando-se um campo muito fértil de debate de idéias no auditório da Casa da Cultura. Os estudantes universitários expressaram posicionamentos bem variados sobre a criação do Tapajós, mostrando a rica pluralidade política e ideológica presente no meio acadêmico santareno.

Após a mesa e um breve intervalo, teve início o momento deliberativo da Plenária, em que foram discutidas propostas de encaminhamento para a UES sobre o tema estado do Tapajós. Com o auditório já reduzido por conta do horário avançado, foram apresentadas basicamente 3 propostas de encaminhamento: Sim ao novo estado, não ao Tapajós e abstenção.

Ib Sales Tapajós, estudante de Direito da UFOPA e coordenador geral da UES, propôs que a entidade se posicione favoravelmente à criação do estado do Tapajós, por ser esta uma demanda legítima do povo da região, e não apenas uma pauta da elite local. “No entanto, nossa campanha não deve ser ao lado da classe empresarial e dos políticos corruptos que têm se apropriado do movimento emancipacionista. Nossa campanha tem de ser feita juntamente com os movimentos sociais da região, com os sindicatos da classe trabalhadora e com os lutadores do movimento estudantil. Só assim, poderemos construir uma perspectiva política diferente para o novo estado”.

O estudante de especialização da UFOPA Cândido Cunha, por sua vez, defendeu que a UES se coloque contra a divisão do Pará, argumentando que se trata de um projeto da burguesia contra a classe trabalhadora. Segundo ele, “ao invés de a UES entrar na campanha pelo sim, deve priorizar outras pautas, como a campanha por 10% do PIB pra educação”.

Por fim, Renato Mauro, estudante de medicina da UEPA, apesar de ter se manifestado contrariamente à divisão do Pará, propôs que a entidade se abstenha de manifestar posicionamento. Segundo ele, apoiar o SIM seria estar junto com a elite santarena, mas, por outro lado, dizer NÃO significaria se juntar à campanha da elite metorpoltana.

Após algumas falas defendendo cada um desses 3 pontos de vista, foi encaminhada votação: 2 estudantes votaram na abstenção, 28 no NÃO e 37 se manifestaram favoravelmente à criação do estado do Tapajós. Assim sendo, através do método da democracia direta, os estudantes universitários decidiram que a UES deve dizer SIM ao novo estado.

Dessa forma, nossa entidade dará continuidade à sua tradição história de ser parte ativa dos principais debates envolvendo a cidade de Santarém, o oeste do Pará e a Amazônia. Mais do que defender o SIM, a União dos Estudantes de Ensino Superior de Santarém, daqui para frente, estará discutindo com o povo da região qual o modelo de estado que queremos. Nossa luta não será apenas por um novo estado, mas acima de tudo, por uma nova política no estado do Tapajós!

Fonte: RG 15/O Impacto e IB Sales Tapajós

Um comentário em “Universitários dizem sim ao Tapajós‏

  • 13 de setembro de 2011 em 11:20
    Permalink

    O ESTADO DO TAPAJÓS JÁ EXISTE , EMANCIPAÇÃO JÁ.

    A falta de respeito é tão grande que somos tratados como uma esposa cansada de apanhar e que pede separação:
    O governo vem aqui com “flores e presentes” fingindo nos valorizar para nos fazer voltar atrás em nossa decisão de emancipar o Estado do Tapajós.
    Não é um ato de generosidade que faz de um avaro um generoso.
    O estado do Pará teve centenas de anos para nos valorizar.
    Nós nos valorizamos e somos mais do que “interior”.
    Já somos Tapajonenses em nossos corações.
    O Estado do Tapajós já existe.
    Só precisamos que isso seja oficialmente reconhecido.
    Queremos o direito de nos desenvolvermos, de caminharmos com nossas próprias pernas.
    E sinceramente, se a emancipação fosse para benefício de nossa elite, o que não é, prefiro a elite daqui do que a de Belém.
    Pelo menos a daqui eu vou poder fiscalizar e cobrar.
    Aquela que fica a mais de 800 km é mais difícil.
    A assembléia legislativa do Pará tem poucos representantes do oeste do Pará.
    Com a emancipação teremos 100% de representantes da região:
    Garantia de legislação voltada exclusivamente aos nossos interesses.
    E ainda, duvido que tenhamos tanta gente assim em nossa elite que dê conta de todos os cargos públicos, quem vai governar este estado serão representantes do povo, com certeza.
    Quem defende esse pensamento de interesses elitizados por trás da emancipação, não sabe do que está falando.
    Seu discurso é medíocre e não deve ser levado em conta.
    A emancipação será a solução para nossos problemas com certeza.
    Não a curto prazo, mas será.
    Talvez, solução até para o Pará.
    Quem sabe seremos uma opção de crescimento para os belenensens cansados da violência e desemprego da capital.

    Resposta
  • 13 de setembro de 2011 em 11:19
    Permalink

    O Estado do Tapajós, uma luta de mais de 150 anos.

    Os antecedentes do movimento de emancipação de Tapajós são antigos, a ideia da criação desta nova Unidade Federativa partiu do governo central há mais de 150 anos, datam do início do século XIX, aproximadamente 1923.
    No Oeste o desejo emancipacionista tem raízes históricas que vêm desde a metade do século XIX, quando Dom Pedro II assinou, em 1850, o decreto de criação da Província do Rio Negro, mais tarde Província e estado do Amazonas, depois que as elites daquela unidade intentaram, sem êxito, a separação por conta própria, em 1832.
    Após a perda territorial de sua imensa banda oeste, as elites paraenses permaneceram inconformadas, e os atritos foram frequentes entre as duas unidades. Surgiu, então, a ideia de se criar uma terceira província, que viria, naquele momento, arrefecer os ânimos das elites locais. Em 1869, foram intensos os debates no Parlamento Imperial sobre a necessidade de transformar o Baixo Amazonas paraense (hoje chamado de Oeste do Pará) em uma província autônoma. Em 1832, o Grão-Pará tinha três comarcas: Belém, Santarém e Manaus. Santarém adquiria, assim, status jurídico e administrativo semelhante ao das outras duas cidades, alimentando o sonho da autonomia que jamais veio a se realizar. A redivisão territorial voltou a ser discutida novamente, para resolver as diferenças de limites entre as duas províncias, nos anos de 1869 e 1877.
    Após a instalação da República, foram feitas várias propostas de reordenamento territorial do Brasil e todas, sempre evidenciado a Amazônia e citando o Tapajós, seja como província ou como um futuro estado.
    Entre os anos de 1933 e 1980, foi proposta a redivisão territorial da Amazônia, incluindo o estado do Pará, apontada como alternativa de desenvolvimento social a criação do estado do Tapajós. Nomes como os de Segadas Viana, Juarez Távora e Ronan Liberal (Prefeito de Santarém), propuseram a criação do estado.
    Em 1984, ocorreu uma importante reunião no antigo Hotel Tropical, em Santarém que consolidou um novo momento de luta pelo plebiscito do estado do Tapajós. Por pouco não criou-se o Estado do Tapajós, na Assembleia Constituinte de 1988. Embora não tenham consolidado a criação do Estado, fundou-se a Frente Popular pelo estado do Tapajós, tendo coletado mais de 17 mil assinaturas, em pouco mais de 15 dias úteis, tendo dado entrada no Congresso Revisor, de uma emenda popular, protocolada sob o número 12.977-7, que hoje, junto com o relatório 01/90, respaldam o projeto do Senador Mozarildo Cavalcanti, de 1993.
    Em 1995 um relatório da Comissão de Estudos Territoriais da Assembleia Legislativa do estado do Pará, deu viabilidade à criação do estado do Tapajós, então uma ação político-popular , entrou no Senado Federal com o Projeto de Decreto Legislativo de Consulta Plebiscitária sobre a criação do estado do Tapajós, em 1999.
    Em 2011, a luta pela emancipação e o desenvolvimento.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *