Médica é agredida por empresário

Intimidar servidores públicos no ato de fiscalização vai virar rotina nas empresas privadas em Santarém? Depois das ameaças vivenciadas pela equipe de fiscalização da  Anvisa/Stm, em clínicas e hospitais particulares, no final do mês de setembro. Agora, o alvo foi a equipe de fiscalização da Agência de Defesa Agropecuária do Estado Pará (ADEPARÁ). A médica veterinária Andreza Scafi reforçou o Boletim de Ocorrência, na 16ª seccional de Polícia Civil, por agressão física e desacato a equipe, quarta-feira (26) pela manhã. A infração foi feita pelo gerente da empresa de produtos e materiais rurais (CASA RURAL), Wagner Morgan Lopes.

Casa Rural é alvo de denúncia feita pela médica

Andreza Scafi explica que estava realizando atividades de fiscalização em empresas rurais, quanto a aquisição e funcionamento de geradores. O equipamento faz a manutenção de vacinas imunizadoras da febre aftosa. De todas as empresas fiscalizadas, o único problema encontrado foi com o gerente Wagner, da Casa Rural. Ele adquiriu o equipamento, no entanto, na base de agressões verbais à equipe fiscalizadora da Adepará.  “TOMA CUIDADO, NORMALMENTE A CORDA ARREBENTA PRO LADO MAIS FRACO, MAS SE TU QUIZER LEVAR PRO OUTRO LADO, TU VAI SE DAR MAL”, disse Wagner em suas ameaças.

Essa foi a primeira ameaça verbal, no dia 19 de outubro, com registro de BO na Polícia Civil. “Mas, fiz um adendo, quanto ao excesso dessa segunda vez, ele me empurrou, e mais agressões verbais aconteceram”, confirmou a médica. Indignada, Dra. Andreza diz que o governo do Estado visa cada vez mais melhorias no setor agropecuário. “Porém, atitudes como essas dificultam o trabalho do servidor”.

A Adepará em Santarém trabalha para mudança de status de médio risco para livre de vacinação. A audiência entre a veterinária e o acusado foi marcada para o dia 4 de novembro, na Delegacia de Polícia Civil. O gerente foi autuado por desacato a autoridade sanitária, por dificultar ou impedir os trabalhos da Adepará.

Por: Alciane Ayres

11 comentários em “Médica é agredida por empresário

  • 18 de abril de 2012 em 19:09
    Permalink

    Ela ta errada, deve ter merecido a agressão, deveria ter feito o trabalho dela e ponto. ele que reocresse. mas a arrogente deve ter humilhado o Sr. ja aconteceu antes essa doida deveria ser representada pensa que é dona da adepará. representação já

    Resposta
  • 8 de novembro de 2011 em 14:26
    Permalink

    tem q verificar os dois lados e depois descer o cacete em quem tiver errado.

    Resposta
  • 28 de outubro de 2011 em 16:25
    Permalink

    Logo se percebe que esse gerente é um despreparado. Com esse tipo só há uma saída: Justiça nele!

    Resposta
  • 28 de outubro de 2011 em 12:19
    Permalink

    Tem que analizar os dois lados,como tem comerciantes que nao sabem falar aqui tem tambem pessoas que se acham superiores por causa dos seus cargos,geralmente fiscais aqui em stm nao sabem chegar e falar com as pessoas

    Resposta
  • 28 de outubro de 2011 em 10:47
    Permalink

    Justiça neste violento…..

    Resposta
  • 28 de outubro de 2011 em 10:46
    Permalink

    Que vergonha, onde nós chegamos?

    Resposta
  • 28 de outubro de 2011 em 09:38
    Permalink

    Mesmo que ela tenha se comportado de modo ilegal,ninguem tem o direito de maltratar as pessoas. Deveria ele denunciar a médica a policia ou a seu superior e não maltratar.

    Resposta
  • 28 de outubro de 2011 em 09:11
    Permalink

    Não se pode somente afirmar que o dono da loja está errado,pois só os lojistas é que sabem o tamanho da burocracia a qual todos passam para poder vender vacinas. A ADEPARA faz o papel dela em santarém, mas muitas vezes os lojistas passam por situações que jamais deveriam passar.

    Resposta
  • 27 de outubro de 2011 em 22:52
    Permalink

    o arigó ficou puto rsrsrsrsrsr. pensa que pode com tudo. cadeia nesse cabra da peste.

    Resposta
  • 27 de outubro de 2011 em 21:31
    Permalink

    O simples ato de criar embaraço a fiscalização já é motivo de dar voz de prisão em flagrante a esse elemento e algema-lo, alem de cassar o alvará de licença da loja.

    Resposta
  • 27 de outubro de 2011 em 18:21
    Permalink

    Que absurdo isso, deve ser processado mesmo, impedir trabalho sanitário.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *