Biólogos temem desaparecimento do Igarapé do Irurá

Igarapé do Irurá

O acelerado nível de contaminação, poluição e assoreamento do Igarapé do Irurá gerou preocupação em biólogos de Santarém. Responsável por 60% do abastecimento de água no Município, segundo a Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), o Irurá banha vários bairros de Santarém, entre eles, Cambuquira, Matinha, Santarenzinho e Esperança, desaguando no Lago do Papucú,no Mapirí.

Nos últimos anos, após a instalação de empresas de grande porte às proximidades do manancial, o Irurá virou alvo de contaminação de resíduos de madeira, cloro de piscinas, entre outros agentes poluidores. Grandes valas construídas por uma transportadora de mercadorias, no bairro da Matinha, também está sendo apontado por especialistas, como o causador do soterramento e assoreamento do Igarapé.

Moradores dos bairros do Cambuquira e Santarenzinho contam que há cerca de 10 anos, as águas do Irurá eram cristalinas e, além de servir para a prática da pesca de peixes de algumas espécies, como traíra, mandií e jatuarana, também era usada para beber, lavar roupas e tomar banho. Hoje, os comunitários lamentam a contaminação do manancial e cobram soluções por parte das secretarias municipal e estadual de Meio Ambiente, do Ibama, da Comissão de Meio Ambiente da Câmara Municipal de Santarém e do órgão gestor do Município.

Um grupo de estudantes de biologia de uma faculdade particular de Santarém, em recente visita ao Irurá confirmou que o chorume gerado por conta de uma montanha de serragem de uma madeireira, se consolida como um dos principais poluidores do Igarapé, assim como as valas cavadas pela transportadora foi apontada pelos alunos, como o grande responsável pela aceleração do processo de soterramento do recurso hídrico.

Quem visita o Irurá constata a mudança de coloração da água de cristalina para barrenta, além de espumas provocadas pelo chorume que podem ser vistas no local. Peixes que anteriormente eram fisgados por ribeirinhos, hoje, segundo os biólogos foram extintos do manancial, além de palmeiras nativas, como o açaí e burití.

Fonte: RG 15/O Impacto

2 comentários em “Biólogos temem desaparecimento do Igarapé do Irurá

  • 18 de dezembro de 2015 em 10:17
    Permalink

    Olá, gostaria de saber se tem algum grupo ou associação de preservação dos igarapés em Santarém, gostaria de auxiliar na proteção e restauração.
    Se existe, por favor mande e-mail para mim aguiarkatrine@gmail.com

    Resposta
  • 17 de março de 2012 em 08:03
    Permalink

    É uma pena dizer isso mas esse e outros igarapés já estão morrendo por conta da incompetência e o descaso dos governantes locais que não tem compromisso com a flora e a fauna, é possível sim desenvolver a cidade conservando esses locais, desde que se tenha uma infra-estrutura e saneamento adequados, poxa eu e tantos meninos nos anos 70 tomamos banho no igarapé do Irurá, Urumarí, Uruará e outros que hoje não existem mais. Santarém é uma cidade linda, só precisa de governantes que tenham compromisso com o povo e que ame verdadeiramente essa cidade.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *