CPI de Cachoeira nasce com Collor, Jucá e ficha-suja

A CPI criada para investigar os negócios do empresário Carlos Cachoeira terá entre seus integrantes o ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL), que foi afastado do cargo por corrupção e hoje é senador, e pelo menos outros 17 parlamentares com pendências na Justiça, como o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), informa reportagem de Gabriela Guerreiro, publicada na Folha desta sexta-feira (a íntegra está disponível para assinantes do jornal e do UOL, empresa controlada pelo Grupo Folha, que edita a Folha).

As indicações para a CPI vão ser formalizadas até terça-feira. Somente depois disso a comissão será formalmente instalada e poderá dar início às investigações.

Os partidos já indicaram 25 dos 32 integrantes da comissão, mas pode haver mudanças, porque o governo tem procurado selecionar parlamentares mais afinados.

A CPI vai investigar a ligação de Cachoeira com políticos e empresas privadas –entre elas a Delta, que mais recebeu verbas do Orçamento do Executivo federal desde 2007.

Entre as prioridades dos futuros membros da comissão, estão as convocações de Cachoeira e do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), suspeito de usar o mandato para favorecer negócios do empresário.

Fonte: Folha.com

4 comentários em “CPI de Cachoeira nasce com Collor, Jucá e ficha-suja

  • 22 de abril de 2012 em 09:27
    Permalink

    O CÚMULO… ASSIM JA DA ATÉ P/ SABER O RESULTADO …. O CÚMULO.

    UM BURACO NEGRO SEM FUNDO Q/ TUDO O Q/ SE JOGA DENTRO SOME, VIRA UM NADA, UM GRANDE NADA!

    Resposta
  • 21 de abril de 2012 em 17:19
    Permalink

    Uma afronta a todos os cidadãos de bem dessa casa da Mãe Joana, chamada Brasil. Como pode raposa vigiar galinheiro ?. Esse bando de patifes que se dizem Politicos bem que podiam realmente fazer o que lhes é concedido com nossos votos : Trabalhar em prol da coletividade, porém, como já disse anteriormente, esse oficio não consta em suas cabeças entorpecidas pela ganancia desmedida e os leva a praticar a rapinagem no erário Público, que nada mais é do que o dinheiro do contribuinte, que eles certamente chamam de otarios, pois suas falcatruas, roubos e toda sorte de atos ilícitos, vem desses recursos pagos por gente de bem. A receita Fesderal faz o seu papel de fiscalizar todos os pagadores de impostos, ajudando indiretamente esses assaltantes de colarinho branco.

    Resposta
  • 20 de abril de 2012 em 21:10
    Permalink

    Todos sabem que Ladrão que rouba ladrão tem SEM ANOS ( não é 100 anos), de perdão. E o engracado no Brasil é que, ladrão que Julga Ladrão também tem SEM ANOS DE PRISÃO,( isto é, não vai preso \”SEM\” com S)

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *