Rurópolis terá mapeamento de áreas de risco em breve

A intenção é concluir o mapeamento de Rurópolis até o fim de junho
A intenção é concluir o mapeamento de Rurópolis até o fim de junho

O Pará integra o foco das atenções do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) e Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), que desenvolvem em conjunto o mapeamento de áreas suscetíveis a deslizamento de terra, enxurrada e inundações, a fim de orientar os gestores locais nos futuros planejamentos ambientais e urbanos no território paraense. Neste primeiro momento, Rurópolis, no sudoeste paraense, por já possuir o Modelo Digital de Terreno (MDT), projeção digital em 3D que permite a visualização total do relevo do município, será o primeiro a obter a sua carta de suscetibilidade, conjunto de mapas que identificará as áreas próprias para a ocupação humana, diminuindo o surgimento de novas áreas de riscos e contribuindo para o planejamento urbano.

A intenção é concluir o mapeamento de Rurópolis até o fim de junho e, de outros 38 municípios na Amazônia, incluindo Belém, até o fim deste ano. O trabalho será disponibilizado no site do CPRM para a sociedade e instituições. O trabalho de elaboração das Cartas com a identificação de áreas de inundação e de declividade, padrões de relevo e índice pluviométrico, entre outros específicos, ocorre em âmbito nacional, desde 2012, integrando a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDC). À frente, o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que recebeu como meta a cobertura em 286 municípios brasileiros. No ano passado, o CRPM ganhou a parceria do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, e este ano, do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam). Até então, 100 municípios dos estados da Bahia, Espírito Santo e São Paulo já foram cobertos. Este ano, a meta é fechar os demais 186 municípios, dos quais, 38 são amazônicos, incluindo Belém.

‘Queremos desenvolver uma metologia para referenciar esse tipo de levantamento e expandir o trabalho para todo o País’’, disse o analista de Ciência e Tecnologia, do CRPM de Brasília, Alberto Franco Lacerda, em Belém. O mapeamento é considerado uma ferramenta de planejamento urbano, de infraestrutura, de gestão de recursos hídricos e de uso e ocupação do solo. Para iniciar os trabalhos de elaboração das Cartas, Censipam e CPRM montaram um Projeto Piloto no Centro Regional do Censipam na capital paraense. A metodologia para confecção das Cartas é a mesma utilizada para os demais municípios selecionados, com a diferença de que ela será testada na Amazônia em virtude das peculiaridades geofísicas da região. ‘Na Amazônia tudo é diferente do resto do País, por isso, a importância de se aplicar o programa piloto em Rurópolis, a fim de realizar as modificações necessárias’’, disse o analista. No Pará, além de Rurópolis, estão inclusos nesta etapa, Belém, Marabá, Porto de Moz, Santana do Araguaia, Santarém, Alenquer, Almeirim, Altamira, Baião, Gurupá, Itaituba, Monte Alegre, Oriximiná, Prainha, São João do Araguaia e Tucuruí.

Fonte: O Liberal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *