Denúncia – Empresário é vítima de crime cibernético

O empresário de Novo Progresso, Luís Moacir Hartmann Costa Júnior, procurou nossa redação para denunciar um crime do qual foi vítima. O crime foi cometido em ambiente virtual. Luís Moacir relatou que no último sábado, 28/01, teve seu sistema invadido e três dos servidores de sua empresa foram criptografados por um Cracker, que deixou um e-mail de contato para que se procedesse com a negociação de “resgate” das suas informações. O criminoso em questão, não se identificou e disse ser estrangeiro. O empresário, então, começou com a negociação via e-mail, sendo que durante todo esse tempo, o Cracker mudava constantemente o endereço de IP (identidade do computador), chegando a trocar por mais de quatro vezes a nacionalidade do seu IP; o primeiro contato foi feito por um IP de uma universidade da Coréia do Sul.

“Perdi todas as informações contábeis e fiscais dos anos de 2015/2016 e janeiro de 2017. Ele pediu resgate de 2 bitcoins”, disse o empresário Luís Júnior. Bitcoin é a criptomoeda criada em 2008 utilizada no mundo digital, com ela é possível fazer negociações pela internet com qualquer parte do mundo, não sendo possível o seu rastreamento. Foi criada para facilitar as transações comerciais on line.

No momento da negociação com o empresário, a cotação da criptomoeda estava em 1 Bitcoin para R$ 3.000,00 aproximadamente. Luís Hartmann criou uma conta on line, onde adquiriu a moeda digital para proceder com a transação, em valores nacionais, o montante solicitado pelo Cracker, 2 Bitcoins, beirava os R$ 6.000,00. Após muita barganha e troca de e-mail’s, o valor foi reduzido para 1 Bitcoin (R$ 3.000,00). Hartmann efetuou o pagamento e o criminoso o orientou no sentido de como proceder para recuperar seus dados. O empresário seguiu todos os passos do Cracker, mas ao final de todos os trâmites, apenas um dos três servidores foi recuperado. Foi solicitado mais um valor para que se recuperassem os outros dois servidores. Neste momento, o empresário cortou contato com o Cracker. Decidiu registrar um BO na Delegacia de Novo Progresso, onde tem seu empreendimento.

No BO, datado do dia 02 de fevereiro de 2017, feito na Delegacia de Novo progresso, Luís Moacir Costa Júnior relata que às 05 horas do dia 28/01/2017 houve a invasão nos servidores do sistema operacional de seu estabelecimento comercial denominado Supermercado Tradição Júnior Ltda. e suas filiais, sendo que sua matriz está localizada no Distrito de Moraes Almeida. De acordo com o relator, houve perda de informações contábeis e fiscais dos anos 2015, 2016 e janeiro de 2017. “Relato ainda que o Cracker usou o email: msebinov@aol.com e solicitou como forma de pagamento 2 bitcoins, tendo o relator pago somente um bitcoins”.

SAIBA DAS COISAS: Hacker é o profissional que recebe para achar brechas nos sistemas operacionais e informar às empresas onde estão. Crackers são pessoas aficionadas por informática que utilizam seu grande conhecimento na área para quebrar códigos de segurança, senhas de acesso de rede e códigos de programas com fins criminosos.

CONHEÇA OS CIBERCRIMES E APRENDA A SE DEFENDER DELES: Os criminosos sempre aproveitam onde existem pessoas para cometer seus crimes. Na internet, os cibercriminosos utilizam canais e meios de enganar os usuários para roubar e conseguir dinheiro. A grande maioria dos incidentes não é reportada e as mentes criminosas mais perspicazes sempre conseguem inventar novas maneiras de ludibriar as pessoas e enriquecerem com isso.

Talvez a mais popular forma de conseguir dinheiro é enganar o usuário fingindo ser uma instituição financeira. São várias as formas de se fazer isso, desde roubo de senhas e número de cartão de crédito, até envio de boletos e cobranças online.

Transações bancárias não autorizadas ou cobranças de cartões de crédito: É muito comum receber um email dizendo que seu banco precisa confirmar as informações de sua conta ou que ele precisa que você acesse o link dado para efetuar alguma forma de transação, caso contrário sua conta será bloqueada. O mesmo acontece com operadoras de cartão de crédito. Em geral são e-mail’s falsos que apontam para sites de phishing, onde roubam suas informações ou ainda instalam keyloggers, programas utilizados para roubar informações digitadas.

Pagamento adiantado: Um ato comum é o cibercriminoso enviar e-mail’s em massa, ou spam, pedindo para os supostos clientes de uma marca ou produto realizarem pagamentos adiantados de seus serviços em troca de descontos, brindes ou vantagens. Os incautos acabam pagando duas vezes.

Faturas falsas e cobranças indevidas: É muito comum os criminosos enviarem emails ou mesmo cartas com boletos bancários de cobranças de serviços online, como vendas ou serviços de hospedagem de sites. Essas faturas descrevem produtos e serviços não vendidos ou contêm cobranças indevidas de serviços reais. Alguns criminosos conseguem roubar informações de contas feitas online por meios não seguros e enviam tais cobranças falsas.

Comercialização: É muito comum vermos e-mail’s de vendas de produtos ilegais, como remédios falsos e produtos piratas. Isso acontece não só em e-mail’s, mas também em redes sociais, como mensagens nas redes sociais ou ainda em comentários deixados em blogs.

ADVOGADO FALA SOBRE CRIMES CIBERNÉTICOS: O advogado e especialista em Direito Penal, Benones Amaral, esclarece sobre a legislação para crimes cibernéticos. Assista à entrevista acessando o link abaixo:

Por: Rafael Duarte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *