Empresas terceirizadas acusadas de aplicar calotes em Itaituba

Denúncia foi feita por Fabrício Schuber, presidente da Associação Comercial de Itaituba.

O presidente da Associação Comercial de Itaituba, Fabrício Schuber, denunciou na tribuna da Câmara Municipal, durante audiência pública, que algumas empresas terceirizadas que prestam serviços para as empresas de Miritituba estão dando calotes no comércio local, dando exemplo de uma empresa de Itaituba que trabalha com confecções de uniformes que recebeu só a metade do que foi combinado pela empresa que contratou os serviços e depois escafedeu-se.

Para acabar com esse problema, Fabrício sugeriu que as empresas terceirizadas tenham escritórios instalados em Itaituba, o que dará mais segurança às empresas locais. O presidente da Associação Comercial de Itaituba conclamou, também, as empresas de Itaituba para que se associem na ACI para fortalecer mais ainda a luta da entidade na defesa dos interesses de seus associados.  Fabrício alertou para os prejuízos que Itaituba tem tido por não contar com o sistema S (Sesi, Senai, SENAC) que poderiam contribuir para qualificar a mão de obra local com seus cursos que são de alto nível e de referência nacional.

SINE CLANDESTINO NACIONALMENTE: Como uma cidade que abriga um dos maiores projetos de investimentos do Brasil pode pensar  em desenvolvimento se há precariedade em coisas básicas mais essenciais enquanto ferramenta para o progresso? Foi a própria coordenadora do SINE em Itaituba, Elke Portela, que na audiência tornou público que o SINE de Itaituba hoje está clandestino, fora do sistema nacional. Ou seja, quem cadastra seu currículo em Itaituba, fica só por aqui mesmo sem visibilidade para empresas fora do Município.

Nesse sentido, Elke Portela pediu apoio para que o SINE de Itaituba possa se conectar nacionalmente. Cobrou posicionamento das empresas pela falta de oportunidade às pessoas da região, calculando que dos atuais seis mil cadastros deixados no SINE quase nada tem sido absorvido pelas empresas que estão instaladas e outras em fase de implantação em Miritituba. Elke criticou, também, as empresas locais que segundo ela pouco também contratam através do cadastro do SINE, reiterando que Itaituba pode ter carências em alguns setores, mas aqui há muita gente qualificada e preparada profissionalmente para ser contratada.

Sobre a cobrança de experiência profissional, Elke disse que as empresas deveriam ser mais flexíveis e dar oportunidade para que as pessoas possam comprovar seu valor e mostrar suas capacidades, já que muitos estão recém-formadas egressos das faculdades e cursos profissionalizantes, mas não entram no mercado porque não têm ainda a devida experiência.

Para o Coordenador da audiência, vereador Peninha a presença das entidades e o plenário lotado é um prenúncio positivo de que de fato esse drama de desemprego no mercado local possa se revertido, já que considera muito pequeno ainda a demanda que está sendo absorvida pelas empresas instaladas em Miritituba.

Participaram da audiência também os vereadores Daniel do Posto Dado, Dadinho, Peninha,  Zé Beloni, Diego Mota, Davi Salomão, Antônia do Borroló e todos falaram em prol da geração de emprego e renda para pessoas daqui de Itaituba e região, tendo em vista que o índice de desempregados aqui é muito elevado. O prefeito Valmir Climaco foi representado no evento pelo procurador do Município, Dr. Cajado.

AUDIÊNCIA PÚBLICA COLOCA EM DEBATE O COMPROMISSO DAS EMPRESAS INSTALADAS EM MIRITITUBA: Para encontrar solução e forçar as empresas investidoras de Miritituba a priorizarem mão de obra local, o vereador Luiz Fernando Sadeck (PMDB) solicitou uma Audiência Pública que foi realizada na quinta-feira, dia 23, com a presença de entidades de classes e população em geral. Com o plenário da Câmara lotado, vários temas relacionados à questão emprego/desemprego foram colocados em pauta.

Representando todas as empresas que fazem parte da Amport (antiga ATAP), entre elas Bunge, Cargill e Hidrovias, Marcos Vinólio apresentou números sobre empregos e investimentos em Itaituba, desde que o projeto de implantação de portos passou a ser executado.

Marcos, disse que neste período as empresas juntas geram atualmente cera de 801 empregos diretos, o que equivale a 88%, de insumos gerais foram comprados em Itaituba o total de sessenta e oito milhões, setecentos e setenta e sete mil reais, o que tem ajudado o aquecimento da economia.

Além dos empregos e dos investimentos, Marcos Vinólio enfatizou a realização de cursos de geração de renda voltada para famílias em Miritituba, tais como de corte e costura, cabelo, pintura em tecidos, manuseio em tecidos, entre outros.

Quanto à contratação de mão de obra local, o representante das empresas na audiência disse que o grande problema é que em Itaituba tem muitos bons profissionais que não possuem diploma para comprovação de sua atividade, e para minimizar esse quadro negativo as empresas estão realizando cursos profissionalizantes de Operador de Retroescavadeira, Eletricista Industrial, Empilhadeira,  com apoio do Senai e outros órgãos que participam das capacitações.

Sobre critério de contratações, Marcos Vinólio explicou que cada empresa tem suas próprias estratégias e que os currículos são selecionados no escritório da empresa Ambientare, em Miritituba.

Por: Nazareno Santos

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *