Artigo – A pele e a visão também te avisam de um possível derrame

Por Oswaldo Bezerra

Um famoso neurologista russo explicou que os derrames, geralmente, se manifestam como distúrbios de movimento no rosto, no corpo e até na fala, mas a pele e a visão também são capazes de dar sinais claros de um derrame.

Pacientes com AVC são surpreendidos ao descobrir que não conseguem controlar uma perna, uma mão ou mesmo a fala. De acordo com Rinat Bogdanov, neurologista do Ministério da Saúde da Região de Moscou, uma das características é que todos esses sintomas aparecem repentinamente e praticamente não mudam.

Em entrevista à mídia russa AiF, o especialista destacou que uma pessoa também pode sentir sensibilidade na pele durante um derrame, e pode até perder, repentinamente, o campo de visão. Além disso, podem ocorrer tonturas e instabilidade, que você sente o tempo todo e não passam com a mudança na posição do corpo. Também podem ocorrer problemas de memória.

O neurologista destacou que os ataques isquêmicos transitórios, quando os sinais de AVC passam com rapidez, merecem atenção especial. Eles passaram, mas isso não significa que os problemas com o suprimento de sangue ao cérebro tenham desaparecido, por isso é importante consultar um médico imediatamente.

Além disso, lembrou que, em caso de acidente cerebrovascular, o tempo é vital e a ajuda médica é mais eficaz quando prestada nas primeiras 4 horas e meia. Além disso, é possível salvar grande parte das funções cerebrais e evitar a morte cerebral.

Caso os sintomas do AVC se manifestam de maneira quase imperceptível, deixando dúvida do que aconteceu, faça um teste simples: sorria (um sorriso curvo e um sinal de AVC si); levante as mãos ou coloque-as na testa, uma pessoa com AVC só poderá fazer isso com uma mão. Além disso, uma pessoa pode repetir uma frase simples, no caso do AVC a fala é lenta e a pessoa não vai lembrar todas as palavras.

RG 15 / O Impacto

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *