Artigo – Nossa maléfica criação: redes sociais desumanizam as pessoas e destroem a democracia

Por Oswaldo Bezerra

O documentário da Netflix, “O dilema das redes”, usa ex-integrantes do Vale do Silício para revelar a ameaça existencial que a “Big Tech” representa para a civilização. É muito mais do que um dilema, como intitula o documentário da rede de streaming.

O dilema das redes é um extraordinário sobre as plataformas de mídia social com seus dois bilhões de usuários, e pode muito bem ser o documentário mais importante feito em décadas.

O documentário critica radicalmente com base em informações privilegiadas da mídia social e das grandes empresas de tecnologia que o criaram, e continua a lucrar muito com isso (são monopólios e pagam pouco ou nenhum imposto).

Foram feitas entrevistas com vários ex-executivos das plataformas que criaram as tecnologias e o modelo de negócios que sustentam o império da mídia social. A mídia social está conosco há pouco mais de dez anos e a maioria dos entrevistados está na casa dos trinta.

Tristan Harris (especialista em ética de design do Google) e Jaron Lanier (cientista da computação) são dois dos entrevistados. Eles acreditam que as mídias sociais criaram uma “ameaça existencial” para as sociedades ocidentais nas quais eles foram autorizados a florescer sem controle. Eles acreditam que as plataformas de mídia social desumanizam seus clientes, perturbam o tecido social e estão destruindo a democracia.

Talvez apenas as mídias sociais e seus especialistas em tecnologia tenham uma compreensão abrangente de como o sistema foi montado. Gustave Flaubert, um romancista do século XIX, não gostava de ferrovias porque achava que elas “permitiam que mais pessoas se movimentassem se encontrassem e fossem estúpidas juntas”. Imagina o que ele diria hoje das redes sociais.

O documentário é mais que uma simples crítica a um avanço tecnológico. A tecnologia que sustenta a mídia social difere qualitativamente de todos os desenvolvimentos tecnológicos anteriores, e dá origem a sérias consequências sociais e políticas.

As ferrovias eram uma mera “ferramenta” que permitia que as pessoas viajassem mais amplamente, não desumanizavam seus clientes; nem foram uma ameaça existencial para a sociedade ocidental. Essa diferença, segundo o documentário, é resultado da tecnologia única e do modelo de negócios empregado pelos gigantes da mídia social.

De acordo com o diretor do documentário, Jeff Orlowski, a tecnologia utilizada pelas mídias sociais é inerentemente viciante e manipuladora, e envolve uma ampla vigilância de seus clientes nunca antes alcançada.

Muitos usuários de mídia social são, sem dúvida, viciados. Observe a maneira compulsiva como as pessoas usam seus celulares em público. Como aponta o documentário, existem apenas duas indústrias que descrevem seus clientes como “usuários”, a indústria de tecnologia e a indústria de medicamentos.

Há manipulação. O uso excessivo é incentivado por várias “técnicas de crescimento”, como marcar fotos e convidar amigos. Os gigantes da tecnologia estão em contato constante com seus usuários, bombardeando-os com informações sob medida para seus preconceitos, juntamente com anúncios intermináveis. Os algoritmos permitem o direcionamento extraordinariamente preciso dos usuários.

A mídia social se envolve em uma vigilância secreta, ampla e contínua dos usuários. Cada transação, clique e postagem de cada usuário são monitorados, e montanhas de dados são acumuladas diariamente nos cofres dos porões dos computadores no Vale do Silício.

Há alguns anos, o jornalista britânico John Lanchester observou que o “Facebook” é a maior empresa baseada em vigilância na história da humanidade. Ela observar você e usa o que sabe sobre você, e seu comportamento, para vender anúncios.

Monitorando os usuários, as grandes empresas de tecnologia acumulam grandes quantidades de dados que lhes permitem atrair anunciantes. Por sua vez, os anunciantes estão dispostos a pagar grandes somas pelo direcionamento preciso que apenas os gigantes da tecnologia podem fornecer.

É por isso que os anunciantes viraram as costas para as empresas de mídia tradicionais. As agências tradicionais não podem oferecer o mesmo grau de direcionamento e com precisão.

As empresas gigantes da tecnologia vendem a vida de seus usuários aos anunciantes. Em pouco menos de 20 anos, os gigantes da tecnologia se tornaram as maiores corporações da América e continuam a crescer.

Quais são as consequências disso para a sociedade, e como o autor as vê? Em um nível pessoal, os gigantes da tecnologia estão desumanizando seus próprios usuários.

A mídia social substituiu o contato humano genuíno por conexões virtuais abstratas que encorajam o egoísmo, o narcisismo e o comportamento anti-social. O vício em pornografia substituiu o namoro. Muitos usuários de mídia social tornaram-se incapazes de se envolver em conversas cara a cara.

Os usuários de mídia social precisam de aprovação constante e se esforçam para obter uma “popularidade falsa, frágil e vazia” através de likes, compartilhamentos e número de seguidores.

Eles ficam imersos na cultura popular insípida que os gigantes da tecnologia promovem incessantemente para seus usuários em nome de seus anunciantes. Muitos usuários são incapazes de ler um livro ou distinguir entre notícias falsas e notícias reais.

O bullying e o chamado “discurso de ódio” se tornaram os modos comuns de interação nas redes sociais. A mídia social também eliminou todos os vestígios de privacidade de seus usuários.

Orlowski observou as consequências psicológicas dessas mudanças, que incluem falta de autonomia pessoal genuína e, o mais preocupante, um aumento dramático nas taxas de ansiedade, depressão, automutilação e suicídio na adolescência, especialmente entre as meninas, nos EUA.

Os entrevistados afirmam que não permitem mais que seus filhos utilizem as redes sociais. O documentário sugere que as verdadeiras vítimas são os adolescentes. Os pais precisam assistir O Dilema Social.

O documentário também analisa uma série de consequências sociais e políticas mais gerais, incluindo “o colapso de uma compreensão compartilhada da realidade”; a criação de um mundo “pós-verdade”; um ressurgimento de teorias da conspiração; a intensificação das “guerras culturais”; aumento da polarização política; e o mais importante, as oportunidades que as redes sociais oferecem a todos os partidos políticos para manipular as eleições.

É esta última conseqüência, que flui da capacidade única da mídia social de atingir com precisão os eleitores individuais e seus preconceitos, que constitui a ameaça mais séria à democracia.

Estas tendências são anteriores à criação da mídia social, mas eventos recentes deixam claro que, no mínimo, a mídia social e os gigantes da tecnologia as exacerbaram seriamente nos últimos dez anos.

Orlowski rejeita a afirmação do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, de que os gigantes da tecnologia são capazes de reformar a mídia social ou a si própria. Sua solução para o problema é aumentar o controle e a regulamentação do governo. Resta saber se essa é uma solução viável ou não, embora tenha havido alguns sinais promissores nesse sentido.

Em uma época em que muito do que aparece na Netflix e em outros meios de comunicação não passa de propaganda, “O Dilema Social” se destaca como uma forte crítica aos interesses econômicos, cuja ganância está destruindo a nossa sociedade. Flaubert estava errado sobre ferrovias. Ao promover viagens, comércio e uma difusão mais ampla da cultura, as ferrovias dissiparam a ignorância.

Mas, com uma pequena alteração, sua crítica pode ser adaptada para descrever com precisão o efeito das plataformas de mídia social modernas: “Elas permitem que mais pessoas não se movam, não se encontrem e sejam ainda mais estúpidas juntas”.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *