Artigo – A hora e a vez da prata

Por Oswaldo Bezerra

Você tem uma vela guardada para emergências domésticas, para falta de energia? Provavelmente você tem. Que tal 100 moedas de prata? Se não, você deveria ter. Assim como o leitor do “Jornal O Impacto”, que acompanhou nossas publicações sobre bitcoins, pôde dobrar suas reservas fiquem atentos a mais esta dica. É a hora da prata.

Imagina um colapso social ou de infra-estrutura extremo, com bancos, caixas eletrônicos e maquinetas de lojas offline. Neste caso só coma moeda de prata se poderia comprar mantimentos para sua família. Esta é uma das muitas razões pelas quais a venda de moedas de prata e ouro está prestes a se popularizar.

É previsto para as próximas eleições nos EUA uma agitação social que trará caos. Provavelmente, nem saberemos quem serão os vencedores por várias semanas após a eleição. As coisas podem ficar muito feias por lá. Fugas de grandes cidades como Nova York já se iniciaram. É uma hipótese que trará escassez e o preço da prata poderá subir para US$ 60 a onça ou mais, em relação aos níveis atuais de cerca de US$ 25 por onça.

A prata é mais prática que o ouro como meio de troca. Uma moeda de ouro é muito valiosa para ser trocada por um carrinho de compras no supermercado, mas uma ou duas moedas de prata é o suficiente.

A prata é mais difícil de analisar que o ouro porque o ouro quase não tem utilidade, exceto como dinheiro, também como joia. A prata, por outro lado, tem muitas aplicações industriais. Ela é uma verdadeira mercadoria e também uma forma de dinheiro.

Isso significa que o preço da prata pode variar com base na utilização industrial e no ciclo de negócios, independentemente de fatores monetários como inflação, deflação e taxas de juros. No entanto, a prata é uma forma de dinheiro (junto com ouro, dólares, bitcoin e euros), e sempre foi.

Prata é um dos “Dinheiros” mais antigos, e o que parece também será no futuro. À medida que os poupadores e investidores perdem a confiança no dinheiro do banco central, eles se voltem cada vez mais para o dinheiro físico (ouro, prata) e dinheiro digital não pertencente ao banco central (bitcoin e outras criptomoedas) como depósitos de riqueza e um meio de câmbio.

A prata apoiou as economias de impérios, reinos e estados-nação ao longo da história. Antes da Renascença, o dinheiro mundial existia como moedas de metal precioso ou barras de ouro. Reis acumulavam ouro e prata, distribuíam para suas tropas, lutavam por eles e roubavam uns dos outros.

No século XIV, banqueiros florentinos aceitavam depósitos de ouro e prata em troca de notas que eram uma promessa de devolver o ouro e a prata do acordo. As notas eram uma forma de troca mais conveniente do que o metal físico. Eles podiam ser transportados por longas distâncias e trocados por ouro e prata nas filiais de um banco familiar florentino em Londres ou Paris.

As notas bancárias não eram passivos sem garantia, mas sim recibos de depósitos de metais preciosos. Os banqueiros da Renascença perceberam que poderiam colocar os metais preciosos sob sua custódia para outros usos, incluindo empréstimos a príncipes. Isso deixou mais notas emitidas do que metal físico sob custódia.

Os banqueiros confiavam no fato de que as notas não seriam todas resgatadas de uma vez, e eles poderiam recuperar o ouro e a prata dos príncipes e outras partes a tempo de cumprir os resgates. Assim nasceu o “banco de reservas fracionárias”, no qual o metal físico mantido é uma fração das promessas feitas no papel.

Apesar do advento dos bancos, notas e reservas fracionárias, o ouro e a prata mantiveram seu papel central como moeda mundial. Príncipes e mercadores ainda mantinham moedas de ouro e prata em bolsas e cofres. As promessas de ouro e papel estavam lado a lado. Ainda assim, o sistema era baseado em ouro.

A prata desempenhou um papel de liderança neste sistema. A popularidade da prata como um padrão monetário foi baseada na oferta e demanda. O ouro sempre foi escasso, a prata mais facilmente disponível. Carlos Magno inventou a flexibilização quantitativa, no século IX, substituindo a cunhagem de ouro pela prata para aumentar a oferta de dinheiro em seu império. A Espanha fez o mesmo no século XVI.

Sob os Atos de cunhagem dos EUA de 1792, tanto as moedas de ouro quanto de prata tinham curso legal nos EUA. De 1794 a 1935, os EUA emitiram “dólares de prata” em vários desenhos. Foram amplamente divulgados e usados ​​como dinheiro por cidadãos comuns. O dólar norte-americano foi legalmente definido como uma onça de prata.

O dólar de prata norte-americano do final do século XVIII era uma cópia do Real, o “ocho” (oito, pois podia ser dividido em 8 partes) cunhado pelo Império Espanhol no início do século XVI.

Até 2001, os preços das ações na Bolsa de Valores de Nova York eram cotados em oitavos e décimos sextos com base na moeda de prata espanhola original e suas seções de um oitavo.

A prata tem as atrações do ouro. A prata é de grau uniforme, maleável, relativamente rara e agradável à vista. Depois que os EUA tornaram a posse de ouro um crime em 1933, as moedas de prata circulavam livremente. A porcentagem de prata caiu de 90% para 40% e, eventualmente, para zero no início dos anos 1970. Desde então, nos EUA as moedas em circulação contêm cobre e níquel.

Da antiguidade até meados do século XX, os cidadãos mesmo com posses modestas podem ter algumas moedas de ouro ou prata. Hoje não há moedas de ouro ou prata circulando. As moedas que existem são ouro, mas mantidas fora da vista.

A prata com certeza vencerá, não importa quem seja eleito presidente nos EUA. A prata já teve um ano muito bom, como o ouro.

Independentemente de qual partido vença nos EUA, uma coisa é certa. Estão definidos mais estímulos fiscais em 2021 e muitos gastos do governo. Se Joe Biden vencer, os democratas farão pressão por assistência médica gratuita para todos, e o New Deal Verde. Uma vez Trump vencedor, haverá mais gastos e mais dinheiro impresso. Trump provou em seu mandato que ele não é um conservador fiscal. Mais inflação vem por aí.

A expectativa do mercado quanto a esse resultado, a partir do início de novembro, será um poderoso venta a favor da prata. Os investidores devem se preparar agora, antes do pico.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *