Artigo – A grande revelação das eleições dos EUA não foi Biden, mas Kamala Harris, que está claramente sendo preparada para a presidência em 2024

Por Oswaldo Bezerra

Joe Biden fará 82 anos em quatro anos e é improvável que ele vá para um segundo mandato como presidente. É óbvio que Kamala Harris será sua sucessora, apesar do currículo controverso. Não foram apenas quatro anos. Esta eleição pode ter decidido o futuro da América até 2032.

Joe Biden, aparentemente, está a caminho da Casa Branca como o 46º presidente. Fez diferença ao receber o maior número de votos que qualquer outro candidato na história. Junto ele trouxe como vice-presidente Kamala Harris. Claro, ela realmente quer o lugar de Joe, mesmo sendo sua campanha como candidata democrata ter sido um desastre.

Os jornais revelaram através de dois conhecidos, Juan Rodriguez e a irmã de Kamala, Maya, que demonstraram que não é apenas Trump que tem tendência ao nepotismo. Maya foi uma escolha lógica já que foi uma das três consultoras de política sênior de Hillary Clinton em 2016, que a fizeram perder.

Analistas políticos indicaram que essa campanha foi tão inepta que foi mostrada como um exemplo de como não ganhar a presidência. Não foi apenas a falta de foco, mas também a ausência de políticas claras. Havia uma indecisão sobre se ela deveria explorar o seu papel como promotor ou não. O New York Times relatou: “Ela provou ser uma ativista desigual, que muda sua mensagem e táticas com poucos resultados”.

Harris foi a primeira grande baixa para os democratas e nem mesmo chegou às primárias. Quatro outros resistiram e desistiram depois dela, também antes das primárias. Outros 11 democratas seguiram em frente antes que Biden saísse vitorioso.

Embora a organização desordenada tenha sido uma das razões pelas quais Kamala desistiu, outra foi que ela não podia se dar ao luxo de continuar. Sua campanha não tinha fundos para pagar por publicidade na TV e até teve que parar de comprar anúncios no Facebook. Ela então teve que demitir muitos funcionários e contar com voluntários para bater nas portas.

Embora seja admirável que Harris vá ser a mulher de cor negra mais experiente do governo norte-americano e a primeira vice-presidente feminina, isso levanta uma questão. Se ela não pode realizar uma campanha funcional dentro de seu próprio partido, porque ela ganhou uma chance de se destacar?

Deve-se considerar a idade de Biden. Ele completará 82 anos no final do primeiro mandato e é previsto que ele desistirá então. Fontes próximas a ele, sugeriram isso no ano passado. Anderson Cooper da CNN e o ex-gerente de campanha de Obama, David Axelrod, apontaram para um cenário onde Harris seria a favorita para assumir o controle.

Harris está sendo posicionado agora para assumir em 2024 e vencer novamente em 2028. Ela acabou de fazer 56 anos, então sua idade não é um problema e ela está sendo preparada para parecer presidencial. De que outra forma alguém passaria de um caso perdido de candidato a uma figura nacional altamente respeitada em questão de poucos meses?

Há muita badalação nos bastidores, sobre como seu marido Douglas Emhoff está sendo saudado como o primeiro segundo cavalheiro judeu; nenhum judeu jamais fez parte do primeiro ou segundo casal da América do Norte. Garantir que ele receba atenção é construir Harris. É uma tentativa de replicar a ótica de Barack Obama. Sua esposa Michelle era extremamente popular e suavizou sua imagem.

Sua origem étnica é importante no mundo tradicionalmente branco da política dos EUA, mas ela não é uma progressista. Os esquerdistas podem se surpreender em saber que, durante seu tempo como promotora distrital na Califórnia, a taxa de condenação por crime aumentou de 50% para 76%. Em 2004, a taxa de condenação de traficantes de drogas era de 65%, mas subiu para 76% dois anos depois.

Seu histórico como promotor reflete a contrariedade de sua oferta presidencial abortada. Ela pressionou por programas para ajudar os condenados libertados a encontrar emprego, mas foi criticada por tornar mais difícil para aqueles que buscam libertação terem acesso às evidências.

Houve também o desastre de Jamal Trulove, que foi enviado para a prisão por assassinato injustamente. Harris supervisionou seu caso e esteve presente em suas audiências de condenação. O tribunal de apelação concluiu que houve “má conduta do promotor” e rejeitou o caso, que mais tarde viu Trulove receber US$ 13,1 milhões por passar seis anos na prisão.

Ela também foi acusada de esconder um escândalo de “policiais sujos” no sul da Califórnia, mas tudo isso agora está sendo varrido para debaixo do tapete. O establishment democrata sabe que ela é um deles. Sabe-se também que está alinhada com a CIA e com as Big Tech. Por isso, estão traçando seu curso. Porque Kamala Harris está sendo apontada como a 47ª presidente dos Estados Unidos.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *