Artigo – Descoberta uma maneira de eliminar o álcool do sangue rapidamente

Por Oswaldo Bezerra

Pesquisadores canadenses desenvolveram um método interessante para reduzir os níveis de álcool no sangue. A metodologia é três vezes mais rápido do que o normal. Usa um dispositivo simples do tamanho de uma bolsa e poderia salvar milhões de vidas em todo o mundo a cada ano.

Um grupo de cientistas, liderado pelo Dr. Joseph Fisher da University Health Network de Toronto, Canadá, estava explorando tratamentos para intoxicação alcoólica aguda. Encontraram uma nova solução que era tão simples que gerou desconfiança. Impressionante como isso não foi tentado há décadas atrás, afirmou o líder da pesquisa.

O novo método envolve o engajamento dos pulmões para hiperventilar o excesso de álcool para fora do corpo. Isso ajuda o fígado a reduzir os níveis de álcool na corrente sanguínea do paciente rapidamente.

O único método existente hoje para remover o álcool do sangue é através da diálise (o processo de remoção do excesso de água, solutos e toxinas do sangue). Contudo, isso não é aplicável em casos de consumo extremo de álcool, pois leva muito tempo. Na maioria dos casos, o fígado do paciente lida com cerca de 90 por cento do processamento de álcool em seu corpo, a uma taxa constante que normalmente não pode ser ajustada externamente.

Essa nova técnica de respiração reduz os níveis de álcool no sangue três vezes mais rápido do que apenas o fígado trabalhando por conta própria. O paciente não pode simplesmente hiperventilar, porque em um ou dois minutos surge tontura seguida do desmaio. É aí que o dispositivo que os pesquisadores criaram entra em cena.

A hiperventilação elimina o dióxido de carbono (CO2) do sangue junto com o álcool, mas diminuições rápidas nos níveis de CO2 no sangue causam tonturas a ponto de desmaiar. Não é ideal para o tratamento de pacientes em risco.

Para mitigar essa perda de consciência, Fisher e sua equipe desenvolveram um dispositivo do tamanho de uma bolsa para reintroduzir com segurança a quantidade necessária de CO2 de volta na corrente sanguínea para níveis normais e de consciência, apesar da hiperventilação.

Por sorte é um dispositivo muito básico e de baixa tecnologia que poderia ser feito em qualquer lugar do mundo. Não são necessários eletrônicos, computadores ou filtros. No momento, o dispositivo é apenas um protótipo usado para testes em voluntários. Os pesquisadores ainda recomendam mais estudos adicionais para investigar seu possível uso em um ambiente clínico.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de três milhões de mortes em todo o mundo, por ano, são atribuídas ao uso abusivo do álcool, sendo responsável por 5,3 por cento do total de mortes de todo o planeta. O dispositivo criado poderá ser uma boia de salvação sem precedentes.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *