Artigo – Atualmente se fala muito sobre o “Grande Reset”, mas que diabo é isso?

Por Oswaldo Bezerra

Basta você dar uma rápida olhada nos principais jornais do mundo, ou nas páginas da internet que você verá muito a expressão “Grande Reset” ou a “Grande Restauração”. O termo tem sido tendência no Facebook e no Twitter. Há poucos dias o New York Times publicou um artigo classificando-o como mera “teoria da conspiração”. No mesmo dia, o Forum Econômico Mundial celebrava que o “Grande Reset” seria nossa única forma de construir um futuro.

Definitivamente não é uma teoria da conspiração. Houve fatos que o New York Times não conseguiu descobrir ou se recusou a colocar na balança. Acontece que “Grande Reset” é, na verdade, uma iniciativa do próprio Fórum Econômico Mundial.

O que se pretende é fazer com que as partes interessadas globais cooperem na gestão simultânea das consequências diretas da pandemia. Para melhorar o estado do mundo, o Fórum Econômico Mundial está iniciando a iniciativa “The Great Reset”.

Sim, o New York Times divulgou notícias falsas quando disse a todos que “a Grande Restauração” é apenas uma “teoria da conspiração”, e eles um grande pedido de desculpas. O Jornal se igualou aos grupos criminosos ligados a políticos que espalha “notícias falsas”.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, a Grande Reinicialização é uma “janela única de oportunidade” para os líderes globais moldarem “o futuro estado das relações globais, a direção das economias nacionais, as prioridades das sociedades, a natureza dos modelos de negócios e a gestão de um bem comum global.
À medida que entramos em uma janela de oportunidade única para moldar a recuperação, esta iniciativa oferecerá diretrizes para ajudar a informar todos aqueles que determinam o estado futuro das relações globais, a direção das economias nacionais, as prioridades das sociedades, a natureza dos modelos de negócios e a gestão de um bem comum global.

Com base na visão e na vasta experiência dos líderes engajados nas comunidades do Fórum, a iniciativa “Great Reset” tem um conjunto de dimensões para construir um novo contrato social que honre a dignidade de cada ser humano. A Grande Restauração é essencialmente um projeto atualizado para uma Nova Ordem Mundial.

O homem por trás da “Grande Restauração” se chama Klaus Schwab. Ele é o fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial (WEF). Há um artigo de Schwab intitulado “Agora é a hora de um grande reinício”.

Neste artigo é descrito que para alcançar um melhor resultado, o mundo deve agir conjunta e rapidamente para renovar todos os aspectos de nossas sociedades e economias, desde a educação até os contratos sociais e as condições de trabalho. Todos os países, dos Estados Unidos à China, devem participar, e todos os setores, desde petróleo e gás até tecnologia, devem ser transformados. Em suma, precisamos de uma “Grande Reinicialização” do capitalismo.

O artigo é muito aberto sobre o fato de que deseja renovar todos os aspectos de nossas sociedades e economias. Isso significa que todos os aspectos da atividade humana estariam neste plano. O grande objetivo é uma “Grande Restauração” do capitalismo.

Para muitos isso dispara certos temores. Quando as pessoas começam a falar sobre mudanças dramáticas no capitalismo, geralmente o que querem dizer é que devemos nos mover ainda mais na direção do socialismo.

De acordo com Schwab, existem três componentes principais para a “Grande Reinicialização”. O primeiro envolve a reforma de nossos sistemas econômicos para que “promovam resultados mais equitativos”.

Além disso, os governos devem implantar reformas há muito esperadas que promovam resultados mais equitativos. Dependendo do país, isso pode incluir alterações nos impostos sobre a riqueza, a retirada dos subsídios aos combustíveis fósseis e novas regras que regem a propriedade intelectual, o comércio e a concorrência.

Schwab afirma que um dos principais componentes da “Grande Restauração” envolveria investimentos maciços do governo em infra-estrutura urbana “verde” e outros projetos semelhantes.

O segundo componente de uma agenda da Grande Reinicialização garantiria que os investimentos promovessem metas compartilhadas, como igualdade e sustentabilidade. Aqui, os programas de gastos em grande escala, que muitos governos estão implantando, representam uma grande oportunidade de progresso.

A Comissão Europeia, por exemplo, revelou planos para um fundo de recuperação de € 750 bilhões (US$ 826 bilhões). Os EUA, China e Japão também têm planos ambiciosos de estímulo econômico.

Em vez de usar esses fundos, bem como os investimentos de entidades privadas e fundos de pensão, para preencher as rachaduras do antigo sistema, devemos usá-los para criar um novo que seja mais resiliente, justo e sustentável no longo prazo. Isso significa, por exemplo, construir uma infra-estrutura urbana “verde” e criar incentivos para que as indústrias melhorem seu histórico de indicadores ambientais, sociais e de governança. Isso é o “New Deal Verde” que a esquerda têm pressionado nos Estados Unidos.

Schwab também prevê aplicar as “inovações” que testemunhamos durante a pandemia COVID como um modelo para “todos os setores” da sociedade. A Grande Reinicialização é aproveitar as inovações da Quarta Revolução Industrial para apoiar o bem público, especialmente abordando os desafios sociais e de saúde.

Durante a crise do COVID-19, empresas, universidades e outros uniram forças para desenvolver diagnósticos, terapêuticas e possíveis vacinas, estabelecimento de centros de teste, criação de mecanismos para rastrear infecções; e o emprego de telemedicina. Imagine o que seria possível se esforços semelhantes fossem feitos em todos os setores. O pensamento é que a resposta global à pandemia COVID pode ser um plano para governar cada área de nossas vidas no futuro.

O globalismo, ou o “multilateralismo”, vislumbra um futuro “sustentável” no qual todas as formas da atividade humana sejam monitoradas e controladas de perto para o bem do planeta. Por esta ideia, um sistema global no qual todas as nações do mundo estejam cada vez mais integradas será melhor para a humanidade.

Há quem resista por medo de um sistema global implacável. Estas pessoas acham que a intenção do jornal New York Times foi a de convencer que planos como a “Grande Restauração” nem mesmo existam, mesmo que as próprias organizações globalistas, como o Fórum Econômico Mundial, estejam anunciando publicamente seus planos imediatamente.

Uma coisa é certa. Junto com o Grande Reset haverá uma “reinicialização financeira”. Por mais que as grandes lideranças mundiais pretendem fazer, sob o pretexto de mais igualdade e justiça social, é preciso buscar botes salva-vidas. O mais aconselhável hoje é o bitcoin.

RG 15 / O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *