Em três anos de acolhimento de refugiados venezuelanos, Santarém segue com desafios

Uma programação interna, nessa sexta-feira (04),  marcou os três anos de acolhimento de refugiados venezuelanos, em maioria indígenas da etnia Warao. Santarém os acolhe desde 28 setembro de 2017, quando o município foi surpreendido com a chegada do primeiro grupo.

 

De lá pra cá a palavra desafio vem sendo usada com muita frequência. Muitos avanços foram alcançados. Frutos de importantes parcerias que se uniram desde o primeiro desafio evidenciando a intersetorialidade nessa trabalho que vem sendo construído em uma ação humanitária por muitas mãos, com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur); Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef); Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais  (Adra/Unicef); Ministério Público do Trabalho; Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Secretarias Municipais de Assistência Social, Saúde, Educação, e demais instituições, que desde o início do maior desafio de acolhimento já vivenciado na história do município estiveram caminhando juntos.

 

 

“Temos que comemorar. Muitos foram os avanços alcançados nesse acolhimento. Santarém foi o primeiro município a implantar o processo de escolarização das crianças e adolescentes indígenas, após todo um trabalho de ambientação. O incentivo à amamentação também é um dos destaques, o trabalho de busca de autonomia desse povo ainda é desafiador”, avaliou Celsa Brito, secretária municipal de Trabalho e Assistência Social.

 

A secretária lembra que desde 2017, quando recebeu o primeiro grupo de refugiados venezuelanos (indígenas Warao), devido o município ser acolhedor, não teve o histórico de indígenas abandonados nas ruas. Celsa e as coordenadora do espaço, Juliana Fialho e Alayne Alves, observaram que o maior desafio ainda está relacionado a questão da inclusão e autonomia.

 

“Já trabalhamos a questão empreendedora por meio do artesanato, a inserção no mercado de trabalho,  tivemos o desligamento de algumas famílias, que compraram uma terrinha, e seguem com sua autonomia mas, infelizmente se for comparado com o quantitativo de acolhidos em torno de 650 pessoas, nesses três anos, esse resultado ainda é pequeno e continua sendo desafiador”, avaliaram.

Atualmente, o município está acolhendo 171 pessoas.

RG 15 / O Impacto com informações da PMS

3 comentários em “Em três anos de acolhimento de refugiados venezuelanos, Santarém segue com desafios

  • 7 de dezembro de 2020 em 18:00
    Permalink

    Não vimos qualquer comunista de discurso acolher, pelo menos um, venezuelano em sua casa ! Onde fica a tão propalada “solidariedade internacional socialista” ? Outra mentira, reis do engodo !

    Resposta
  • 7 de dezembro de 2020 em 08:45
    Permalink

    Eis aí um Governo comunista, apoiado integralmente pelo PT, PSOL, PCdoB entre outros. Vamos tomar cuidado com o nosso voto. Não elejam candidatos de esquerda. Argentina já está tá amargando a Vitória da esquerda, muitos já estão cruzando a fronteira para o Uruguai, fugindo da ditadura que está sendo implantada naquele país.

    Resposta
  • 5 de dezembro de 2020 em 21:11
    Permalink

    Agora falta cobrar do Maduro toda despesa que Santarém já teve, afinal foi a miséria, a fome, as doenças, as perseguições, as prisões arbitrárias, etc, como consequências do comunismo implantado na Venezuela, que obrigou o povo a fugir para os países vizinhos !

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *