Denúncia – Na periferia de Santarém, lideranças evangélicas tentam convencer a população a não se vacinar

Chegaram à redação do Impacto várias denúncias relacionadas a atuações de lideranças evangélicas que estariam de alguma maneira tentando convencer os irmãos de igrejas a não tomarem a vacina contra a covid-19. “A fé irá curar. A fé irá nos proteger”, argumentam.

Segundo informações, na área urbana de Santarém, especialmente na periferia, integrantes de congregações evangélicas ignoram qualquer tipo de dados da saúde pública e de especialistas em combate ao coronavírus, com argumentos baseados em fake news, tais como, a “vacina é a marca da besta”, “o imunizante irá provocar esterilização em mulheres” e “como a vacina vem da china, ela irá implantará chips nas pessoas”.

Essa estratégia também foi utilizada por representantes evangélicos em aldeias indígenas, o que vem ocasionando transtornos para as equipes de saúde. E com isso a desconfiança na ciência tende a aumentar, se constituindo então um verdadeiro desserviço à sociedade.

As autoridades públicas devem tomar providências relacionadas à denúncia, uma vez que podem ser enquadradas em crime contra a saúde pública.

 

RG 15 / O Impacto

 

3 comentários em “Denúncia – Na periferia de Santarém, lideranças evangélicas tentam convencer a população a não se vacinar

  • 1 de abril de 2021 em 12:09
    Permalink

    Outro dia estava circulando um vídeo onde, o “finado” pastor Lázaro fazia uma pregação em que ele dizia, “esse vírus covid não existe meus irmãos, quem tem fé não pega vírus, isso é coisa do capeta”, dias depois ele foi infectado, intubado e morreu. Ou seja, mesmo para quem tem fé o vírus é letal. Pastores evangélicos, padres, freiras, macumbeiros, ateus, budistas, enfim nenhum ser humano está imune.

    Resposta
  • 31 de março de 2021 em 18:31
    Permalink

    Acusar que as igrejas prega contra a vacina, é falácia. Não tem fundamento. Pelo contrário, as igrejas vem prestando um serviço relevante no combate à pandemia, tanto na orientação às pessoas para que tomem as vacinas, quanto aos serviços de assistência social, algo que o poder público ou privado não fazem.

    Agora, afirmar que a Igreja prega que Jesus cura, isso é verdade, porque realmente ele cura, não só da covid, mas de toda e qualquer enfermidade. Pregar a fé é uma missão fundamental da igreja e nada nem ninguém poderá mudar isso. Contra a fé não há lei.

    Sugiro ao conceituado Jornal, se ainda não fez, que cumpra o seu papel em checar os informes e orientar denunciantes a procurarem às autoridades competentes, com as devidas testemunhas. Porque denunciação falsa, também é crime.

    Resposta
    • 31 de março de 2021 em 22:52
      Permalink

      Quando se fala dessa forma, você nivela todas as igrejas evangélicas por baixo: nas congregações que fazemos parte, todo o protocolo sanitário tem sido executado com o rigor visando colaborar enfrentamento da Covid-19. Inclusive adotou-se a modalidade de cultos pelas redes sociais. Termômetro infravermelho, álcool a 70% sendo oferecido aos que optam pelo culto presencial, uso de máscaras é obrigatório nas reuniões. Mas cada cidadão é livre para optar pela vacina. Nem todos pregam contra vacina da Covid. Isso é uma decisão pessoal. Sendo assim, não se deve generalizar que essa conduta antivacina seja pregada nas igrejas (evangélicas). Até porque nem tem quantitativo de vacinas para todos.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *