Presos suspeitos de participação na morte de quatro pessoas encontradas em cemitério clandestino

Uma operação da Polícia Civil do Pará, deflagrada na manhã de quarta-feira (23), cumpriu mandados de prisão e busca em apreensão em Belém e Ananindeua dos suspeitos de envolvimento na morte de quatro pessoas. Durante a ação, um adolescente foi apreendido e com ele a polícia encontrou o telefone celular que pertencia ao bombeiro militar Alan Tadeu Neco Vieira, de 26 anos. O militar estava desaparecido e seu corpo foi encontrado dias depois enterrado em um cemitério clandestino em Ananindeua. Outros três corpos também foram encontrados no local.

Dois mandados de prisão foram cumpridos e um homem foi preso. Um segundo suspeito, apontado como líder da associação criminosa, resistiu à ordem de prisão, efetuou vários disparos contra os policiais, e houve troca de tiros. Mesmo socorrido e levado a uma unidade de saúde, o suspeito morreu.

A operação Tânatos foi coordenada pela Divisão de Homicídios (DH) e é consequência de uma força-tarefa instalada na Divisão de Homicídios desde a ocorrência do crime. Durante as investigações, que reuniram mais de 100 agentes, com o apoio da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE), também foram apreendidos documentos, uma arma de fogo e celulares dos envolvidos.

Todas as vítimas – encontradas em uma área de mata em Ananindeua – já foram identificadas, porém, os corpos de um homem e uma mulher ainda estão estão no Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPC), em Belém, e devem passar por exame de comparativo genético com familiares. O teste é necessário em consequência do estado avançado de decomposição em que foram encontrados. Em um levantamento preliminar, foi constatado que nenhuma das vítimas tem passagem registrada pela polícia. A ligação entre as vítimas ainda está sendo alvo de investigação.

A resposta rápida nas investigações, apenas 13 dias após a localização das vítimas, foi uma determinação do delegado-geral da Polícia Civil, Walter Resende: “A força-tarefa foi composta por inúmeros agentes da Polícia Civil, além da participação direta de outros órgãos que compõem o sistema de segurança pública, como CPC Renato Chaves, Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, além do reforço e parceria do Ministério Público Estadual. Todos os mandatos foram feitos com provas contundentes que todos os alvos tinham ligação com o crime”, disse.

Ainda segundo o delegado-geral, um quarto envolvido no crime estava se abrigando na casa de parentes no interior do Estado, mas no último fim de semana, ele se envolveu em uma briga, foi atingido com tiros de arma de fogo e morreu.

A Operação continua e as diligências estão sendo feitas na capital e no interior do Estado. Quem tiver informações que possam ajudar na investigação, pode repassar para o Disque-Denúncia, 181. A ligação é gratuita e o sigilo é garantido.

RG 15 / O Impacto com informações da PM-PA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *