Fundador do WikiLeaks diz que Lula não precisa ser leal aos EUA

O fundador do site WikiLeaks disse em uma entrevista ao jornal El País que recebe “ameaças de morte o tempo todo”, desde que começou a vazar documentos confidenciais no seu site. O ativista australiano lembro do apoio que recebeu da América do Sul durante os dias em que foi preso, citando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Assange recebeu os jornalistas na mansão em que está hospedado no interior do Reino Unido, desde que deixou a cadeia na última quinta-feira (16), após ser acusado de estupro pela Justiça da Suécia.

Ele lembrou o “apoio em escala mundial” que recebeu, “especialmente na América do Sul e na Austrália”. Disse também que “quanto mais perto um homem está do poder, menos disposto está para apoiar” a sua causa. Ao falar sobre os poderosos, citou o presidente Lula, que o defendeu publicamente.

– Lula é um caso especial, porque está se retirando [do poder], e isso o permite ser mais direto do que teria sido [em outra ocasião]. Ele já não tem de prestar nenhuma lealdade aos Estados Unidos.

Assange crê que ameaças venham de militares americanos

O ativista australiano disse que recebe “ameaças de morte todo o tempo”.

– Meu advogado recebe, meus filhos recebem [ameaças].Questionado pelos repórteres se sabiam de onde vinham as tais ameças, ele acusou os militares americanos.

– A maioria parece vir de membros das Forças Armadas dos Estados Unidos.

Ativista foi preso acusado de estupro

Assange foi preso pelas autoridades do Reino Unido a pedido da Justiça da Suécia, onde é acusado de abuso sexual por ter feito sexo sem camisinha com duas mulheres.

A prisão ocorreu em meio ao escândalo do vazamento de 250 mil documentos confidenciais da diplomacia dos EUA. Os relatórios causaram constrangimento ao governo americano por causa de comentários grosseiros sobre líderes mundiais.

Do R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *