Advogado vai ao STF pedir liberdade do goleiro Bruno

O advogado do goleiro Bruno Fernandes, Claudio Dalledone Júnior, disse em entrevista ao R7 nesta quarta-feira (26) que vai entrar com um pedido de liberdade para seu cliente no STF (Supremo Tribunal Federal).

Entre vários argumentos, o defensor anunciou que vai apontar que o juízo de Contagem (MG), onde o caso tramita atualmente, é incompetente para apreciar o caso.

Estudos privados contratados por Dalledone dão conta de que o sítio de Bruno fica na cidade de Esmeralda. A casa do suspeito Marcos Aparecido dos Santos, Bola, fica no município de Vespasiano. Esses são os dois locais apontados pela Promotoria onde teria acontecido o assassinato da ex-amante do goleiro Eliza Samudio. O corpo de Eliza não foi localizado.

A manobra de Dalledone é similar a usada pela defesa dos acusados de matar Mércia Nakashima, em São Paulo. A vítima morreu em Nazaré Paulista, mas o caso tramita em Guarulhos. Em novembro de 2010, desembargadores da 12ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiram que o julgamento do caso deve seguir em Guarulhos

Dalledone já entrou com recurso questionando a competência do caso no Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Os desembargadores da 4ª Câmara julgaram em novembro do ano passado que a competência é mesmo de Contagem, pois existe a suspeita de que nessa cidade o “ato teria sido consumado”.

O advogado diz que com a tramitação em Contagem, Bola fica sem sua ampla defesa, pois ele reside em Vespasiano.
– A competência [ser colada em Contagem] é um abuso, uma ilegalidade e uma injustiça.
Caso o caso comece a tramitar em outra comarca, o novo juiz poderá anular parte ou todo o processo se entender que isso o ajudará a tomar suas decisões. 

Outras alegações
Em seu recurso ao STF, Dalledone deve trazer novamente à tona a tese de que Bruno ficou sem direito à ampla defesa durante o período em que foi representado pelo polêmico advogado Ércio Quaresma, que chegou a dormir e roncar em uma audiência. 

Outro questão que será levantada por Dalledone são problemas nos encontros que tem com Bruno. O advogado afirma que as visitas duram apenas 30 minutos e que sempre há um agente penitenciário acompanhando o depoimento.

– Nunca pude ter contato a sós com meu cliente.

O advogado diz que pretende entrar com uma queixa na Ordem dos Advogados de Minas Gerais e nacional.

A secretaria estadual de Defesa Social, responsável por administrar as penitenciárias de Minas Gerais foi contatada nesta tarde, mas não deu retorno sobre a queixa de Dalledone.

Relembre

A polícia diz que Eliza Samudio foi sequestrada com seu filho – na época com quatro meses – no Rio de Janeiro no dia 4 de junho e levada para Minas Gerais. Segundo a polícia, a jovem foi mantida com o bebê no sítio de Bruno e, dias depois, foi morta na casa do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG).

Apesar de a polícia ainda não ter encontrado o corpo de Eliza, o delegado que cuida do caso diz que as investigações concluem que ela está morta.

Quatro réus do caso ainda estão presos: o goleiro Bruno Fernandes, o amigo dele Luiz Henrique Ferreira Romão, conhecido como Macarrão, o primo Sérgio Rosa Sales e o Bola, que é ex-policial civil. Outros quatro acusados, Dayanne Rodrigues do Carmo Souza – ex-mulher de Bruno -, a ex-amante do jogador Fernanda Gomes de Castro, Elenilson Vitor da Silva e Wemerson Marques de Souza responderão ao processo em liberdade. Todos deverão ir a júri popular. 

Do R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *