Eduardo Fonseca Ed. 1145

OUTRA VEZ A FEIRA DOS TRABALHADORES

Por decisão do Ministério Público Estadual, a Prefeitura Municipal de Santarém tem 15 dias para organizar a Feira da COHAB. Vários segmentos foram convidados para a reunião para tratar do assunto. Uma não; a associação dos Moradores do Conjunto Tapajós, – COHAB, que é uma das representantes das mais de trezentas famílias que moram no conjunto, e são consumidoras, da desordenada feira, e uma das idealizadoras da criação da feira ali naquele local, mesmo antes da APRUSAN.
Quando fui presidente da Associação, fiz vários expedientes, para o Prefeito Municipal na época, que em conversa pessoal, respondeu-me que estava no “projeto” resposta velha e manjada. Enviei também a cada vereador da Câmara Municipal de Santarém, entregues em cada gabinete, na legislatura passada, tenho o protocolo, onde no seu contexto pedíamos a intercessão para as melhorias nos serviços urbanos no conjunto, limpeza, das artérias, melhoria na iluminação pública, e principalmente, a melhoria na Feira,
O Prefeito, em conversa pessoal, respondeu-me que estava no “projeto”- resposta velha e manjada. Já dos vereadores, um apresentou um requerimento, solicitando melhorias no arruamento do conjunto. Outro vereador, a sua secretária me ligou querendo saber onde ficava o Conjunto Tapajós – claro que eles não sabem- está fora da época da campanha eleitoral – os demais nem sequer, responderam.
Além do mais, já escrevi aqui no IMPACTO, o abandono, o descaso e a imundície em que se transformou a Feira da COHAB, que era apenas no dia de sábado, agora já está permanente, todo dia tem e tem gente até morando, lá entre as bancas, e a noite as utilizam para encontros amorosos.uma prova da falta de vigilância.
Uma empresa transportadora, com depósitos na Av. Curuá Una com a Muiraquitã, faz de lá da Praça e das ruas do conjunto, o estacionamento de suas carretas, num total desrespeito ao Código de Postura do Município, quanto a permanência desse tipo de veículos em praças e região residencial, como é o caso da COHAB.
Mas voltemos à reorganização da feira, ah! Como será? Será feito o asfaltamento dos entornos, para evitar aquela buraqueira, cheia de lama quando chove, além de falta de estacionamento para os compradores, e acima de tudo, da exposição dos alimentos, em cima da madeira, nem mesmo uma lona, e bancas, mal feitas e cobertura de lonas “surradas” e mal arrumadas. E a Vigilância Sanitária para uns exige proteção para não colocar a população em risco, mas para outros, nada, e fica como está, com bananas, melancia, abacaxi, milho, laranja expostas em cima da calçada.parece quando a primeira Feira da APRUSAN, que foi criada pelo CHICO LIRA, era exposta na calçada do cemitério na Av. São Sebastião.
Então, vejamos nos próximos dias, como ficará, já que o problema maior, é que ainda não tivemos uma força política, que conseguisse junto à COHAB, em Belém, a retomada do terreno para o Município, ou para a Associação dos moradores do conjunto Tapajós.
No meu entendimento creio que seria melhor, retornar o terreno para o Município e este administraria a feira e cobraria dos seus usuários. Para outros se arvorarem a cobrar mensalidades dos feirantes a título de fazerem a limpeza da área, como já tem gente cobrando, mas que seja feita justiça, a Prefeitura é quem manda fazer a limpeza, através da terceirizada para tal. ////////// O Brasil, já não é mais o mesmo, a partir do dia 10.05.2017, o senhor ex-presidente da República Federativa do Brasil, sentou no banco dos réus para prestar interrogatório pelo Digno Juiz Federal Celso Moro, mesmo no que pese aos deboches anteriores, fazendo todas as manobras jurídicas e de outros meios escusos para evitar a sua ida à presença do Juiz. //////// O Maio Amarelo, foi instalado aqui em Santarém, numa sessão muito bem instalada na Câmara Municipal de Santarém com o objetivo de conscientizar aos cidadãos para evitar acidentes no trânsito provocado por motoristas, motociclistas e ciclistas, o País deve cobrar o cumprimento das leis de trânsito dos ciclistas. O País já gastou muito dinheiro em educação e cada vez aumenta o número de acidentes e acidentados, custos altos para os cofres públicos. //////// Nesta sexta feira, Baile de Saudade no Fluminense, numa promoção dos paroquianos da Igreja de Cristo Libertador. Com a Banda Stillus. E no Sábado Baile de Saudade, numa promoção do MCC-Comércio, com o toque musical de Milton e Milena. Não Perca!

Deixe seu comentário aqui: