MILTON CORRÊA Ed. 1192

PARÁ: 884 MIL ALUNOS SERÃO BENEFICIADOS EM CAMPANHA CONTRA HANSENÍASE E OUTRAS DOENÇAS
Durante todo o primeiro semestre deste ano letivo, mais de 884 mil alunos de 5 a 14 anos de idade, matriculados no ensino fundamental de cinco mil escolas públicas do Pará serão beneficiados com a busca ativa para diagnóstico e tratamento de casos de hanseníase, de tracoma e de esquistossomose. A reportagem é da Agencia do Rádio, assinada por Janary Damacena. Essa estratégia faz parte de uma campanha para diagnóstico de doenças que possuem tratamento gratuito no Sistema Único de Saúde (SUS), como explica o ministro da Saúde, Ricardo Barros. “Estamos com uma campanha de combate à hanseníase uma campanha, que diz sobre a identificação das pessoas que têm a hanseníase. Basta que as pessoas se apresentem ao serviço de saúde e possam receber os medicamentos e tratar a hanseníase, e se as pessoas se apresentarem ao sistema de saúde, serão curadas de imediato”. Uma das doenças mais graves é a hanseníase, que tem transmissão de uma pessoa doente sem tratamento para outra, por meio do ar. Por isso, o combate à doença é baseado no diagnóstico precoce, tratamento e prevenção, como forma de eliminar fontes de infecção e interromper a cadeia de transmissão da doença. “É importante que as famílias procurem fazer os testes de contato, identificar se outras pessoas da família estão com hanseníase e tratar isso de imediato. E é um grande esforço que nós temos de fazer para encontrar essas pessoas que estão com a doença e rapidamente tratá-las”. O slogan da campanha é “Hanseníase, Verminoses e Tracoma – em casa ou na escola, sempre é hora de prevenir e tratar”. A estratégia é realizada em 40 mil escolas públicas de 2.700 municípios brasileiros que aderiram à ação e envolve mais de oito milhões de alunos. As atividades serão realizadas até o dia 30 de junho, com ações específicas para cada uma das doenças.

BRASIL TEM UMA DAS CONTAS DE LUZ MAIS CARAS DO MUNDO
A conta de luz tem pesado cada vez mais no bolso do brasileiro. O país tem uma das maiores tarifas de energia do mundo, o que deixa salgado o orçamento familiar do cidadão, todos os meses. A reportagem é da Agencia do Rádio, assinada por Hédio Júnior. Levantamento da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres, a Abrace, revela que o aumento da conta de luz de 2014 a 2017 foi de 31,5%. Esse índice superou a inflação acumulada no mesmo período, que chegou a 28,86%, de acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, o IBGE. Os prognósticos para 2018 são ainda piores: estima-se que o encarecimento acumulado da conta de luz desde 2014 chegue a 44%. Na Câmara dos Deputados tramita uma comissão especial que discute a privatização da Centrais Elétricas Brasileiras S.A, a Eletrobras. A companhia é a maior empresa de capital aberto do setor na América Latina e atua nos segmentos de geração, distribuição, transmissão e comercialização de energia elétrica. O deputado José Carlos Aleluia é o responsável por elaborar um parecer sobre essa proposta do governo federal de desestatização da empresa. Desestatizar é abrir cotas da companhia, hoje sob o domínio total do Estado, para o mercado privado. A proposta neste caso é manter a União como a sócia com maior cota de ações. Aleluia trabalhará, entre outros fatores, com a redução das tarifas. De acordo com ele, reverter o quadro que hoje faz o brasileiro gastar mais com conta de luz é um dos desafios. “Nós vamos mostrar como é que isso pode ajudar, que a tarifa a média prazo seja melhor do que hoje. Porque o Brasil ele não tem a melhor tarifa no mundo, pelo contrário, tem tarifas muito ruins, muito altas. Então precisa-se administrar isso”. Os trabalhos da Comissão Especial de Desestatização da Eletrobras seguem na Câmara. A expectativa dos defensores de privatização da empresa é votar o parecer, em caráter terminativo – sem precisar passar pelo plenário – até o final de abril.

BASE CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO FOI ENTREGUE AO CNE
Uma das prioridades para a educação em 2018 é a homologação da Base Nacional Comum Curricular, documento que estabelece parâmetros para escolas de todo o país. De acordo com o ministro da Educação, Mendonça Filho, o governo entregou a BNCC do Ensino Médio ao Conselho Nacional de Educação (CNE). A reportagem é da Agência do Rádio, assinada por Cíntia Moreira. O documento tem que ser analisado e aprovado, antes de começar a valer. A expectativa é que ele esteja pronto para ser aplicado nas escolas em 2019. A entrega da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio deve ser um dos últimos atos de Mendonça Filho como ministro da Educação, já que ele deixará o cargo para concorrer às eleições de outubro. Na prática, o documento servirá de referência para os conhecimentos indispensáveis a alunos do ensino médio, independentemente de origem, classe social ou local de estudo. O objetivo é melhorar a qualidade do ensino regular em todo o país, como explica o ministro Mendonça Filho. “O que muda é que você vai ter um padrão de melhor qualidade, assegurando currículos com o mesmo nível em termos de objetivos de aprendizagem, do Sul ao Norte, do Nordeste ao Centro-Oeste; ou seja, o Brasil consegue definir um padrão curricular que vai elevar a qualidade da educação básica, a partir da implementação na ponta por parte dos estados e municípios”. A implantação de uma Base Nacional Comum Curricular está prevista na Constituição e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (1996). No fim do ano passado, a BNCC da educação básica foi homologada pelo Ministério da Educação. Na diretriz para o ensino médio, ainda haverá uma plataforma de consulta pública para colher sugestões para a novo documento.

NOVO PLANO NACIONAL DO TURISMO PREVÊ CRIAÇÃO DE 2 MILHÕES DE EMPREGOS
O Plano Nacional do Turismo 2018-2022, lançado na última semana durante a 51ª reunião do Conselho Nacional de Turismo (CNT), tem como metas a criação de dois milhões de novos empregos, o aumento do número de turistas nacionais e internacionais, além da ampliação da receita gerada pelo setor. A reportagem é da Agência do Rádio, assinada por Cíntia Moreira. O documento pretende ampliar, até 2022, o número de empregos gerados pelo setor para nove milhões de postos. Também foram traçadas metas para o turismo doméstico, com a inserção de 39,7 milhões de brasileiros no mercado consumidor de viagens. A ideia é aumentar também o número de turistas internacionais no país, passando de 6,6 milhões para 12 milhões. O Plano Nacional de Turismo também pretende aumentar a receita que vem desses turistas, saindo dos atuais US$ 6,6 bilhões para US$ 19 bilhões em 2022. Segundo o ministro do Turismo, Marx Beltrão, o documento vai orientar os gestores sobre as prioridades do setor e traz metas para o Brasil se tornar uma potência mundial no mercado de viagens.

PORTARIA REGULAMENTA POLÍTICA NACIONAL DE TRANSPORTES
Uma nova portaria do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil regulamenta a Política Nacional de Transportes. A reportagem é da Agência do Rádio, assinada por Cíntia Moreira. Isso quer dizer que, a partir de agora, todas as ações executadas pelos órgãos e agências vinculados deverão seguir as orientações estabelecidas na portaria. O texto integra as políticas públicas setoriais de portos, aeroportos, rodovias, ferrovias e hidrovias. Essa é a materialização de um conjunto de princípios e diretrizes que o Ministério deseja que os demais órgãos ligados ao setor de transportes cumpram. O intuito da nova política é garantir a segurança operacional em todos os modos de transportes, de forma que seja confiável para a mobilidade de pessoas e bens. O documento foi construído com a participação de setores governamentais e da sociedade, e pretende enfrentar os desafios logísticos do País.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *