Milton Corrêa Ed. 1223

Sessão da saudade da ALAS homenageou Gurmercindo Rebelo e Elias do Rosário

 A Academia de Letras e Artes de Santarém (ALAS) realizou no sábado (3), às 17h30, no auditório do Theatro Victória, a solenidade “Sessão da Saudade”. A programação incluiu obras musicais que foram apresentadas por musicistas do Instituto Maestro Wilson Fonseca (IMWF) pela primeira vez em audição pública mundial.

De acordo com o presidente Anselmo Colares, todos os preparativos foram providenciados, inclusive, escolhidos os oradores que falaram em nome da ALAS, para homenagear os dois acadêmicos falecidos.

Os acadêmicos Renato Aurélio Carvalho Sussuarana e João Bernardo Mota Santana foram eleitos em assembleia geral para falar oficialmente, em nome da Academia de Letras e Artes de Santarém, sobre a vida e a obra de José Gumercindo Rebelo e Elias Lopes do Rosário, representando os acadêmicos.

Os demais integrantes da ALAS participaram da homenagem, com pronunciamentos espontâneos, destacando a importância da vida e da obra dos ex-colegas tanto como integrante da Academia quanto pela efetiva participação deles nas áreas da arquitetura, das artes plásticas e paisagísticas em Santarém e região.

Anselmo Colares informou, ainda, que a Sessão da Saudade é uma tradição da Academia, fechada aos acadêmicos, familiares e amigos mais próximos dos imortais desaparecidos. “É uma cerimônia realizada pela nossa academia, ocasião em que os acadêmicos externam o seu sentir, o seu pensar, sobre um longo percurso em que nossos confrades homenageados permaneceram entre nós, destacando o homem e a obra”.

O presidente da ALAS disse, também, que as homenagens a José Gumercindo Rebelo e Elias Lopes do Rosário foram marcadas por manifestações culturais e muitas emoções tomarão conta do espaço. Colares lembrou que: “um dos últimos atos foi a decretação de vacância das cadeiras de números 12 e 17, bem como a divulgação da Comissão de Avaliação sobre a vida e a obra dos possíveis interessados em participar do pleito para ocupar as vagas”. De acordo com o presidente, no dia 29 de novembro a ALAS voltará a se reunir em Assembleia Geral para eleger os novos acadêmicos, que completarão novamente as 40 cadeiras.

Homenagens musicais

Dentre as homenagens, estiveram as obras musicais “Elegia para Gumercindo” e “Elegia a Elias do Rosário”, de Vicente Fonseca (música) e Renato Sussuarana (letra). A “Elegia”, na literatura, é uma forma poética com caráter melancólico, especialmente escrita em homenagem póstuma.

Na Grécia antiga, o termo “elegeia” reportava-se aos epitáfios para túmulos. Na cultura romana tinha significado mais erótico ou mitológico.

Na atualidade e no âmbito da literatura, elegia é uma forma poética, com caráter melancólico, especialmente escrita como lamentação pela morte de um ente querido.

“Elegia para Gumercindo” possui o gênero musical “canção” com letra produzida por Renato Sussuarana (Santarém-PA, em agosto de 2018), e a música de Vicente José Malheiros da Fonseca (Oiapoque-AP, no dia 29 de agosto de 2018). A composição foi apresentada pelo jornalista e cantor barítono Júlio César Guimarães (voz) com acompanhamento de Camerata de Cordas e Flauta Transversal do Instituto Maestro Wilson Fonseca (IMWF) formada pelos musicistas: Edinelson Batista (Viola); Giuliana Corrêa (violino); Jenivaldo Gadêlha (flauta transversal); Sabrina Viana (violoncelo) e Yasmin Almeida (violino).

“Elegia a Elias do Rosário” é uma “marcha-rancho”, com letra feita por Renato Sussuarana (Santarém-PA, 25.09.2018) e música por Vicente José Malheiros da Fonseca (Belém-PA, 26.09.2018). Foi executada também por Júlio César Guimarães (voz) com o acompanhamento de Septeto de Sopros e Percussão do IMWF: Ana Lívia Cardoso (clarinete); André Luiz Tavares (saxofone); Agny Gomes (percussão); Aymê Pedroso (trompa); Esther Rayane Ferreira (flauta); Lucas Henrique Silva (percussão); Lucas Montiel (percussão); Jadiel Silva (fagote); Jenivaldo Monteiro Gadêlha (flautim) e Pedro Felipe Nunes (tuba).

José Gumercindo Rebelo

Integrava o quadro da ALAS desde 28 de dezembro de 2004 e até o dia 21 de julho de 2018, ocupando a cadeira número 12, que leva o nome do escritor Gabriel Rodrigues dos Santos. Gumercindo Rebelo nasceu em Santarém, no dia 5 de maio de 1949. Era arquiteto graduado pela Universidade Federal do Pará, em Belém (1977). Santarém sua cidade natal, também conhecida como Pérola do Tapajós, a qual destinou sua Tese Doutoral “Importância do Tombamento de prédios eclesiais como estratégia de desenvolvimento socioeconômico para Santarém e Oeste do Pará”, pela Universidade da Coruña (2001). (Texto de Edinaldo Rodrigues).

Elias Lopes do Rosário

Integrava o quadro da ALAS desde 28 de dezembro de 2004 e até o dia 25 de setembro de 2018, ocupando a cadeira 17, que tem como patrono, o músico João Alves Pereira Fona. Elias do Rosário nasceu em Santarém no dia 20 de julho de 1939. Autodidata, era paisagista, desenhista, ilustrador e pintor de inúmeros trabalhos que retratam as belezas naturais da região amazônica e, principalmente, de sua amada terra natal Santarém, assim como as imagens de Nossa Senhora da Conceição, e outros santos. Entre suas mais famosas obras já expostas na Inglaterra, Alemanha e Estados Unidos, destacam-se: “Santarém – 1932”; “Alter do Chão, 5 horas da tarde” e “Assunção de Maria”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *