Padilha vai resforçar o combate a dengue no Pará

Reforço: em reunião a portas fechadas, Padilha garantiu ação conjunta (Foto: Thiago Araújo)

O combate intensivo sem trégua à dengue no Pará será efetivamente o primeiro teste de ação conjunta entre os governos federal, estadual e municipal. “Vamos trabalhar para nos antecipar à epidemia, em parceria e aumentando a nossa capacidade de mobilização social”, disse o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que foi recebido na tarde deste sábado (15) no Hospital de Clínicas Gaspar Viana para uma reunião com prefeitos de vários municípios paraenses onde o risco da doença é iminente. “Temos um inimigo comum, que é a dengue. Se todos participarem, inclusive a população, nossa chance de vitória é grande”, confirmou o governador Simão Jatene, ao lado do ministro.

Antes de falar com a imprensa e com os prefeitos, Padilha reuniu a portas fechadas com Jatene, com o secretário de Estado de Saúde Hélio Franco e com o secretário de saúde municipal Sérgio Pimentel. Na saída, Jatene garantiu que o Ministério da Saúde será parceiro no combate à doença no Estado e afirmou que uma grande aliança entre todas as esferas foi pactuada. “Ainda discutiremos a questão dos repasses federais, mas é certo que o Ministério será nosso parceiro”, garantiu o governador.

Jatene disse que o momento agora é de discutir as estratégias de combate e identificar os municípios onde a situação é mais crítica.

Sérgio Pimentel afirmou que nos próximos dias a prefeitura irá entrar nos imóveis fechados para combater os focos, nem que para isso tenha que arrombá-los. Para isso, serão publicados editais de avisos. “Já existe um decreto do prefeito que permite esse tipo de ação. Temos que entender que a saúde pública está acima de tudo”. Segundo Pimentel, os agentes de saúde reduzirão o intervalo de tempo de visita às residências: de dois em dois meses, a visita passará a ser mensal.

Hélio Franco criticou a banalização da dengue, inclusive pela classe médica, e citou que 10% dos casos da doença têm complicações que podem levar à morte. “Não adianta haver plano estadual e municipal de combate à dengue sem a participação efetiva da população, uma vez que 70% dos criadouros do mosquito Aedes aegypti estão dentro de casa ou no entorno”.

Franco voltou a defender o método tailandês, que considera como dengue todo caso de febre alta, dor no corpo e prostração, devendo o paciente ser tratado com hidratação intensa desde os primeiros sinais e sintomas.

Jatene afirmou que “independentemente de partidos políticos é preciso construir alianças e pactos para melhorar a vida das pessoas”. “Tenho certeza que vamos vencer a dengue. Vamos começar com o pé direito, mostrar que é possível. Esse teste é importante para todos nós”.

Alexandre Padilha reafirmou que esse é o primeiro teste para todos, governos federal, estadual e municipal. “Não interessa o partido do governo, nosso objetivo é melhorar cada vez mais a estrutura de controle da dengue em todos os lugares”.

Diário Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *