Flexa Ribeiro entre os mais influentes do Congresso Nacional‏

Flexa Ribeiro discursa no Senado

O Senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) está entre os cem parlamentares mais influentes do Congresso Nacional. A pesquisa, publicada anualmente pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) aponta os 100 “Cabeças do Congresso”, a chamada “elite parlamentar”. De acordo com o DIAP, são considerados “Cabeças do Congresso” aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais. Entre os atributos que caracterizam um protagonista do processo legislativo, o DIAP destaca a capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, e, principalmente, facilidade para conceber idéias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão.

“Enfim, é o parlamentar que, isoladamente ou em conjunto com outras forças, é capaz de criar seu papel e o contexto para desempenhá-lo”, diz o texto do DIAP na pesquisa de 2011.

Pelo Estado do Pará, o Senador Flexa Ribeiro foi classificado como ‘debatedor’. De acordo com a definição do DIAP, este parlamentar tem as seguintes características: “São parlamentares ativos, atentos aos acontecimentos e principalmente com grande senso de oportunidade e capacidade de repercutir, seja no plenário ou na imprensa, os fatos políticos gerados dentro ou fora do Congresso. São, por essência, parlamentares extrovertidos, que procuram ocupar espaços e explorar os assuntos que possam ser notícia”, diz o texto da pesquisa.

Sobre este perfil de parlamentar, o DIAP diz ainda que: “Conhecedores das regras regimentais, exercem real influência nos debates e na definição da agenda prioritária. Dominam a cena e contribuem decisivamente na dinâmica do Congresso. São os parlamentares mais procurados pela imprensa”, afirma o DIAP.

Para Flexa Ribeiro, a inclusão de seu nome entre os “Cem mais influentes do Congresso Nacional” é o reconhecimento de um trabalho que vem sendo desenvolvido há vários anos em defesa do Estado.

“Temos uma grande prioridade no mandato: defender o nosso Pará, com uma atuação séria e responsável. E desta forma conduzimos o trabalho no Senado. Acredito que esta conquista não é apenas do Flexa Ribeiro, mas sim de toda a população do Pará, a qual tenho a honra de representar nesta Casa”, afirma o parlamentar paraense.

“Todo reconhecimento, como este, é um estímulo para trabalhar mais e, assim, envolver o Pará nas discussões nacionais, defendendo nossa gente e nossas posições”, afirma Flexa Ribeiro.

Os ‘Cem mais influentes”

Entre os 100 “Cabeças” do Congresso, há 62 deputados e 38 senadores. Os “Cabeças” do Congresso Nacional são, na definição do DIAP, aqueles parlamentares que conseguem se diferenciar dos demais pelo exercício de todas ou algumas das qualidades e habilidades aqui descritas.

Entre os atributos que caracterizam um protagonista do processo legislativo , destacamos a capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, que é dinâmica, e, principalmente, facilidade para conceber idéias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão. Enfim, é o parlamentar que, isoladamente ou em conjunto com outras forças, é capaz de criar seu papel e o contexto para desempenhá-lo.

A equipe do DIAP fez entrevistas com deputados e senadores, assessores das duas Casas do Congresso, jornalistas, cientistas e analistas políticos, e promoveu, em relação a cada parlamentar, exame cuidadoso das atividades profissionais, dos vínculos com empresas ou organizações econômicas ou de classe, da formação e vida acadêmica, além de levantamentos minuciosos de pronunciamentos, apresentação de proposições, resultados de votações, intervenções nos debates do Legislativo, freqüência com que é citado na imprensa, temas preferenciais, cargos públicos exercidos dentro e fora do Congresso, relatorias de matérias relevantes, forças ou grupos políticos de que faça parte, além do exame minucioso dos perfis políticos e ideológicos de cada parlamentar.

Fonte: RG 15/O Impacto e Daniel Nardin

Um comentário em “Flexa Ribeiro entre os mais influentes do Congresso Nacional‏

  • 19 de setembro de 2011 em 22:02
    Permalink

    A pesquisa da manipulação
    Lúcio Flávio Pinto

    A pesquisa encomendava por O Liberal ao Vox Populi incluiu mais dois temas. Um, foi a divisão do Pará. A pergunta feita (a todo o universo e não apenas aos moradores da capital) foi: “De maneira geral, como você avalia a possibilidade de o Pará ser dividido em três Estados?”. Considerando a margem de erro, houve empate técnico e qualquer prognóstico seria temerário: 33% acham que a divisão é negativa, 31% a consideram positiva e 29% não sabem ou não responderam.

    No cruzamento por região, 57% da população de Belém acham a divisão negativa, contra apenas 9% de positivos e 29% de indecisos. Mo interior, surpreendentemente, apenas 37% do interior aprovam a criação dos dois novos Estados propostos, 26% são contra e 29% estão indecisos.

    Já diante da pergunta seguinte (“Sabendo que uma das etapas desse projeto é a realização de um plebiscito com a população paraense, qual seria o seu voto?”), a oposição ao retalhamento na capital sobe para 67% e a posição favorável no interior chega a 43%, reduzindo-se a margem de indecisos para 20% e 22%.

    Que conclusão tirar desses números? Que a pesquisa é de pouca valia para aferir a disposição do eleitor que irá votar no plebiscito de 11 de dezembro. Porque não pondera os resultados pelo peso eleitoral do interior ou da capital. Não basta indicar os resultados da sondagem em Belém e no interior se não está acrescentado o percentual de cada uma das partes no colégio eleitoral. Mesmo se considerado apenas o interior, a pesquisa teria que ser subdividida entre os dois Estados propostos (Tapajós e Carajás) e o restante do interior, com as devidas ponderações.

    O erro é elementar. Espanta que o Vox Populi o cometa. Mas não surpreende, sabendo-se quem é o cliente. Os objetivos de O Liberal são utilitários. Talvez por isso o responsável pela encomenda tenha levado dois meses para divulgar a pesquisa, preparando bem a fórmula. Ela teria que atender o outro objetivo, de atingir o governo de Simão Jatene. Quanto a este quesito, a pesquisa parece bastante convincente. Por um detalhe simples e evidente: coincide com a realidade perceptível empiricamente.

    Verifica-se que o novo governo é mal avaliado em todos os setores sociais, por ordem de gravidade: saúde, segurança pública, educação (estrutura física das escolas) e emprego. Mas verifica-se também que enquanto esses segmentos são considerados críticos em Belém, o interior sente mais a falta de estrada e de apoio à produção do que, evidentemente, a capital. Os problemas sociais nos ermos paraenses já fazem parte da rotina do abandono, por isso os índices de críticas são menores. Mas não tanto que não imponham o problema espacial do Pará como vital, saiam ou não os novos Estados. Se o Pará voltar a ser o mesmo depois do plebiscito, a situação só vai piorar.

    Resposta
  • 19 de setembro de 2011 em 19:54
    Permalink

    VALMIR CLIMACO
    O traidor do Estado do Tapajós,
    o Judas de nossos sonhos.

    Entre os prefeitos da região, Valmir Climaco está sendo visto como o traidor do movimento em defesa da criação do Estado do Tapajós. Por ocasião da inauguração do comitê em Rurópolis a crítica foi dura em cima de Valmir, que embora tenha sido convidado para as inaugurações e divulgação do movimento em vários municípios da região, não teria comparecido aos compromissos.
    Os líderes do movimento em Santarém, também estão uma fera com Valmir, que durante uma reunião na barraca de eventos culturais prometeu na presença de centenas de pessoas que contribuiria com 30 mil reais para serem investidos no movimento, mas até a presente data não repassou o dinheiro à coordenação.
    Ao contrário dos Municípios vizinhos, a exemplo de Danilo Miranda em Trairão e Aparecido Florentino em Rurópolis, onde os prefeitos arregaçaram as mangas e assumiram a campanha em defesa do Tapajós e Carajás, em Itaituba, iludido com promessas de liberação de recursos por parte do governado Simão Jatenes, Valmir que só pensa em dinheiro, decidiu nada fazer em defesa da criação do Estado do Tapajós. Em reunião na última sexta feira, o coordenador do movimento em Itaituba, Patrick Souza, reclamou da falta de apoio por parte de Valmir que simplesmente cruzou os braços e não dá nenhum apoio.
    De acordo com informações chegadas de Santarém, a coordenação geral do movimento já estaria mandando confeccionar uma nota de repúdio aos políticos de Itaituba que não estão colaborando com o movimento. Na inauguração do comitê de Itaituba que acontecerá na próxima quinta feira(22), alguns prefeitos dizer que não irão comparecer como forma de protesto pela ausência de Walmir em outros encontros.
    O fato é que para a população de Itaituba, a segunda maior cidade do novo estado, é uma vergonha ter á frente da administração municipal uma pessoa que não atende os interesses do povo e sempre age pelo interesse financeiro e em benefício próprio.
    Valmir fazendo a vontade do governador em não apoiar o movimento em defesa do Estado do Tapajós pensa matar dois coelhos com uma cajadada: Conseguir recursos financeiros e, de sobra, firmar parceria com o PSDB para as eleições de 2012. Felizmente, para alegria geral da população, os tucanos, apesar dos longos bicos, conseguiram entrar em acordo quanto a prenteça candidata do partido nas eleições do próximo ano, jogando por terra os planos de Valmir.

    Resposta
  • 19 de setembro de 2011 em 18:17
    Permalink

    é o maior otário!!!!!!!!!!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *