NEWS – ATUALIDADES

A JOVEM MULHER!!! – Contos de Santarém – 58 (quase erótico)

Esta me contaram na academia, e resolvi transformá-la em um conto: –  Divorciado, filhos crescidos, situação financeira definida, profissional respeitado, estava já com 50 anos, porém mantinha uma rotina de exercícios diários espartana. – Com 1,85m, 90kg., era um homem forte, rosto marcante, cabelos escuros, grisalhos nas têmporas, ombros largos, e bronzeado pelo sol de nossas praias. – Era uma terça-feira modorrenta, quente, e a manhã do dia apresentava-se como outra qualquer, quando em seu escritório o telefone tocou. – Era um amigo chamando-o para lhe apresentar um senhor, velho conhecido que chegara de fora, e queria ter informações sobre nossa região. – Avisou sua secretária que estaria ausente o dia todo, pois após a reunião, iria para sua casa de praia ver o que os pedreiros, estavam aprontando no serviço de recuperação que contratara. – Na casa do amigo, conheceu o velho senhor, de uns 70 e poucos anos, e após agradável conversas, avisou-o que teria que ir para Alter resolver um problema, quando o  novo conhecido lhe pediu um favor. – Trouxera sua filha para distraí-la, pois a mesma após seu divórcio há seis meses atrás, continuava meio chateada, e gostaria que a levasse, se não fosse incomodo, para que conhecesse Alter de Chão, e se pudesse, contratasse uma lancha para que ela desse uma volta  para conhecer todo o local e suas belíssimas praias. Ele disse que isso não seria necessário, que ele estava com sua lancha nágua, e que seria um prazer levá-la para passear por Alter de Chão. – O velho pai ficou muito agradecido, e ele pela idade do homem, imaginou que a filha, fosse uma senhora de seus 45/50 anos, mas eis que após chamada, surge de dentro da casa, sonolenta, uma belíssima jovem de, uns 25/27 anos, alta, acima de 1,70m, parecendo uma irmã gêmea da Juliana Paes, cabelos negros, levemente ondulados, até quase a cintura, olhos verdes, com todos os predicados físicos da bela atriz, porém em versão bem melhorada na parte do busto. – Magnífico!!! – Quando lhe foi apresentada, a mesma deu um beijo em sua face, deixando um doce gosto de canela em seu rosto. Disse-lhe o pai, que havia casado em segundas núpcias, e que ela era sua caçula, filha do segundo casamento, tendo também, um filho do primeiro de 45 anos. – Ela já chegara com uma pequena mochila dizendo-se pronta, mas que não queria incomodar. – Disse ele que seria um prazer! (mal sabia). – Despediram-se e lá foram a caminho de Alter de Chão!. – Passaram por um distribuidor de bebidas, e ele perguntou o que ela gostaria de beber, tendo ela perguntado se tinham “Ice Cool” ao que o vendedor respondeu que sim, e tinha também, um “Chopp de vinho” em lata,… ótimo!. – Quis experimentar, e abrindo uma lata bem gelada, achou-o delicioso! – Com duas dúzias de latas em um pequeno isopor com gelo, pegaram a estrada rumo a praia. – Ele manteve-se bem formal, mostrando as áreas que passavam, com seus exóticos nomes indígenas, ela distraída ouvindo, e após tomar uma lata, com sede e sofreguidão, abriu a segunda. Começou então a falar: – Disse a ele que seu casamento não dera certo porque casara-se muito jovem, e o seu ex-marido demonstrou ser relaxado, preguiçoso, e muito mal caráter. – Sem mais, disse que gostava de homens mais velhos, mais sábios, experientes, que ouvissem mais do que falassem, e que tivessem paciência com uma mulher, aceitando suas falhas e manias. – Adorara o “Chopp de vinho”, e sem mais colocou a lata em sua boca, e disse que experimentasse. Ele com as duas mãos no volante, ela virou vagarosamente a lata em seus lábios, e quando respingou vinho na lateral de sua boca ela sorrindo limpou-o com seu dedo, e depois chupou-o marota. – A coisa estava ficando interessante, e parecia que a jovem mulher estava brincando com ele de gato e rato….Provocava-o abertamente!!! – Ele custou a acreditar que tudo aquilo, uma mulher absurdamente linda, caísse justo em seu colo, e estivesse interessada nele,…bem mais velho que ela!. – E enquanto falava, ela distraidamente, as vezes colocava a mão em sua perna, e finalmente chegarem na vila de Alter de Chão a 01:00h da tarde, sol a pino! – Como todo mundo que ali vai pela primeira vez, ficou maravilhada com a beleza do lugar, tirando inúmeras fotos. – Dirigiram-se a sua casa, que ficava na praia, mostrou-lhe a suíte, que ela poderia usar, e enquanto conversava com os dois pedreiros, mandou seu caseiro abastecer a lancha, fazer alguns sanduíches, e deixar o barco pronto. Quando chamou-a, a porta do quarto estava aberta, e ela do banheiro mandou que ele entrasse. – A jovem estava em um minúsculo biquíni branco, que quase nada escondia, os seios maravilhosos, cheios, quase a mostra, a derriére empinada, terminando de colocar uma canga, deixando-o pasmo com tanta beleza e perfeição, ao que ela sorriu feliz perguntando se ele gostara do que viu. – Quando foi falar, ela pegou a lata de bebida que estava bebericando, e colocou em sua boca, mandando-o sorve-la, dizendo que iria embebedá-lo, reclamando que só ela estava bebendo,… e quando tirou, deu-lhe um suave beijo no rosto, bem perto de sua boca, lambendo com a língua o canto onde ficara um pouco. – Deixou-o ali tonto, parado, e saiu sem nada falar. – Ele entrou em seu quarto, colocou uma sunga e uma camiseta e foram para o cais. – Entraram na lancha e quando ele sentou-se no banco de comando, ligou um som suave, e partiram com o vento no rosto, ela sem nada dizer, se colocou de pé atrás dele, abraçou-o pelo pescoço, espremendo suavemente os maravilhosos seios em suas costas, e ficou quieta enquanto ele tentando ver o caminho, porem fingindo calma, dirigia o barco pelo maravilhoso Rio Tapajós. – Depois de rodar alguns minutos por dentro do Lago Verde, passar pela Ilha e Ponta do Cururú, rumou para o lado de Belterra, quando ela pediu para parar em uma das praias que afloravam nas enseadas, – Pararam em Pindobal, maravilhosa, intocada, sem uma alma viva ao redor. – Como criança feliz, já meio tocada pelo vinho, bebera 4 latinhas,  pulou nagua, e chamou-o! – Quando tirou sua camiseta, mostrando a musculatura delineada, perfeita, bronzeada, adquirida em anos de exercícios e musculação, ela disse: – Eu sabia que tinha coisa escondida aí!!! – Ele sorrindo, entrou calmamente n água, e ela encharcou-o rapidamente pulando em seu pescoço e lhe dando um caldo. Quando ele saiu de dentro d’água, ela estava com o corpo colado a seu rosto, Aí o cristão não agüentou, enlaçou-a e deu-lhe um beijo em seu umbigo, outro em seu colo, e subindo alcançou sua boca, adocicada pelo vinho, ela imediatamente correspondeu, abraçou-o e se enroscaram dentro dagua! – Ela suavemente, tirou a parte de cima do biquíni, e os dois mais lindos seios que vira na vida, aparecerem perfeitos diante de seus olhos. – Pensou: – “Esse filho da puta desse ex-marido devia ser louco de deixar uma mulher dessas”. – E sem mais delongas imaginando que “alguém lá em cima” devia gostar muito dele, desceu vagarosamente a boca no meio dos dois montes que deixavam em beleza, o monte do Cururu em último lugar. – Em minutos seus dedos bem devagar, tiraram a parte de baixo do biquíni, e ela sem delongas, tirou a sunga dele, e os dois se uniram em um só, com a morna água do Tapajós a abençoá-los. Ela sôfrega, ele segurando o momento que se aproximava, ela explodindo, ele deixando-a cavalgar o mundo. Sua experiência mandava esperar, e quando ela finalmente se satisfez, exaurida se aquietou,…ele começou novamente e se mexer, suave e cadenciadamente, colocando a mão, a boca e os dedos em todos os pontos mais sensíveis de seu corpo, e a jovem mulher em minutos, novamente, voltou a se contorcer como se uma corrente elétrica passasse pelo seu corpo e mais uma vez, e desta vez os dois juntos, o mundo explodiu em uma torrente de satisfação. – Ela cansada, quase desfalecida, mas abraçada firmemente a ele. – Ele mantendo-a colada a seu corpo, unidos a água que conjugava esse infinito momento em que os dois se tornavam parte da natureza! – Relaxaram, beberam, conversaram, coisas mil, brincaram como crianças no paraíso, somente eles na face da terra! – O tempo passou, e quando o sol começou a querer se esconder no horizonte, retornaram a casa. Ela ligou para o pai avisando que o passeio fora maravilhoso, e que dormiria na pacata e maravilhosa Vila, ao que o pai disse que ela não o importunasse (como se pudesse!!!). – De noite, comeram um sanduíche, passearam, na praça e retornando a casa, assistiram televisão deitados na mesma rede, ela colocara um pequeníssimo shortinho e uma mini blusa, sem sutiã, os seios apontando no tecido, com as maravilhosas nádegas salientando o belíssimo traseiro, de costas para ele, um acarinhando o outro, ela maliciosamente, esfregando-se em seu corpo. – Não agüentou tamanha provocação e baixou a calcinha dela, aparecendo as lindas nádegas queimadas de sol, com a marca do biquíni entrando no meio. Ela sem pestanejar se posicionou,…ele por trás, agarrou seus dois seios, e a princípio vagarosamente, para depois vigorosamente, o mundo desabar em uma torrente de prazer que pareceu infinita nos poucos minutos que durou. – Aquela mulher ainda ia matá-lo,… mas morreria sorrindo. – Nunca em toda a sua vida, encontrara uma fêmea de corpo perfeito, e cabeça tranqüila como aquela, carinhosa, lasciva, mansa, potente, sem limites!!! – Uma mulher maravilhosa. – Ao final da noite, foram para o quarto, e cansados, dormiram abraçados. – No amanhecer ela começou a se enroscar e bulir com ele, e novamente a coisa pegou fogo, ela ora cavalgando-o, ora ele cavalgando-a, cada um segurando o frenesi o máximo que pudessem até que não agüentaram e sentiram o maior prazer que já haviam sentido na vida. – Ficaram ainda namorando, brincando na cama em um amoroso jogo, mais meia hora, preguiçosos, como que querendo guardar aquele momento para sempre. – Levantaram-se, tomaram um reforçado café da manhã que já estava a mesa, e retornaram a cidade. Ela iria pegar o avião das 14:00h. – O pai quando a viu alegre, faceira, com um brilho novo e radiante no olhar, disse que pelo jeito Alter de Chão havia feito muito bem a ela, fazia tempo que não a via tão feliz! – Agradeceu-o pela paciência, e por tê-la ciceroneado, pedindo desculpas pelo incomodo, ao que ele disse que não fora nada! – Fez questão de levá-los ao aeroporto, e ela na despedida, disfarçadamente, tristonha, dera-lhe um doce beijo no canto dos lábios, dizendo que quando ele fosse a cidade dela, iriam relembrar tudo que fizeram, e ela iria providenciar o “Chopp de Vinho”, …para embebedá-lo como prometera!!!. – Mal poderia esperar, e já agendara uma viagem para lá! – Retornou a sua casa, e dormiu o resto do dia, estafado, afinal, já não tinha mais idade para essas peraltices, essas maravilhosas maluquices!!!. – Mas quem agüenta não enfrentar uma mulher maravilhosa dessas, que só aparecem,…”quando aparecem”, uma vez só em toda uma existência. – A vida é feita de momentos, e são eles ao final,… esses poucos momentos, …que valem por uma vida toda!!! 

Por: Sérgio Sant’anna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *