Padre: “Jatene é culpado por greve dos professores”

Padre Edilberto culpa Simão Jatene

Cinco dias depois da paralisação da rede estadual de ensino em Santarém, o membro da Frente em Defesa da Amazônia (FDA), padre Edilberto Sena, culpou o Governo do Pará pelo descaso com a educação. Em assembléia ocorrida no auditório da Escola São Francisco, na manhã de segunda-feira, 26, os professores da rede estadual de Santarém decidiram entrar em greve.

O motivo maior dessa decisão é a não implementação da Lei de nº 7442, do Plano de Cargo Carreira e Remuneração (PCCR) e do Piso Nacional da classe.

Padre Edilberto garante que tem conversado com professores que afirmam ter prejuízos por conta da má informação do Governo do Pará sobre o aumento salarial da categoria. Os professores, segundo ele, estão exigindo meramente o direito de dignidade de lecionar e ganhar o suficiente para sobreviver.

“O Governo está acuado, principalmente porque pegou uma herança da administração passada, mas quando se candidatou ao cargo eletivo, sabia que iria enfrentar esses problemas”, ressalta o religioso.

Para o padre Edilberto, a educação é para ser prioridade em qualquer governo, significando o pagamento mínimo do piso salarial nacional. Ele afirma que o Governo do Pará está gastando com outras coisas e ficando sem verba para a educação.

“Isso é um grande problema da educação não ser prioridade no Pará. Os professores estão sendo renegados. O Sintepp tem toda a razão de parar de trabalhar, já que o Governo do Estado não respeita a educação”, desabafa padre Edilberto, ressaltando que a greve prejudica os estudantes e a sociedade.

“Temos que ver de quem é a responsabilidade principal desse caos, que está ocorrendo com a greve dos professores. A culpa é do Estado que não prioriza a educação”, assegura.

Por: Carlos Cruz

9 comentários em “Padre: “Jatene é culpado por greve dos professores”

  • 15 de novembro de 2011 em 15:25
    Permalink

    Meus sinceros agradecimentos pela postura do Padre Edilberto Sena em defesa da educação e oposição ao Governo Simão Jatene.

    Resposta
  • 30 de setembro de 2011 em 15:26
    Permalink

    Padre vai rezar,fazer batizado,casamento,crismar,em vez de ficar se metendo aonde não é chamado,use a sua vocação para o bem da humanidade,e não se metendo aonde não deve.

    Resposta
  • 30 de setembro de 2011 em 08:04
    Permalink

    EU TROCO UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES.

    Resposta
  • 30 de setembro de 2011 em 06:23
    Permalink

    Concordo que os sálarios no Brasil principalmente os dos professores por si só é vergonha nacional. Quando compardos com de outras classes principalmente do judiciário,legislativo e executivos de Brasília é um absurdo. Também acho que uma das principal causas da Igreja Católica estar se deteriorando e que uma grande quantidades de seus padres são mais políticos do que religiosos. Também não gosto do PSDB que para mim é partido de elite

    Resposta
  • 30 de setembro de 2011 em 00:02
    Permalink

    Nos Anexos rurais o Ensino Médio é ofertado em modalidade regular, mas os profesores e alunos ocupam barracões cumnitários improvisados como salas de aula ou mesmo a céu aberto em baixo de árvores, como \”aula campal\”. E o valor da hora-aula nesses anexos das escolas estaduais é exatamente o mesmo da hora-aula nas escolas urbanas de Belém. Eu troco um parlamentar por 344 professores heróis!

    Resposta
  • 29 de setembro de 2011 em 21:28
    Permalink

    Eu troco um parlamentar por 344 orifessores…

    Resposta
  • 29 de setembro de 2011 em 17:39
    Permalink

    Vamos dar valor ao ensino, e chega de mordomias para esses políticos corruptos. Os professores além de ensinar, sofrem com os descasos e ainda tem que dar aulas muitas vezes em péssimas condições.
    Eu troco um parlamentar por 344 professores!

    Resposta
  • 29 de setembro de 2011 em 17:32
    Permalink

    De fato, o que se faz com a educação não só no Pará mas em nosso país é um crime. Crime não apenas contra os/as professores/as mas também contra os nossos ideais e nossos/as jovens. Um país subdesenvolvido porque é subalimentado e subeducado. EU TROCO UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES.

    Resposta
  • 29 de setembro de 2011 em 17:24
    Permalink

    \”Sou professor da rede pública de ensino e gostaria de expor a você o meu salário bruto mensal: R$650,00
    Eu fico com vergonha até de dizer, mas meu salário é R$650,00. Isso mesmo! E olha que eu ganho mais que outros colegas de profissão que não possuem um curso superior como eu e recebem minguados R$440,00. Será que alguém acha que, com um salário assim, a rede de ensino poderá contar com professores competentes e dispostos a ensinar? Não querendo generalizar, pois ainda existem bons professores lecionando, atualmente a regra é essa: O professor faz de conta que dá aula, o aluno faz de conta que aprende, o Governo faz de conta que paga e a escola aprova o aluno mal preparado. Incrível, mas é a pura verdade! Sinceramente, eu leciono porque sou um idealista e atualmente vejo a profissão como um trabalho social. Mas nesta semana, o soco que tomei na boca do estômago do meu idealismo foi duro!
    Descobri que um parlamentar brasileiro custa para o país R$10,2 milhões por ano… São os parlamentares mais caros do mundo. O minuto trabalhado aqui custa ao contribuinte R$11.545.
    Na Itália, são gastos com parlamentares R$3,9 milhões, na França, pouco mais de R$2,8 milhões, na Espanha, cada parlamentar custa por ano R$850 mil e na vizinha Argentina R$1,3 milhões.
    Trocando em miúdos, um parlamentar custa ao país, por baixo, 688 professores com curso superior !
    \’TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES\’.\”

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *