Círio de Nazaré leva mais de 2 milhões de pessoas às ruas de Belém

Cirio de Nazaré

Um dos maiores eventos católicos do País, o Círio de Nazaré, que se realiza há 219 anos pelas ruas centrais da capital do Pará, mobilizou ontem cerca de 2,3 milhões de romeiros, segundo cálculos da Polícia Militar, durante seis horas, num percurso de 4,6 km. Símbolo da fé e do sacrifício humano, a corda de 400 metros que tradicionalmente é conduzida por dez mil pagadores de promessas, este ano, a pedido do arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira, não foi cortada até que a santa chegasse a seu destino, a Praça do Santuário.

Ano passado, a corda foi cortada a golpes de estilete e faca e ao romper-se levou ao chão dezenas de participantes do evento, provocando fraturas e ferimentos. Emocionado por comandar pela primeira vez a procissão, Taveira foi enfático ao dar a benção aos romeiros: “não existe repetição do Círio, eu vivo sempre como se fosse a primeira vez”.

O pescador Raimundo Oliveira percorreu a pé 150 km, do município de Mãe do Rio, até Belém, para pagar uma promessa. Ele conseguiu um lote de terra e já começou a construir a casa onde pretende morar com a mulher e cinco filhos. “Participei de duas invasões de terra, apanhei da polícia, e fiz uma promessa para a santa se conseguisse um canto para viver com a minha família. Consegui e vim agradecer”. A cozinheira Evandra Maria Bastos, de 56 anos, disse que teve um “problema grave” na garganta e que foi curada pela Virgem de Nazaré. Pagou a promessa carregando uma cruz feita de isopor.

“Nunca vi coisa igual no mundo. Já estive em Fátima, em Portugal, e em Lourdes, na França, acompanhando peregrinações católicas. Também conheço a peregrinação muçulmana à Meca, mas nada se iguala ao mar de gente que encontrei no Círio de Nazaré. A fé do povo paraense contagia e emociona qualquer um”, declarou o empresário catarinense Romeu Tadeshi, de 67 anos. Ele estava no meio da multidão, distribuindo água aos peregrinos.

O ex-governador de São Paulo, José Serra, que veio a Belém pela segunda vez para acompanhar o Círio a convite do governador paraense Simão Jatene, disse que estava “muito emocionado”. Para ele, não há nada parecido. “É um grande ato de fé, que à distância a gente não tem ideia de como é. Milhões de pessoas na rua que se organizam sem precisar de muita organização”, resumiu o político.

Cerca de quinze mil homens das Polícias Militar, Civil, e das Forças Armadas garantiram a segurança dos romeiros, enquanto quatro mil voluntários da Cruz Vermelha registraram mais de 800 atendimentos às pessoas que sofreram quedas, passaram mal e desmaiaram durante a procissão devido ao forte calor. Uma mulher sofreu aborto e foi levada para o Pronto Socorro Municipal Mário Pinotti.

Fonte: Estado de São Paulo

Um comentário em “Círio de Nazaré leva mais de 2 milhões de pessoas às ruas de Belém

  • 10 de outubro de 2011 em 19:43
    Permalink

    MANOBRAS DO GOVERNADOR SIMÂO JATENE CONTRA O ESTADO TAPAJÓS E O NOVO PARÁ.

    O governador Jatene, mesmo tentando passar a imagem de que é favorável a realização do plebiscito no dia 11 de Dezembro, para consulta sobre a criação do Tapajós e Carajás. Já deixou claro que é contra a divisão e criação de novos Estados.

    Para isso, tem realizado várias manobras para desestabilizar a campanha do SIM ao Tapajós, vejas as ações:

    1º – Tirou o mandato do deputado federal Dudimar Paxiuba – PSDB, que era favorável ao Tapajós, mesmo sabendo que ele era suplente do Zenaldo Coutinho, líder do movimento do contra, com a promessa que retornaria ele no congresso, colocando o André Dias como secretário do seu governo, ou indicando ele para o TCE, como o TCE é mais demorado, é possível que até o dia do plebiscito, Dudimar continue afastado do cargo. Prova disto, foi a desistência do mesmo, que era pré-candidato a prefeitura de Itaituba.

    2º – Janete de quebra, calou o vice-govenador, Helenilson Podente, de Santarém, primeiro, com um falso discurso, que os dois juraram defender a integridade do Pará, coisa que não está no discurso de pose do governador, pura mentira, e colocou Helenilson como Secretário maior no lugar de Zenaldo Coutinho, abafando deves, a maior voz, do Oeste do Pará,. que poderia fazer diferença na campanha do Tapajós em Belém.

    3º – Jatene, fez várias promessa de liberações de recurso para vários convénios com os municípios da Região Oeste do Pará, principalmente os que comporem o novo Estado do Tapajós, calando assim, os prefeitos e vereadores, dos presentes municípios. Nunca se viu o governo do Estado, presente nessa região, com viaturas alugadas, coisas que ele em campanha, criticou a ex-gvoernadora Ana Júlia, e prometeu que compraria todas novas, agora, sem perder tempo, alugou várias veículos enviou para essa região, para fingir que a segurança está em bons rumos.

    4º – Todos os filiados do PSDB, que residem, nas cidades do futuro Estado, receberam ordem imediatas de ficarem neutros, sem movimentação nenhuma, principalmente os pré-candidatos a prefeito pelo PSDB, amarrados, em um aconchavo, isso vale para os partidos da base aliado do governo, quem quiser o apoio do Estado nas eleições de 2012, deve fazer corpo mole, e deixar a campanha pelo Tapajós ficar fraca.

    5º – Na região metropolitana e região nordeste do Estado, são poucos cidades, que tem campanha a favor do Tapajós, mais do contra, mesmo, poucos políticos fazendo campanha para o não. Mesmo com os números favoráveis para o não, Jatene tem usado de várias manobras contra a Criação do Tapajós, sabendo que em matéria de política, quem faz é o agente político, sem eles, o povo, não agem, infelizmente, são orientados e guiados ao beou prazer dos políticos, isso não é de hoje, e da história política do Brasil.

    Os tapajoaras repudiam essas manobras, e principalmente aos políticos que em nome de seus interesses pessoais, tem se calado, diante de mais de 150 anos de lutas, pela a Criação do Tapajós, ficando neutros, sabendo que ao passar, o plebiscito, dependendo do resultado, corremos o risco, de tão cedo, não termos mais uma oportunidade como essa, para demonstrar ao Pará e ao Brasil, o que realmente queremos. Mais muitos vão se lembrados no futuro presente, pelo desempenho nessa campanha do Tapajós, os que participaram ativamente e os que não fizeram nada. E uma escolha que vai refletir no futuro político de muita gente.

    SIM AO NOVO PARÁ
    SIM AO DESENVOLVIMENTO

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *