Twitter eliminou candidato do Pará

twitter

Um candidato de Parauapebas está entre os três eliminados no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), cuja segunda etapa foi concluída ontem, por terem acessado as redes sociais enquanto faziam a prova. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), não deu detalhes sobre o local, o nome do eliminado, o material acessado ou as circunstâncias do flagrante, mas informou que foram registradas três eliminações de candidatos flagrados utilizando os telefones celulares para acessar serviços como o twitter. Uma foi em Parauapenas e as outras foram em Salvador (BA) e São José dos Pinhais (PR). No primeiro dia do exame, o Inep já havia eliminado oito pessoas pelo mesmo problema. O edital deixa claro que o uso de celular em sala de aula implica em eliminação do candidato.

O segundo dia de prova do Enem em Belém só foi tensionado pelo boato que correu pelo Twitter, ainda pela manhã, de que a prova havia sido suspensa. Muitos candidatos e familiares telefonaram à redação deste jornal para checar a informação, falsa, pois a prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação e Matemática e suas Tecnologias, com 45 questões objetivas cada, começou a partir de meio-dia em Belém. Foram 5h30 para resolução. No portão principal da Universidade Federal do Pará (UFPA), somente um candidato chegou depois de encerrado o prazo de acesso aos locais de prova: de 11 ao meio-dia. “Eu estava trabalhando”, afirmou José Maria Cardoso Domiciano, 32 anos, borracheiro, que pela primeira vez tenta uma vaga, pelo Enem, para o curso de Letras da UFPA. Quando ele chegou de mototáxi ao portão de acesso do campus básico do Guamá, vindo do Jurunas, já havia soado a sirene que indica o final do prazo de ingresso aos locais de prova no básico e profissional.

Ontem à tarde, a assessoria do Inep informou não ter registrado nenhum outro problema nas escolas onde a prova foi aplicada no Pará. Candidatos que deixaram as salas depois das 15h disseram que o exame ocorreu sem imprevistos. Para alguns candidatos de Belém, o maior problema foi mesmo a extensão da prova. Depois de participar de várias edições do Enem, Karen Bittencourt, 28 anos, notou a evolução das questões para um modelo que considerou exaustivo. “Fiz todos os anos e este ano tava bem mais cansativo. Tinha muito texto. Na primeira vez que fiz, as questões eram mais diretas. Agora, até Matemática tem um texto longo”, reclamou.

Da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *