Cargill nega apoio ao Estado do Tapajós

Empresa Cargill mostra que é contra a criação do Estado do Tapajós

Estando faltando apenas 40 dias para a realização do Plebiscito que vai definir a divisão do Estado do Pará em três com a criação do Tapajós e Carajás, a Campanha na região ganha novo fôlego com a arrecadação que servirá para pagar os custos que está a cargo do publicitário Duda Mendonça.

Em Santarém, o Comitê Pró-Estado do Tapajós já arrecadou R$ 1.200.000,00 (hum milhão e duzentos mil reais) com apoio de diversos empresários que doaram em média de 20 a 30 mil reais. Para intensificar a Campanha em outros municípios, estiveram em Itaituba na terça-feira, dia 1º, os deputados Lira Maia (Federal) e Alexandre Von (Estadual); presidente da Associação Comercial de Santarém, empresário Alberto Oliveira; empresário Olavo Neves, entre outros.

A reunião da Frente Pró-Tapajós aconteceu no gabinete do prefeito Valmir Clímaco, onde ali mesmo foram formadas várias equipes com meta de arrecadar junto às empresas de Itaituba o montante de R$ 300.000,00 (trezentos mil reais), como valor estabelecido em meta a ser arrecadado até o dia 10 deste mês. Inicialmente o prefeito Valmir Clímaco anunciou que na condição de empresário estava doando R$ 80.000,00 (oitenta mil reais) na Campanha.

Olavo Neves, Von, Maia e Valmir Clímaco, denunciam omissão da empresa

Na reunião, os empresários Santarenos fizeram uma explanação mostrando a importância do engajamento de todos os empresários Itaitubenses, já que a campanha precisa ser intensificada em Belém e mais 87 municípios do Pará, para que o SIM possa obter mais de 50% de votos, já que aqui em nossa região essa margem está em mais de 85%.

CARGILL NEGA APOIO – Sobre a campanha em Santarém, os empresários e os deputados enfatizaram a união e participação de todas as empresas, com exceção da empresa Cargill Agrícola, que se recusou a apoiar o movimento. Só para recordar, a Cargill quando se instalou em Santarém, recebeu apoio total da Associação Comercial e Empresarial de Santarém, bem como do então prefeito Lira Maia, que na época comprou uma briga ferrenha com os ambientalistas que eram contra a instalação da empresa em solo santareno. Na reunião em Itaituba, Lira Maia colocou alguns números estatísticos que comprovam a viabilidade da criação do Estado do Tapajós, entre elas, o Fundo de Participação do Novo Estado que ficará em torno de R$ 150 milhões.

Lira Maia citou o exemplo de Tocantins, que ao ser criado tinha apenas 2 faculdades e hoje conta com 42; assim como também tinha apenas duzentos quilômetros de estradas asfaltadas, estando atualmente com mais de cinco mil quilômetros; acreditando que o mesmo ocorrerá no novo Estado do Tapajós com a vitória do SIM.

Estiveram na reunião, para articular arrecadação financeira em prol do Plebiscito, os empresários Afábio Borges, Silva (Mini Box Silva), Robson Dantas, e representando a Câmara Municipal, os vereadores Luiz Fernando Sadeck (Peninha) e Marcos da Ideal.

Por: Nazareno Santos

19 comentários em “Cargill nega apoio ao Estado do Tapajós

  • 25 de novembro de 2011 em 11:01
    Permalink

    Vamos deixa essa empresa Cargil de merda de lado e vamos votar no SIM 77, depois e so fazer uma manifestaçao junto aos ambientalistas e tirar a Cargil daqui, simples nao vai fazer falta nenhum, ja que o recurso que ela repassa para prefeitura de Santarem, os Santarenos nao usufluem, FICANDO NO BOLSO OU MELHOR NA CONTA NOS INVESTIMENTOS DE QUEM GOVERNA A CIDADE.

    Resposta
  • 19 de novembro de 2011 em 10:12
    Permalink

    Tornar possível o que é impossível. Transformar o caráter mais vingativo e o colocar num mais nobre e elevado plano essa deve ser a missão… SIM e SIM !!

    Resposta
  • 18 de novembro de 2011 em 22:28
    Permalink

    com relação a cargil ja esperava essa reação afinal já conseguiu o que queria.o que posso dizer de uma empresa que nem se quer contrata pessoas daqui pra cargos fixos.E com relação a comentarios de pessoas que esta defendendo ou justificando o possicionamento da cargil devem ser funcionarios ou pessoas simpatizantes da mesma.Afinal vcs acham que ela esta apoiam quem?E esse o agradecimento que ela dá por ter se istalado aqui daqui a pouco esse povo mal educados e grossos e trairas vao tomar conta da nossa cidade assim como tomaram conta do planalto e o povo ainda bajula essa gente.mais um dia ela cai podem ter certeza disso e com relaçao a roubo mais do que ja soumos roubados por BELEM eles deveriam eram apoiar afinal eles não gostam do povo de santarem sacanagem mesmo e da fafa de belem que como artista nao deveria tomar partido assim como aqueles cantores de merda de tecno brega.ainda tem gente que gosta.Sou santarena neta de pernambucano e alagoense e Mae de decendencia polonesa e AMO A MINHA CIDADE EQUERO MUITO QUE ELA SEJA RECONHECIDA COMO CAPITAL SO ASSIM VAMOS PODER ANDAR COM NOSSAS PROPRIAS PERNAS SO PRECISAMOS APARAR AS PONTAS SOLTAS A DE NOS LIVRA DA NOSSA MADASTRA QUE É BELEM.

    Resposta
  • 17 de novembro de 2011 em 17:24
    Permalink

    Engraçado, tenho certeza que outras empresas também não contribuiram, mas como trata-se da CARGILL logo trataram de publicar essa matéria…a Cargill não é contra o Estado do Tapajós apenas se recusou a ajudar, mas como ela ajudaria, se ano passado repassou á prefeitura de Santarém uma quantia consideravel para contrução do bosque da VERA PAZ.. cadê o bendito bosque? nunca saiu… e o dinheiro doado pela cargill pra onde foi???? È muito fácil criticar…..

    Resposta
  • 9 de novembro de 2011 em 18:39
    Permalink

    sou de santarem hoje estou em rondonia acompanhando as noticia sobre a divisao do estado ,gente vamos votar mesmo quanto a cargil
    que se recusou em ajudar era de se esperar ele ja consegui o que queria acabar com a tao doudosa vera paz.

    Resposta
  • 7 de novembro de 2011 em 15:35
    Permalink

    POW BICHO O LIRA MAIA ROUBA MAIS MOSTRA SERVIÇO, E A MARIA DO CARMO? CIDADE UMA BURAQUEIRA SÓ, GREVE DE PROFESSORES E MAIS ALGUMAS COISAS FALA SÉRIO VAMOS VIVER A REALIDADE !!!!

    Resposta
  • 6 de novembro de 2011 em 14:32
    Permalink

    Com um Fundo de Participação do Novo Estado de R$ 150 milhões, é muito dinheiro para as pretenções do Lira Maia ser governador e meter a mão nesse dinheiro, primeiro foi a mansão e agora será um castelo? Nessa foto só tem bandido, ah! Se a PF aparece nessa reunião? Até o Lira Maia aprederia a correr.

    Resposta
  • 5 de novembro de 2011 em 09:15
    Permalink

    É muito simples … quando o Tapajós virar estado é só expulsar a Cargil daqui ! pois há muitas outras empresas querendo vir pra cá é somar forças para alavancar o progresso do novo estado.

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 19:22
    Permalink

    POR BICHO ESSA EMPRESA DO GRUPO MAGGI DE CUIBÁ GANHANDO DINHEIRO EM SANTARÉM, E NÃO QUE AJUDAR? DEVERIA A JUNTA COMERCIAL DE SANTARÉM EXPULSAR ESSA PORRA DESSA CARGIL PRA ELA VOLTAR PRA CUIBÁ-MT,FALA SÉRIO !!!!!!!!!!!!!!

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 12:54
    Permalink

    A Comissão Pró-Criação do Estado do Tapajós tem que dar continuidade na busca de apoio junto à outras empresas, não se deixar abater com um não apenas, com certeza em nossa região existem muitas outras empresas dispostas à ajudar nesse momento, já que a Cargill pulou fora…Obs: Estive em Belém há 15 dias atrás e observei que o povo da Capital está lutando contra mesmo, colocando faixas em suas ruas, residências, apelando para o emocional de sua gente p/ votarem não no dia do plebiscito.
    Temos que divulgar urgentemente que somos à favor também, colocando faixas nas ruas de Stm e demais cidades vizinhas, adesivos nos carros, etc…Aqui em Brasília-DF (muito distante daí) coloquei uma bandeira nas cores verde e amarela com o SIM ao TAPAJÓS, na fachada de minha casa, manifestando assim o apoio à divisão. Façam o mesmo por aí, a Imprensa Nacional está de olho nas manifestações e isso reflete o desejo de um povo que quer o seu desenvolvimento.

    Abs,

    Lucivaldo Brito (Moska)
    Brasília-DF.

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 12:08
    Permalink

    A cãmara de vereadores de santarém bem que podia fazer uma moção de repúdio contra a Cargill

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 10:20
    Permalink

    Vamos vencer sim., basta votar 77

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 10:17
    Permalink

    Só em saber que fui um dos afavores da instalação da cargil aqui,travamos guerras ferrenhas contra ambientalista,fizemos passeata para a instalação,nos arriscamos com nossas próprias vida contra o greenpeace,quando invadiu a cargil,e agora ela da as costa para a criação do novo estado,pois se da proxima vez fizerem alguma coisa contra ela,serei o primeiro a levantar a bandeira de guerra,contra ela.

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 09:38
    Permalink

    A Cargil que agora dar o troco.

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 09:08
    Permalink

    A CARGIL AGRÍCULA, relmente levou muitos esculachos aqui mais foi o preço que pagou para si instalar, uma vez que acabou com a nossa VERA PAZ. Então seria a hora de mostrar sua reputação como uma entidade de renome internacional dando seu apoio a este novo estado.. mais não tem nada não… vamos vencer essa luta com ela ou sem ela.

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 08:43
    Permalink

    são Empresas que tem como principio o capitalismo parasitário, exploram tudo e a todos, quando seca a fonte, partem para outro
    local.

    Resposta
  • 3 de novembro de 2011 em 21:08
    Permalink

    Esta empresa Cargil, outras empresas e grandes mineradoras, exemplo VALE são aquelas que não dão a contribuiçao tributaria,querem ficar sempre livres e sem compromisso social.Já os meios de comunicação da capital querem manter o monopolio da comunicação em todo o ESTADO PARAENSE e com os novos estados eles perdem este monopolio.

    Resposta
  • 3 de novembro de 2011 em 21:06
    Permalink

    Esta empresa Cargil, outras empresas e grandes mineradoras, exemplo VALE são aquelas que não dão a contribuiçao tributaria,querem ficar sempre livres e sem compromisso social.
    Já os meios de comunicação O LIBERAL,DIARIO DO PARA, querem manter o monopolio da comunicação em todo o Pará e com os novos estados eles perdem este monopolio.

    Resposta
  • 3 de novembro de 2011 em 19:31
    Permalink

    Duvido que a empresa tenha se recusado a apoiar o Tapajós, pode ficar neutra e não se manifesatar ja que só levou cacetadas neste lugar.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *