FREI JURACY DERROTA 5 ADVERSÁRIOS E SE ELEGE PREFEITO DE ALENQUER

População ximanga acredita nas propostas de mudanças elaboradas por Juracy e Josino
População ximanga acredita nas propostas de mudanças elaboradas por Juracy e Josino

Finalmente o eleitorado fiel de Juracy Estevam pode em definitivo soltar o grito preso na garganta que guardou por vários anos. A conquista do poder foi a história por duas boas razões: Primeiro, pelo fato da comunidade ximanga jamais ter elegido um sacerdote. Segundo, pela população ter deixado de acreditar no modelo de política que há anos foi implantado em Alenquer.

O novo gestor teve a aceitação popular, compondo a chapa de vice o empresário Josino Filho. Conforme seus esclarecimentos em época de campanha, o principal objetivo que o levou temporariamente a se afastar da missão de sacerdote, foi: Lutar por justiça social e políticas públicas para os munícipes, e para o Município que lhe serviu de berço.

Uma coisa, ou outra, o certo é que a votação foi expressiva. Principalmente levando em consideração o verdadeiro massacre que o mesmo emplacou sobre seus adversários. Detalhe, Frei Juracy foi eleito com 12.007 votos, 51.24% da intenção do eleitorado. Tal expressividade é a resposta do chamamento e do clamor por mudança. De certa forma, a confiança do eleitor no seu plano de governo e plataforma de trabalho teve o respaldo nas urnas. Espera-se que os mesmos possam dá certos e satisfaçam o anseio da população.

Para se ter dimensão dessa vitória esmagadora, a diferença de Juracy para o segundo colocado, Tom Silva – PMDB foi de 6.362 votos, visto que este obteve nas urnas 5.645 votos. O Terceiro lugar ficou Carlos Cambraia – PSC, atual Prefeito com 3.373 votos. Quarto colocado Gilvandro Valente – PTN com 1.387 votos e o último lugar amargando a lanterna o ex-vereador Xiquito Menezes – PDT com apenas 1.022 votos.

Destarte, apesar de a população ter conhecimento de que lamentavelmente ainda existiu de forma acintosa e alarmante, a prática nociva e cultural da compra e venda de votos, desta vez os tradicionalistas não tiveram um final feliz. Que isto sirva de exemplo, para quem insiste em comprar o caráter, a dignidade das pessoas menos favorecidas. Pois perderam, voto, tempo e dinheiro.

CÂMARA DE VEREADORES DE ALENQUER FOI RENOVADA: Quem planta vento colhe tempestade. A indignação da população alenquerense para com os “representantes do povo” consolidou-se ao eleitor extirpar da vida pública onze vereadores do palácio legislativo José Leite de Melo. Nessa verdadeira avalanche, apenas quatro vereadores foram credenciados a serem novamente empregados do povo: Laércio Calderaro, Roberto Simões, Zezinho Valente e Rosi Cunha. Isto, diga-se de passagem, sem contar com a baixa e absurda votação dos novos eleitos no total de quinze. O primeiro lugar ficou para o vereador eleito Ailton da Morena – PSDB, 787 votos. Em seguida Laércio Calderaro – PTB, 648 votos. Arnaldo – DEM, 632 votos. Roberto Simões – PPS, 609 votos.  Barata – DEM, 566 votos. Betão – DEM, 515 votos. Zezinho Atumã – PEN, 512 votos. Marcelino Vidal – PP, 464 votos. Rozenildo Lopes – PT do B, 460 votos. Zezinho Valente – PSDB, 453 votos. Júnior Taveira PSD, 453 votos. Beto Vazini – PEN, 436 votos. Kabeceira – PPS, 430 votos. Diego Moreira – PSB, 358 votos e Rosi Cunha – PTB, 342 votos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *