PADRE NILTON VOLTA ATRÁS E REABRE NÚCLEO DE APARECIDA EM CURUÁ

Com pouquíssima participação dos comunitários do bairro da Castanheira, Padre Nilton reabre Núcleo de Nossa Senhora de Aparecida
Com pouquíssima participação dos comunitários do bairro da Castanheira, Padre Nilton reabre Núcleo de Nossa Senhora de Aparecida

Na edição de nº 1104 de 29 de julho de 2016, através deste conceituado semanário – Jornal O Impacto, tecemos de forma incisiva, veementes críticas ao Pároco da Igreja de São Raimundo Nonato do município de Curuá, Padre Nilton Mendes. A censura publicada refere-se à indignação da coordenação e dos comunitários do Núcleo de Nossa Senhora de Aparecida do Bairro da Castanheira. Principalmente por não terem sidos comunicados previamente do fechamento do referido Núcleo.

Como consequência, os mesmos ficaram cerceados de consagrar o dízimo. Por isso, a atitude foi atribuída pelos fiéis da Igreja Católica, como de cunho tendencioso e arbitrário. Já que, simplesmente o reverendo de forma ilógica e/ou aleatória, fechou uma entidade, a qual foi instituída pelo mesmo, no dia 14 de fevereiro de 2016, na presença de aproximadamente de 300 leigos de várias comunidades do município de Curuá.

O totalitarismo esdrúxulo e desmedido, mesmo que transitório, de fechar a casa de oração, foi o suficiente para a vulnerabilidade do recinto sagrado ficar a mercê da própria sorte. Inclusive com roubos e saqueamentos de pertences objetos de doações pelos comunitários. Oxalá, a decisão unilateral, ou seja, de não consultar os membros da entidade por parte do religioso, causou mal estar de forma generalizada pelas pessoas que de forma generosa efetuaram várias doações que vão desde a imagem da Santa, até a construção do barracão.

Destarte, é patético publicar que esse absurdo inconsequente, presumidamente aconteceu pela falta de habilidade teológica do sacerdote em dirimir uma pequena desavença envolvendo membros, e a fundadora do Núcleo. Esta por sua vez, de forma equivocada, passou a tê-lo como se o mesmo fosse de sua propriedade. Assim sendo, o Pároco levado pela égide do impulso, literalmente ao invés de podar as arestas, fomentou a discórdia, chegando ao ponto de sugerir que os obreiros e dizimistas trocassem de igreja.  Em detrimento dessa postura estranha, contribuiu para que alguns devotos de Nossa Senhora de Aparecida, frustrados, migrassem para o protestantismo.

Em síntese, mais uma vez, de forma misteriosa, e sem novamente comunicar ou convidar os moradores do bairro supramencionado, o Pároco e a fundadora idealizadora do projeto, reabriram os trabalhos religiosos, apenas com a presença de sua família e alguns catequistas de outras comunidades. Resumindo, lamentáveis comportamentos dessa natureza depõem contra as orientações do Papa Francisco, que prega exaustivamente a misericórdia, e o fim da discriminação. Ademais, vai de encontro com os ensinamentos de Jesus que abomina qualquer tipo de exclusão.

CURUAZANDO – SEGURANÇA PÚBLICA: Até o fechamento desta edição, não tivemos acesso acerca dos boatos que circulam nos quatros cantos da cidade que protagoniza a festa do Raid. A Constituição Federal – CF elenca que Segurança Pública é direito do cidadão e dever do Estado. Como é do conhecimento de todos através da mídia, o Raid é a maior manifestação esportiva radical do Estado do Pará e quiçá do Norte do Brasil. Tudo isso não é suficiente para as autoridades haurirem que, por se tratar de um acontecimento de grande magnitude, e que envolve excessivo consumo de drogas lícita e ilícita, reunindo multidões, não chegaram a um consenso de disponibilizar reforço policial. As justificativas são a crise e a falta de recursos. Explicam, mas não justificam!  Feliz Raid com a proteção de Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *