Polícia Civil do Baixo Amazonas recebe reforço com novos servidores

Delegado Geral Rilmar Firmino e Superintendente Nelson Silva recebem novos servidores

A maioria dos municípios que pertencem à 12ª Região Integrada de Segurança Pública (12ª RISP) irão receber reforço do efetivo da Polícia Civil. De acordo com delegado Nelson Silva, superintende da Polícia Civil do Baixo Amazonas, somente nas próximas semanas será realmente possível afirmar a quantidade de novos servidores que atuaram na região.

Conforme o delegado geral Rilmar Firmino, algumas demandas especificadas em Santarém são colocadas como prioridade, tais como o reforço nas UIPP’s da Nova República, Santarenzinho e Alter do Chão, além da possibilidade do funcionamento da Delegacia da Mulher aos fins de semana.

Em todo Estado, segundo a Secretária Estadual de Segurança Pública, mais de 120 Unidades Policiais, entre Seccionais, Delegacias e Unidades Integradas de Polícia, situadas em 111 municípios do Pará, receberão novos policiais civis, das categorias de escrivão, investigador e papiloscopista, aprovados no último concurso público. Ao todo, 474 policiais civis concluíram o certame e foram empossados. Na sexta-feira (23), a Polícia Civil realizou a lotação dos servidores públicos, no auditório A, da Delegacia-Geral, em Belém. Foi quando os agentes policiais escolheram os locais de trabalho no interior do Estado. Além das lotações, os novos policiais civis receberam as armas e demais materiais de trabalho para iniciar as atividades. O procedimento de lotação teve início pela manhã e se estendeu por todo o dia.

O delegado-geral Rilmar Firmino acompanhou os procedimentos de lotação dos agentes policiais. Ele explica que todos os novos policiais civis têm conhecimento, durante o procedimento, das Unidades Policiais e dos municípios onde a Polícia Civil dispõe de vagas para lotação.

Pela ordem de classificação final no concurso, cada um dos servidores policiais é chamado e faz a escolha do local onde quer iniciar sua carreira policial. “A partir daí, ele segue para receber a portaria de lotação, o armamento e, depois, já segue para seu destino”, explica Firmino.

Mapas, consultas à Internet e trocas de informações foram alguns dos artifícios usados por muitos dos novos policiais para decidirem em qual Município iriam trabalhar. Entre os critérios de escolha estavam desde a proximidade com a residência ou mesmo a preferência pessoal.

Muito emocionada, a investigadora Valéria Valentim escolheu a cidade de Cametá, no nordeste do Pará. Ex-bombeira militar, ela deixou a corporação para fazer o concurso da Polícia Civil. “Desde a minha infância sonho por esse momento e agora finalmente vou trabalhar como policial”, disse ela que, com os olhos marejados, comunicou a escolha aos familiares.

O baiano João Santana, novo investigador de Polícia Civil, ficou também satisfeito com sua escolha. Vai trabalhar em Bragança, no Nordeste paraense. “Não conheço a cidade, mas estou pronto para chegar lá e começar a trabalhar”, disse ele, que está tomando as últimas providências para se apresentar na sede da Unidade de Polícia do Município nas próximas horas.

O novo investigador de Polícia Civil, Felipe Ramos, natural da cidade do Rio de Janeiro, não esconde sua expectativa de se apresentar em seu primeiro local de trabalho como policial civil: o município de Ourém, no Nordeste paraense. “Ainda não conheço. Só ouvi de alguns colegas que comentaram e de outras pessoas que falaram da cidade. Estou na expectativa para desempenhar meu trabalho”, destaca.

A mesma expectativa é a do novo investigador Tiago Jarró, também carioca, que vai iniciar sua carreira policial em Capitão Poço. “Primeiramente vamos nos apresentar na sede da Superintendência Regional para saber as diretrizes do nosso comandante, e depois conhecer a cidade”, detalha o policial civil.

A paraense Beatriz Almeida, nova escrivã de Polícia, já estagiou e trabalhou por dois anos como administrativa temporária na Polícia Civil. Ela escolheu o distrito de Vila dos Cabanos, em Barcarena, para desempenhar as atividades profissionais. Aos novos policiais civis, ela desejou sucesso e que continuem a estudar para desempenhar sempre um ótimo papel em prol da sociedade paraense.

POSSE: Os novos policiais civis foram empossados, na quinta-feira (22), em Belém, durante solenidade no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, com a presença do governador Simão Jatene. Ainda, no mesmo dia, eles assinaram os termos de posse e receberam coletes balísticos.

Ao todo, 289 investigadores, 166 escrivães e 19 papiloscopistas finalizaram o concurso público, em dezembro do ano passado, após dois anos de certame, que envolveu mais de um ano e meio, entre provas, exames, testes e prazos de avaliação de recursos dos resultados, entre outros, e quatro meses de preparação na Academia da Polícia Civil (Acadepol), durante o Curso de Formação de Policiais Civis, com aulas teóricas e práticas.

Na terça-feira (27), foi a vez da lotação dos novos 149 delegados. Com esse total de novos policiais, a corporação, que contava com 2.862 policiais civis em atividade antes do concurso, agora vai contar com mais de 3.400 policiais.

Considerando toda a região oeste do Pará, divididos por microrregiões, os municípios contemplados novos Policiais Civis são:

– Região do Baixo Amazonas: Alenquer, Belterra, Curuá, Faro, Juruti, Monte Alegre, Almeirim, Mojuí dos Campos, Óbidos, Oriximiná, Prainha, Santarém e Terra Santa.

– Região do Tapajós: Aveiro, Itaituba, Castelo dos Sonhos (Altamira), Jacareacanga, Novo Progresso, Placas, Rurópolis e Trairão.

– Região do Xingu: Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Porto de Moz, Uruará, Vitória do Xingu e Senador José Porfírio

– Região do Alto Xingu: Água Azul do Norte, Ourilândia do Norte, Rio Maria, Sapucaia, Bannach, São Félix do Xingu, Tucumã e Xinguara

NOVOS DELEGADOS:  “Hoje finalizamos todas as etapas do concurso público, mas começamos outra, que é o trabalho efetivo dos novos policiais que irão reforçar a segurança pública em todo o Estado”, destacou o delegado-geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, durante a posse dos 141 aprovados para o cargo de delegado. A cerimônia ocorreu na noite de terça-feira (27), no auditório da Delegacia-Geral, em Belém, e contou com a presença do governador Simão Jatene.

O Governador parabenizou a todos pela aprovação e escolha de um cargo público tão importante, que tem a missão de proteger a população. “Vocês não estão sozinhos. A responsabilidade é grande e os desafios são maiores ainda, mas estamos trabalhando para que, juntos, possamos fazer uma polícia melhor, e assim prestar um melhor serviço à população”, afirmou Simão Jatene.

O ingresso dos novos policiais faz parte dos compromissos assumidos pelo Governador no pacote de ações imediatas para melhorar a segurança em 2018. “Entre as ações anunciadas estava a nomeação e posse dos policiais, o que foi cumprido até antes do prazo estimado. Mas os investimentos na segurança também incluem novos policiais militares, que estão em formação e, em breve, estarão nas ruas”, ressaltou o secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes.

Ele também destacou outros investimentos. “Já entregamos veículos para a Guarda Municipal de Belém, e outros ainda serão entregues para outros municípios. Temos mais ações de reforço, como a criação da Delegacia da Mulher e da Divisão de Atendimento ao Adolescente, ambas em Ananindeua, assim como o fortalecimento da Divisão de Homicídios, para apuração dos crimes, e da Inteligência Policial. Tudo isso agora é possível em razão da posse dos novos policiais”, garantiu o secretário de Segurança Pública.

RECONHECIMENTO: Durante a cerimônia foi entregue o kit operacional, com arma, colete e algemas, que será utilizado nas ações diárias pelos novos policiais. O delegado Diego Máximo do Prado, 22 anos, recebeu o material representando os novos empossados. Natural de Goiânia (Goiás), o jovem advogado sempre sonhou em ser policial para, segundo ele, “dar voz a quem não tem”.

“É uma vitória muito grande estar aqui. Cada um aqui pagou um preço muito grande por essa conquista. Eu, especialmente, deixei de ver o nascimento do meu filho. Só fui conhecer quando ele já tinha dois meses. Então, para mim, essa conquista tem um sabor especial e uma grande importância”, frisou Diego Máximo do Prado.

Ainda segundo o policial, a gestão responsável do Estado e o prestígio da corporação no País foram fatores fundamentais para que decidisse fazer o concurso. “Além de ser um Estado com um salário atrativo, possui uma Polícia Civil bem estruturada, de acordo com as suas capacidades, e com isso tenho condições de desenvolver um bom trabalho aqui”, complementou.

A paraibana Moema Carvalho, 35 anos, filha de delegado, vê sua entrada na Polícia Civil como um sonho realizado. “Seguir essa carreira era minha pretensão desde pequena, e aumentou depois que me formei em Direito. Estou preparada, e espero desenvolver um trabalho muito positivo em prol da população. Darei o meu melhor, sempre!”, afirmou.

A nova Delegada também destacou o trabalho da corporação na escolha pelo serviço público. “O Pará é atrativo em todos os sentidos, em suas belezas e, economicamente, para o servidor público, pois está com suas contas em dia. Além disso, é um Estado bem desenvolvido, e a Polícia é excelente. Esses foram alguns dos fatores que contribuíram para eu estar aqui hoje”, declarou Moema Carvalho.

CONCURSO: Os novos delegados da Polícia Civil foram aprovados no concurso público iniciado em 2016, e finalizado no mês passado. O critério de lotação obedece à ordem de classificação no certame. O concurso aprovou ainda 289 investigadores, 166 escrivães e 19 papiloscopistas, empossados na última semana, que já estão atuando no interior do Estado.

A formatura ocorreu no dia 26 de fevereiro, durante cerimônia realizada no Teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas, após quatro meses de formação técnica e profissional na Academia de Polícia Civil (Acadepol).

O curso foi o primeiro do Brasil a incluir sete disciplinas inéditas: oratória; atuação policial frente aos grupos vulneráveis; relacionamento com a imprensa e mídias sociais; abordagem psicopatológica do crime e da violência; investigação financeira no enfrentamento ao crime de lavagem de dinheiro; noções básicas de enfrentamento às fraudes veiculares e Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Esse foi o segundo concurso público feito em menos de quatro anos na Polícia Civil. Em 2014, ingressaram 386 novos policiais – 146 delegados, 90 escrivães, 131 investigadores e 19 papiloscopistas.

CONQUISTA: “Essa é uma conquista para a instituição, para o Estado e para o povo paraense. A partir de agora vamos alcançar a mesma condição que chegamos em 2014, onde todos os municípios do Estado do Pará terão um delegado de Polícia. Esta é uma condição ímpar e muito importante, pois a gente sabe da importância do trabalho que a Polícia desenvolve, principalmente no interior do Estado”, destacou o delegado Rilmar Firmino.

Ele falou, ainda, sobre a renovação do efetivo possibilitada pelos últimos concursos. “Hoje, um terço do nosso efetivo, de pouco mais de 3 mil policiais, tem menos de quatro anos, graças aos dois concursos públicos que o governador Simão Jatene realizou em sua gestão. Nesse período conseguimos ingressar na Polícia Civil 1.016 agentes. Nenhum Estado da Federação conseguiu esse feito”, assegurou Rilmar Firmino. ( Com informações da Polícia Civil)

Por: Edmundo Baía Júnior

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *