Bendelack: “Carnaval em Santarém não contempla blocos de enredo”

 O carnavalesco e um dos coordenadores do tradicional Bloco da Pulga, Raimundo Bendelack, esteve no estúdio da TV Impacto e na redação do Jornal O Impacto, onde falou sobre os preparativos para o carnaval deste ano, bem como se manifestou sobre alguns comentários feitos com relação à ASAC, associação dos blocos de enredo.

“O Bloco da Pulga tem um público que nos acompanha há muitos anos. Nós saímos da rua e fomos para o Point do Flashback, em uma parceria com o Renato, e que deu certo. Nós estamos trabalhando o ano todo, fazendo eventos e, quando chega no período depois do carnaval, a gente vai mais uns dois três meses e depois para. Nosso público é esse que está aí, pois fazemos nossos eventos lá no Point sem cobrar ingressos, só a bebida que vendemos para conseguirmos recursos para movimentar o nosso bloco, fazer o nosso carnaval. Neste ano de 2019, a gente começou desde a primeira semana de janeiro, já pensando numa atração para segunda-feira gorda de carnaval, quando estaremos trazendo a banda Fruta Quente  para abrilhantar e encerrar o carnaval da Pulga. Na terça-feira de carnaval a gente vai só brincar, se divertir. O importante é que todo mundo fique satisfeito, e que brinque no Bloco da Pulga”, declarou o carnavalesco.

ESTRUTURA DADA PELO PODER PÚBLICO: Manoel Bendelack se reportou sobre a ausência dos blocos que fazem parte da ASAC no carnaval oficial da Prefeitura, que é realizado na Praça de Eventos, onde as agremiações que fazem parte da associação não concordam com o local: “Olha, isso para nós já é passado. O carnaval foi tirado da orla porque os comerciantes de lá alegaram que o pessoal urinava nas portas de suas lojas e nós fomos levados para o Anísio Chaves. Nesse local tinha um projeto, que era do ex-prefeito Lira Maia, para o carnaval ser lá. O problema, é que lá não tem o corredor da folia, é muito estreito, não tem estrutura para os blocos. Eu escutei uma entrevista que foram dois blocos de enredo pra lá, o Cacique e o bloco do Neném. Agora, perguntem para o Rock Leal se ele quer voltar a desfilar na Praça de Eventos? Não tem condições a estrutura. O pessoal fica falando em dar dinheiro para os blocos. A Pulga sempre foi contra, a gente acha que o poder público tem de dar a estrutura. Qual é a estrutura? A arquibancada para o público ficar acomodado, não ficar em pé; uma grade para separar, e um palco. Não aquele que está lá, porque os blocos quando passam tem uma banda tocando. Isso é demais para nós. Então, é isso aí que é para questionar. Quando o poder público começou a dar dinheiro para os blocos, acabou o carnaval em Santarém. Muita gente meteu na cabeça que tinha de usar dinheiro para os blocos. A Pulga não. Eu me lembro, quando eu fui embora daqui a Pulga já fazia seus eventos lá na Marechal Rondon. Isso aí, para nós, é um assunto que a gente vai aguardar no próximo governo, se tiver um Secretário que pense assim, que não fique dizendo que essa Associação não quer. Não é isso. O Bloco da Pulga quer, por isso nós estamos levando em frente”, informou Bendelack.

BLOCOS DE ENREDO VÃO FAZER SEUS EVENTOS: Um dos diretores da ASAC, Naldo Almeida, falou que o projeto para futuro é resgatar esse carnaval de blocos de enredo e levar para um local adequado: “Verdade. A gente também tem de falar que os blocos de enredo, que estão dizendo que desapareceram, vão fazer seus eventos em Santarém. Nós vamos fazer o tradicional Arrastão da Pulga, andando pelas ruas da cidade e terminando lá no Point do FlashBack. Na segunda-feira terá a apresentação da Banda Fruta Quente, para nós encerrarmos nossa participação em 2019. Com relação aos foliões da Pulga, se você for lá nos eventos no domingo no Point, você não consegue nem entrar, fica lotado. Nós procuramos motivar o brincante a comparecer, e é ele que contribui, quem segura tudo. Muita gente fala que o poder público vai ajudar, será bem vindo, mas hoje a Pulga não é só carnaval, hoje a Pulga tem a Escolinha de Futsal Camisa 12, Falcão Camisa 12; nós temos nossos projetos sociais. A gente não ficou só no carnaval, nós não esperamos, sempre vamos atrás, por isso que o nome é Pulga, que perturba e vai pra onde quiser, A maior dificuldade hoje que nós estamos encontrando, por incrível que pareça, é patrocínio. Se você pegar nossas camisas não tem patrocínio, mas muita gente pensa que a Pulga está nadando em dinheiro, não está, é um custo muito grande e temos de correr atrás, fazendo eventos para conseguir dinheiro”, informou.

BLOCOS DE ENREDO NÃO MORRERAM: Raimundo Bendelack informa sobre o Arrastão da Pulga, que agrega vários blocos que saem pelas ruas da cidade: “Tem vários blocos que já estão aderindo, como aderiram no primeiro ano, cada um pode vir fantasiado. A Pulga lançará sua camisa oficial do arrastão. Nós tínhamos um samba-enredo para lançar no ano passado, que foi em homenagem aos 100 anos do Círio, esse samba está pronto; como nós não desfilamos na Anísio Chave, o samba está guardado e é muito bonito. A gente só lamenta porque muita gente fica sem trabalhar, se você for pensar quantas pessoas os blocos de enredo empregam? A Pulga nunca foi contra a Libes, nunca foi contra ninguém, a gente é outro estilo de carnaval, que hoje Santarém não contempla. É complicado você se locomover para a Anísio Chaves do jeito que está lá, colocaram uma grade separando, mas não tem arquibancada, o público tem de ficar em pé, e sem falar na banda que fica tocando no palco. O carnaval de arrastão é aquele que exige a participação do folião, é ele que vai lá para a avenida, vai pular e se divertir, vai extravasar sua alegria; o de enredo quem gosta é aquele que vai para assistir ao desfile daqueles blocos que apresentam suas alegorias, a sua bateria, o seu samba-enredo. O público quer assistir ao espetáculo. Se você for procurar voltar no passado, vai ver um local lotado de gente. Não é verdade quando algumas pessoas falam que não precisa de arquibancada, pois ela fica vazia. Podia ficar vazia na hora que acabasse o desfile, porque quando a Pulga foi para o embate estava completamente lotada a arquibancada, mostramos nas redes sociais a arquibancada cheia, os enredos, os blocos, nós temos tudo gravado. Infelizmente o carnaval hoje em Santarém não contempla os blocos de enredo. Eu falo, que de jeito nenhum, não morreu e nós vamos fazer nosso carnaval. Parece que o Aparecida vai fazer o movimento, está surgindo a Grande Família. A Pulga está na frente, porque não deixamos morrer, tanto é que nós ficamos um ano no meio dos blocos de empolgação”, finalizou Raimundo Bendelack.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O Impacto

Um comentário em “Bendelack: “Carnaval em Santarém não contempla blocos de enredo”

  • 16 de fevereiro de 2019 em 21:46
    Permalink

    Gastar grana pública com carnaval, somente quando estiver sobrando ! Primeiro resolver as necessidades básicas da cidade, como esgoto e asfalto; festa é pra quem pode, o resto é demagogia !

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *