2019 – O ANO QUE AINDA NÃO COMEÇOU!

Desculpe-me dizer assim, por que não começou? Se houve a mudança da folhinha no calendário, houve, réveillon, tim-tim de champanhotas, oferendas pra Iemanjá, neste ano que não é bissexto, mas se inicia cheio de acontecimentos tristes para todos.  Acontecimentos não comuns para um início de ano,  talvez porque este seja o ano do Porco, no calendário chinês e na Umbanda o ano de Ogum.

Tirando os acontecimentos que não ganham ou ganharam  a mídia nacional, os que ficam só na área local, como os de Santarém,  Garimpo do Tapajós, Barcarena, (ainda tem no fundo preso no navio), Terra Santa e Trombetas e Belo Monte, voltamos a nos surpreender com o crime ambiental anunciado, “o rompimento da barragem” de rejeitos de minério de ferro, desta vez na cidade de Brumadinho em Minas Gerais. Nem bem o povo de lá como os demais brasileiros, como nós, havia se refeito do Crime de Mariana, Terra de Alphonsus de Guimarães, grande poeta simbolista brasileiro, e teve que chorar, a morte, de aproximadamente duzentas pessoas e mais quase a mesma quantia de desaparecidos, que um grande número irão se juntar aos mortos e assim mudar, a “aritmética hedionda dos coveiros”. (Augusto dos Anjos).

Prenderam os homens errados, razão porque já estão soltos. E os grandes responsáveis estão mais uma vez “levando no Bico”, os governantes e prometendo “mundos e fundos” para as vítimas, sobreviventes de mais uma cidade que foi ”varrida do mapa”. Até agora, só “papo”….

 O temporal no Rio de Janeiro levou muitas outras famílias a derramarem lágrimas pela perda de seus parentes, suas residências e seus pertences. E como sempre me dizia o meu particular amigo, o médico Dr. OSÍRES SILVA DE ASSIS, “desgraça pouca só quer começo”. E aí acontece mais uma. A do meu time adversário. Mas neste momento não somos adversários, somos humanos e aí antecipo a minha solidariedade a todos os rubro-negros.

Pois, quando nem bem as lágrimas paravam de cair, por essas vítimas, das barragens e do temporal, vem o “desastre” do ninho do Urubu”, do Flamengo no Rio de Janeiro.  10 jovens (alguns sonhando com a camisa 10) esperança de futuro,  sonhadores de fazer a alegria dos torcedores nos gramados, além de conquistar uma melhor condição de vida para seus familiares, tiveram seus sonhos apagados nas chamas da Gávea.

Após o “caldo derramado” as autoridades do Rio de Janeiro querem mostrar para todo o Brasil, o serviço que não mostraram anteriormente, e começam a “exigir” os necessários documentos para se ter um alojamento par atletas, principalmente, os jogadores da base dos seus clubes. Estão indo em todos do Rio de Janeiro e como aconteceu, quando houve, o lamentável acontecimento da boate KISS, na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, fiscalizaram no Brasil inteiro até quem não tinha boate. E como sempre no Brasil, vão criar uma lei no calor dos acontecimentos e depois…..

Agora é bom ver que alojamentos existem, não só em alguns clubes de futebol, mas nas creches, nos asilos, nas casas de repouso, nos centros de recuperação de menores, nas escolas de tempo integral, nos conventos, nas casas de retiro, nas pousadas, nos hospitais e nos presídios. E aí?, ou daí?……

Ainda acompanhando os acontecimentos do Rio de Janeiro, me surpreendo com a notícia do brusco falecimento do meu amigo JOSÉ DELSON, de Seminário São Pio X, colega advogado e músico que me ajudou por mais de quinze anos, a fazer a alegria dos frequentadores das Sextas da Saudade no FLUMINENSE. Descanse em paz meu amigo.

 //////////// E mais ainda, no início desta semana a morte brusca em acidente aéreo do Jornalista RICARDO BOECHAT. Um fato de chamou atenção. Os taxistas de São Paulo, ordeiramente, fizeram uma carreata, sem prejudicar o trânsito, para prestar uma homenagem ao jornalista, até em frente ao prédio da TV Bandeirantes.

 //////////// Ontem, em Belém, dia 13/02/2019 – um avião Cesna caiu no bairro do Benguí, em Belém, com uma morte. Eu heinnn! Saí daí urucubaca!….E como postou o meu prezado amigo e companheiro do Instituto Histórico e Geográfico de Santarém, o jornalista JOTA NINOS: “Alagamento, enchentes, incêndio… Quando  vamos dizer Feliz 2019?

 //////////// E para fechar a cortina, o Brasil perdeu sua maior “show Woman”, artista completa, BIBI FERREIRA, eu tive a felicidade de há três anos atrás assisti-la em São Paulo, interpretando Frank Sinatra. O Brasil fica mais pobre culturalmente e mais triste.

 //////////// Como  em Santarém não se tem carnaval, pela “eterna”! Desorganização e “puxa e encolhe” dos blocos. Todo ano é a mesma coisa, começam a se arrumar para ir para a cidade de Óbidos. Esses promotores de eventos carnavalescos deveriam seguir o modelo do rendoso carnaval da cidade velha em Belém. Organização acima de tudo. Só entra no bloco com Abadá e a pulseira de identificação. Quem não tem não entra. Pode-se adquirir até camarotes individuais e de grupos. Uma organização fora de série. Os de Santarém não capazes de fazer? São sim senhor! Basta se programar com antecedência, juntamente, com Secretaria de Cultura, Associações de Bares, Restaurantes e Hotéis, e etc…. pois todos ganham no carnaval. Não podemos perder de vez, o que já tivemos. Pois era o contrário,  caravanas de Manaus, Belém, Itaituba e outras cidades circunvizinhas vinham passar o carnaval em Santarém. Hoje está ocorrendo o contrário…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *