Artigo – Os EUA são os culpados pela destruição do Afeganistão

Por Oswaldo Bezerra

A palavra Taleban passou a ocupar o noticiário em todo mundo, mas quem são eles? A história deste grupo se remonta a época quando os EUA começaram a criar exércitos de guerrilheiro para entrar em guerra contra a União soviética.

Este exército era majoritariamente formado por cidadãos da Arábia Saudita, conhecido protetorado americano. Um dos líderes treinados pela CIA foi Osama Bin Laden. Por isso, toda aquela surpresa em imaginar que um agente da CIA tivesse liderado um ataque as Torres Gêmeas.

Um destes acampamento de guerrilheiros sauditas sequestrou duas mulheres e as estupraram e a mantiveram presas no acampamento. Um grupo de estudantes revoltados com o acontecido invadiram o acampamento, libertaram as mulheres e enforcaram os guerrilheiros. Depois formaram um grupo revolucionário chamado de “Estudantes”, que na língua local se pronunciava “Taleban”.

Sempre com a mesma alegação de estar construindo a democracia em outro país, a Guerra ao Terror dos EUA empurrou o Afeganistão para o caos. Por isso, os Estados Unidos devem ser totalmente responsabilizados por esse fracasso. O mundo precisa estar consciente disso.

Joe Biden garantiu aos americanos que era “improvável” que o Taleban tomasse Cabul depois que as tropas americanas se retirassem. O Taleban tomou província após província e chegou a Cabul nesta semana. No último domingo, o presidente Ashraf Ghani fugiu da capital pouco antes dos insurgentes entrarem no palácio presidencial e declarar um Emirado Islâmico do Afeganistão.

Com o colapso do governo fantoche apoiado pelos EUA, milhares de pessoas que tentam desesperadamente fugir do país. Eles esperam se juntar aos milhões de refugiados afegãos que já foram forçados a partir nas últimas quatro décadas de conflito. O número de deslocados internos também está aumentando, já que pessoas em todo o Afeganistão podem perder seus familiares, casas, escolas e locais de trabalho para os combatentes do Taleban e para as bombas americanas.

Os combatentes do Taleban encontraram pouca resistência dos mais de trezentos mil soldados afegãos armados e treinados pelos EUA e seus servos da OTAN. Em vez disso, o exército os facilitou amplamente na tomada de prédios do governo e na libertação de milhares de talibãs presos em todo o país.

Foram vinte anos de ocupação destrutiva, mas agora os Estados Unidos abandonam oficialmente o Afeganistão à sua própria sorte. Foi uma demonstração vergonhosa da falta de preocupação de Washington com as consequências de suas próprias ações desastrosas.

Bush anunciou a invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos em 2001 como resposta aos trágicos ataques de 11 de setembro em Nova York. Os objetivos eram remover a Al-Qaeda do país, organização paramilitar islâmica criada pela própria CIA. Uma coalizão de ex-muja hideen anticomunistas tomaram o poder.

O vizinho Paquistão, principal aliado do governo do Taleban, foi forçado a fazer uma embaraçosa reviravolta política para facilitar o esforço de guerra dos Estados Unidos.

Em poucos meses, porém, os Estados Unidos criaram uma narrativa para uma guerra contra o Iraque. Houve uma intensa sensação de sucesso. No entanto, por baixo do tapete, o caos estava germinando em toda a região.

O novo governo afegão era uma coalizão estranhamente tecida de senhores da guerra, elites emigradas e tecnocratas de diferentes partes do mundo. Em 2003, a ativista dos direitos das mulheres Malalai Joya ganhou as manchetes quando desafiou publicamente os novos governantes do país, acusando-os de seus “crimes contra os afegãos” na Loya Jirga (Grande Assembleia de Anciãos). Os EUA tinham criado uma ditadura criminosa.

Em 2005, Joya foi eleita parlamentar da província de Farah e usou sua plataforma para destacar a corrupção e a violência facilitadas pelas forças da OTAN.

A corrupção das elites afegãs que haviam sido trazidas de volta ao poder começou a se infiltrar na mídia internacional. Em 2012, o Afeganistão foi classificado no final do “Índice de Percepção de Corrupção” da Transparency International.

O presidente Karzai e sua família foram acusados ​​de envolvimento em negócios obscuros e corruptos com organizações internacionais. Em outras partes do Afeganistão, relatos de extorsão e tráfico de drogas por senhores da guerra eram comuns, já que a ajuda que entrava no Afeganistão dificilmente chegava aos pobres do país.

No entanto, a corrupção não era apenas um problema afegão. Era parte do projeto formulado pelas forças de ocupação. Um relatório do New York Times de 2013 expôs como a CIA estava subornando o governo Karzai para ganhar favores para seus objetivos de curto prazo. O relatório revelou que as forças de ocupação estavam fomentando práticas corruptas em vez de combatê-las.

Em 2014, Karzai culpou os Estados Unidos por facilitarem a corrupção no Afeganistão, alegando que a maior parte da corrupção ocorreu por meio de contratos formais, emitidos principalmente por funcionários norte-americanos.

O Paquistão forneceu apoio secreto ao Talibã, apesar de ser um estado da linha de frente na “guerra ao terror” liderada pelos EUA. Seu papel duplo é o resultado da recusa de seu estado profundo em cortar seus laços materiais e ideológicos com o Taleban, apesar de apoiar ostensivamente a coalizão da OTAN.

Em 2001, sob a ditadura militar do general Pervez Musharraf, o Paquistão mudou de lado porque precisava de apoio financeiro para sustentar sua economia endividada. No entanto, ainda hoje, o Paquistão não mantém uma narrativa coerente contra o Taleban, e os especialistas da mídia local continuam a aplaudir suas atrocidades no Afeganistão.

A maneira covarde com que os Estados Unidos decidiram se retirar do Afeganistão só pode ser considerada uma fuga vergonhosa. Em 2020, os Estados Unidos convidaram o Taleban para uma rodada de negociações em Doha, contornando o governo afegão, um movimento que emprestou legitimidade sem precedentes ao grupo revolucionário.

Como parte do acordo de paz assinado em Doha, o governo dos EUA ordenou ao governo afegão que libertasse cinco mil soldados do Taleban em cativeiro, muitos dos quais logo retornaram às linhas de frente. O Taleban foi representado nas negociações de Doha por seu cofundador, Mullah Baradar, um ex-prisioneiro em uma prisão paquistanesa. Ele foi libertado a pedido dos Estados Unidos em 2018, a fim de tornar o Taleban “parceiros na paz”.

Os Estados Unidos então anunciaram uma retirada abrupta de tropas, implementada no final de julho de 2021, enquanto o encorajado Taleban estava atacando capitais de província em todo o Afeganistão. Hoje, Baradar é apontado como o líder mais provável de um governo liderado pelo Taleban.

O acordo de Doha em vigor encorajou o Taleban e criou uma onda de desmoralização e deserções dentro do Estado afegão. A única intervenção militar que os Estados Unidos fizeram durante o ataque do Taleban foi voltada para a evacuação de sua equipe da embaixada em Cabul.Remanescentes do exército afegão criado pelos EUA junto com suas famílias lotaram os aeroportos em uma última tentativa desesperada de deixar o país. Um vídeo viral mostrou dois homens agarrados a um avião americano caindo do céu enquanto ele decolava

Haverá uma crise de refugiados prestes a explodir em escala global. Resultado da dos Estados Unidos criarem um Estado para atender às suas necessidades de contra-insurgência, em vez de servir aos interesses do povo.

“Af-Pak” se tornou o primeiro local da história na ilegal guerra de drones que matou milhares de civis, muitas delas crianças em tenra idade, o que alimentou o sentimento antiamericano. Incidentes com vítimas civis, como a morte de 51 civis (incluindo 12 crianças) em uma campanha de bombardeio liderada pelos Estados Unidos em Herat em 2007, intensificaram a raiva popular contra as forças de ocupação.

Afeganistão, Iraque, Síria, Líbia e Iêmen são emblemáticos de como as intervenções ocidentais contemporâneas são voltadas para a criação de zonas de controle imperialista a fim de perseguir objetivos de curto prazo.Uma vez atingidos estes objetivos, o país é abandonado. Os Estados Unidos hoje lideram esse esquadrão de demolição global.

Hoje, os Estados Unidos ameaçam governos de esquerda na América Latina (Cuba e Venezuela em particular), enquanto também constroem sua máquina de guerra na Ásia. A classe dominante dos EUA voltará a usar a ameaça de fantasmas imaginários e mascarar sua agressão sob o véu dos direitos humanos e da democracia. Seria nada menos do que trágico se o povo americano continuasse a cair nesta conversa mole. Isto causa um sofrimento inimaginável para os países do Sul Global. Os impérios são incompatíveis com a paz global e a soberania popular, além disso, alimentam o militarismo e a xenofobia.

**Novo Livro de Oswaldo Bezerra intitulado “O Governador” está agora disponível em “livro físico”e para “Kindle”na Amazon.***

RG15/O Impacto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.