Justiça proíbe fechamento de portos e estabelece multa diária de R$ 50 mil; Guardas portuários decidem manter terminais fechados

O Sindicato dos Guardas Portuários do Pará (Sindiguapor) confirmou que recebeu um mandado da Justiça proibindo o fechamento dos portos no Pará.

Porém, reunida, a categoria resolveu manter o fechamento total dos terminais administrados pela Companhia Docas do Pará, que se arrasta desde as 5h desta quarta-feira. A medida alcança os portos de Santarém, Miramar, em Belém, e Vila do Conde, em Barcarena. A multa diária pelo descumprimento da decisão é de R$ 50 mil.

A principal reivindicação é a assinatura do acordo coletivo da categoria. Eles também querem chamar a atenção para as condições de infraestrutura dos portos.

Saiba mais

Desde as 5h desta quarta-feira (13), guardas portuários realizam um protesto no Estado, com o fechamento dos principais portos administrados pela Companhia Docas do Pará: Miramar, em Belém, Vila do Conde, em Barcarena, e o Porto de Santarém. O ato foi convocado por tempo indeterminado. Na capital, a manifestação provocou uma enorme fila de caminhões na Arthur Bernardes, próximo ao terminal de Miramar, por onde passam os combustíveis que abastecem a região.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Guardas Portuários do Pará (Sindiguapor), Rodrigo Rabelo, a principal reivindicação é a assinatura do acordo coletivo da categoria. “Estamos há dois meses sem acordo coletivo, o que ocasionou a Companhia a pagar a remuneração do mês de setembro com redução de 30% do salário. É uma forma de cobrar que a companhia chame o Sindicato para assinar, para ver se gente chega a um acordo”, disse.

Ele diz que o protesto também pretende alertar para as condições de trabalho. “Além disso, para informar o descaso da diretoria com a infraestrutura dos portos, cheios de buracos e situações de risco”, completou.

A manifestação é por tempo indeterminado. De acordo com o Sindicato, 50% do efetivo permanece trabalhando. Os manifestantes têm permitido a saída dos produtos que chegam ao Porto, mas não a entrada no terminal. Até o momento, a diretoria da CDP não entrou em contato com a categoria.

Procurada, a CDP ainda não se posicionou sobre a manifestação.

 

Fonte: O Liberal
Foto: Bena Santana

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *