NEWS – ATUALIDADES

DR. RICARDO RIBEIRO, “O MÉDICO”!!!

Desde início de 2005, comecei a ter problemas na cabeça de meu fêmur esquerdo, sendo obrigado a parar de jogar tênis, correr, até andar muito,…mesmo porque, doía demais. – O QUE ACONTECEU: – Por jogar tênis em quadra de cimento duro, com tênis de sola baixa, forcei demais a cartilagem de minha perna esquerda (sou canhoto), e acabei com ela literalmente. – Ficou a cabeça do fêmur, raspando na cabeça do acetábulo, o osso do quadril, sem cartilagem nenhuma entre os dois, e isso dói, mas dói muito, pior que dor de dente,…coisa de fazer o cara chorar de dor, até com ânsia de vomito!!! – A solução segundo os médicos que fui consultar em São Paulo no Sírio Libanês, Dr. Sérgio Rudelli; em Brasília no Sara Kubischek, fizeram uma junta médica para mim; em Minas Gerais, da Universidade Federal, e em Ribeirão Preto na Faculdade de Medicina da USP, com o diretor da ortopedia, Dr. Paulo Cunha, meu amigo de infância. – E todos, mas todos mesmo me disseram a mesma coisa: – Tem que colocar uma prótese! – O QUE É ISSO: –  Depois de fazer um grande corte em sua perna com anestesia geral, expondo o fêmur, corta-se a cabeça do fêmur pelo meio na horizontal, e furando o osso de cima para baixo, enterra-se a prótese ali, para substituir a cabeça cortada, lembrando que tudo pronto, fechada e costurada a perna, ainda pode ter rejeição, assim como, dando tudo certo, a prótese só dura um máximo de 15 anos, quando você tem que abrir de novo sua perna, cortar, operar de novo, fechar, dar uns 50 pontos, passar mais 6 meses em recuperação com fisioterapia e tudo mais. – Em poucas palavras: – Eu estava era ferrado, com meu problema! – Porém, sempre fui teimoso, e não aceitando não existir alternativas, comecei a pesquisar na Internet, e havia visto que estavam fazendo inserções experimentais de cartilagem em pessoas com problema igual ao meu, utilizando cartilagem de pessoa falecida, cartilagem de porco, e mesmo cartilagem sintética, sendo que os resultados ainda não eram tão satisfatórios. – E o tempo foi se passando, e eu não aceitando cortar meu fêmur, pois seria um caminho sem volta, como me disse meu amigo Normy, que fez a operação há 15 anos, e hoje tem duas próteses nas pernas, já colocadas pela segunda vez, com muitas dificuldades!!! –  E eis que recentemente, sem mais nem menos, Deus está sempre perto, numa bela noitada, Renatão Dantas da Comaq., me fala que seu cunhado Ataualpa, de 75 anos, que já não estava nem andando mais, passando todo o dia em cadeira de rodas de tanta dor que sentia na perna quando andava, encontrou um jovem médico que retornara dos Estados Unidos em um Congresso, com uma técnica revolucionária, e fizera nele a inserção de células tronco, com uma cartilagem sintética, e o homem estava não só andando, como não sentindo mais nenhuma dor, “zerado”, como se a perna fosse nova!. –  Quando Renatão me falou aquilo, pedi que entrasse em contato com seu cunhado e me desse o endereço do médico,…e encontrei o Dr. Ricardo Ribeiro, em Belém! – Ééééééééé,… o homem é de Belém!!! – Pode!!! – O que não encontrei nos melhores hospitais e cidades do País,…encontrei em Belém do Pará, no cantinho de cima de meu País, em um dia que foi um dos melhores da minha vida. – Liguei incontinenti para ele, expliquei meu caso, marquei uma consulta, e levando a Tomografia e o exame de sangue que me pedira, fui para Belém! – Recebeu-me em sua Clínica, na Rua Boaventura da Silva, n° 714, Umarizal, em Belém, telefone (091) 3223-4839, e olhando minha tomografia, disse que eu estava apto a receber a nova tecnologia cirúrgica. – Perguntou-me quando eu estaria livre, e lhe disse que se quisesse naquele exato momento, eu já estava pronto. – Sorriu-me e disse que no dia seguinte, ás 07:00h da manhã estaria tudo pronto. – Cheguei as 06:30h na sua Clinica, fui levado para um quarto no andar superior, e coloquei aquele avental com frente, e costas só amarrada, com o traseiro pegando vento, e lá fui para a sala de cirurgia. – O Dr. Ricardo, simpaticíssimo, me explicou que iria retirar meu sangue do braço, fazer uma centrifugação em um sistema chamado “PRP” (Plasma Rico em Plaquetas), e mostrou-me a cartilagem sintética, uma espécie de Silicone maleável, porém resistente, de ultima geração, descoberto nos EUA., que seria misturado as hemácias (células tronco) de meu próprio sangue, para não dar rejeição, e inseridos entre o meu fêmur e o Acetábulo, o osso de cima, substituindo a cartilagem que perdi, e cortando a dor que sentia. O Dr. Ricardo disse-me que existiam duas formas de fazer a cirurgia: – Uma com anestesia, porém ele não saberia onde estavam os pontos que doíam mais, e a segunda, sem anestesia, eu mostrando o ponto onde doía mais. – Preferi fazer sem anestesia, já que seria a ultima vez que iria sentir a maldita dor. – Doeu quando procurou com o dedo os pontos críticos, e quando a enorme agulha com meu sangue e a cartilagem sintética foram inseridas nos pontos mais doloridos da cabeça de meu fêmur, mas após duas horas na sala de cirurgia, o procedimento acabou. O Dr. Ricardo mandou-me descer da mesa de operação, e perguntou-me que movimento mais doía fazer em minha perna esquerda. – Eu lhe disse que levanta-la de lado e cruza-la, eram movimentos que não fazia a 6 anos. Mandou-me então levanta-la de lado, e eu disse: – “Isso vai doer compadre!”,… – E de imediato, comecei a levanta-la,…e nada de dor. – Sentei-me e cruzei vagarosamente a perna, …e nada de dor! – Levantei-me e comecei a andar pela sala, e o Dr. Ricardo chamando minha atenção para parar de mancar e andar normal, e eu sem acreditar que aquilo era real. – Não sentia mais dor nenhuma!!! – Depois de 6 anos mancando, doendo o dia inteiro, “NÃO SENTIA MAIS DOR NENHUMA!!! – Ele me dissera, que tal qual um carro, eu precisava lubrificar minha perna, além de proteger as juntas com a cartilagem sintética. – É o que fizera. – A tecnologia que eu esperara surgir durante seis anos, finalmente era uma realidade. Eu estava de novo na vida, e o nome do homem que me ajudara, é o de um jovem e promissor médico do Pará: –  Dr. Ricardo Ribeiro, que buscando a nova solução com seus colegas pesquisadores do mundo todo, finalmente a encontrara…- Meu muito obrigado, por nunca ter desistido, ter pesquisado e buscado a fórmula para achar um lubrificante e uma cartilagem sintética, que funcionassem nas articulações humanas, sem precisar cortar a carne e ossos de seus pacientes, . – OBRIGADO MEU QUERIDO AMIGO, DEUS O ABENÇOE SEMPRE!!!

—————————————————-

A CALÚNIA!!!

A calúnia é comparável a um ácido corrosivo que, transportado invigilantemente, derrama-se espalhando de forma incontrolável. Geralmente, tem um grande poder de contaminação. Por onde passa, leva consigo a destruição e a devastação e, comumente, deixa atrás de si um sem-número de pessoas carpindo sofrimentos atrozes. A calúnia, por muitos milênios, tem sido a nau que transporta as grandes crises, as quais constroem seguidamente os instantes de caos por onde quer que se instale. Por menos melindre que encontre, por mais   resistência moral que esteja presente, ainda assim ela, em seu poder insano de corrosão e destruição, não deixa de fazer estragos profundos, requerendo o concurso do tempo para que se possa recuperar da invasão sofrida. O caluniador, via de regra, é alguém sem escrúpulos, princípios de amor e respeito e, devotado unicamente a fazer prevalecer os seus interesses pessoais, não se importando em momento algum com o sofrimento causado, muito menos as baixas sofridas. Ele, o caluniador, em geral, é alguém pouco preparado na vivência da ética pessoal, e se dá o direito de atingir seus objetivos a qualquer preço, mesmo que para isso seja necessário semear, à sua volta, lágrimas em abundância e sofrimentos em alta escala, pois não se importa com as consequências ou o nível das mazelas construídas. Fixa-se apenas aos resultados a que deve atender e aos interesses mesquinhos e pessoais.

Frequentemente o caluniador começa seu exercício semeando boatos sutis, comprazendo-se em desnudar propositalmente a vida alheia. Como segundo passo, vai, pouco a pouco, especializando-se nas críticas negativas, noticiando jocosamente possíveis falhas de quem se situa na periferia dos acontecimentos. Gradativamente vai desenvolvendo métodos próprios na arte de distorcer as coisas, transformando os fatos mais comuns e corriqueiros em acontecimentos estrondosos, até que também se especializa em alterar o contexto das ocorrências emprestando-lhes conotação pejorativa e depreciadora. Após essa fase, passa a trabalhar por objetivos, centrando sua atenção em seus interesses. Dessa forma, não mais precisa de situações para distorcer, pois as cria, inventa, dá-lhes vida e as oferta como verdades inquestionáveis, sempre com o objetivo da desagregação, fornicação, malícia invejosa. Visa destruir o seu alvo, não se importando com os prejuízos provocados à sua volta. São impiedosos, usam a malícia e o veneno. Jamais se preocupam com a verdade ou assumem a realidade. Muito menos se permitem olhar, frente a frente, a verdade. São esses as verdadeiras víboras humanas sempre dispostas a atacar mortalmente suas vítimas.

Alma querida, acautela-te contra a peçonha dos caluniadores, pois são feras enraivecidas a espreitar sempre os incautos do caminho. Deles ninguém estará isento. Aliás, seria muita presunção não tê-los em tua caminhada, pois não pouparam nem mesmo ao Cristo. Se já te encontras sob o terremoto provocado pelos caluniadores, agradece a Deus por estes instantes, primeiramente por serem eles a te caluniarem e não tu a arrastares para ti esses compromissos que, fatalmente, serão sorvidos no futuro à custa de dores e muitos arrependimentos.  Assim, procura aguardar, sob o manto da oração, a passagem desse furacão devastador e impiedoso. Enquanto isso não acontece, não desistas e continua firme no trabalho. Abraça a charrua da vida doando quanto te for possível, mas também não te esqueças de manter a mente sempre posicionada no bem. Vigia-te, não te permitindo ao azedume. Tampouco aos revides. Persevera, acreditando que o mundo é muito melhor do que pior, pois talvez isso te aconteça como necessidade de tua prova interior. Segue, crê e confia, acreditando sempre que Jesus vela por ti. Não te esqueças de orar e sempre perdoar o teu caluniador. Infelizmente trata-se ele de alma adoecida a viver em delicada indigência espiritual. Por isso mesmo carecendo de tratamento e amparo!  Ora sempre, crê e confia, pois tudo passa! 

Por: Sérgio Sant’anna

Um comentário em “NEWS – ATUALIDADES

  • 11 de abril de 2012 em 08:36
    Permalink

    amigos gostaria de que quem foi atendido pelo do Dr. Ricardo Ribeiro me informasse se a dor retornou, e de quanto em quanto tempo deve-se retornar a este tratamento, podem lhe passar meu email

    Resposta
  • 5 de agosto de 2011 em 12:04
    Permalink

    Quero saber quem escreveu a matéria sobre o Dr Ricardo Ribeiro e de onde é, também quero saber a especialidade médica do Dr. Ricardo Ribeiro.
    Pelo favor agradeceria imensamente

    Teresinha

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *