ICPET realizará Marcha do Estado do Tapajós

No dia 07 de setembro, o Instituto Cidadão Pró-Estado do Tapajós (ICPET), vai realizar a Marcha do Tapajós, logo após o desfile militar. A concentração será na Avenida Tapajós, em frente à igreja da Matriz.

Vista sua camiseta do Estado Tapajós, ou leve sua bandeira, convide seus amigos, parentes, todos que apóiam a causa.

Iremos fazer uma caminhada democrática e de forma ordeira.

Não fique de fora dessa grande mobilização, que vai ajudar a definir os novos rumos do Estado do Tapajós.

AGENDA DO COMITÊ MUNICIPAL DE SANTARÉM

Palestra sobre o Estado do Tapajós

Entidade organizadora: Movimentos estudantis

Local: Esc. Municipal Anselmo Pietrulha

Data: 05/09

Palestra sobre o Estado do Tapajós

Entidade organizadora: Movimentos sociais

Local: Escola Felisbelo

Hora: 14:00 horas

Data: 06/08

Palestra sobre o Plebiscito do Tapajós

Entidade organizadora: Movimentos sociais

Local: Escola Felisbelo

Hora: 19:30

Fonte: RG 15/O Impacto e ICPET

Um comentário em “ICPET realizará Marcha do Estado do Tapajós

  • 6 de setembro de 2011 em 15:55
    Permalink

    Jatene conspira contra os sonhos de emancipaçãp de seu povo sofredor.

    Ao contrario do que diz, que mostra-se de acordo com a consulta popular, posando como neutro ao assunto, Simão Jatene incorpora-se de corpo e alma na luta contra os anseios de emancipação do Estado do Tapajós e Carajás e mesmo sendo originário de Santarém seu Vice Governador, politico qual samba de uma nota só, omite-se à luta para não contrariar Jatene, e mostra-se ocupadissimo tal qual um criminoso construindo um álibi para fugir de sua responsabilidade.

    Os tentaculos do poder emanado por Jatene, calam o Vice Goverador, Deputados e apaniguados.
    Jatene não conseguiu “sintonizar” pelo NÃO Dudimar Paxiúba e criou animo em Zenaldo para destronar o primeiro Deputado Federal genuino da região do Tapajós.
    -É muita cara de pau desse governador… Mandem Óleo de Peroba para lustrar a lata dele. ja que caiu sua máscara.

    Resposta
  • 6 de setembro de 2011 em 14:17
    Permalink

    Quem diria, caiu a máscara do governador Simão Jatene, que como uma raposa em silência faz campanha contra a criação do Estado do Tapajós.
    Ultimamente o que o governador só sabe fazer é pegar seu jatinho e viajar para essas regiões.
    E o vice governador Helenilsom Pontes, porque não deixa deixa o governo. O próprio governador Jatene já tratou de engessa-lo e dando mais uma secretaria, da Promoção Social, para que ele não tenha tempo para se dedicar a campanha.
    O povo está atento, olho clínico neles

    Resposta
  • 5 de setembro de 2011 em 21:00
    Permalink

    Jatene realiza manobras para impedir nossa emancipação.

    O governador mais viaja de avião do que governa o estado, ultimamente não sai das regiões a serem emancipadas para iludir a população.

    Isso é uma verdadeira manobra do governador Simão Jatene, visitar insistentemente as regiões de Marabá, Santarém, Itaituba e até a divisa com o Mato Grosso em Jacareacanga e Novo Progresso.

    Nunca se recebeu tanto a visita do governador por essas bandas.

    Tudo por conta do plebiscito que ameaça dividir o estado, mas não se iludam , depois do plebiscito, nunca mas passará por esses municípios do oeste.

    É tudo promessa para enganar o povo.
    Será que o povo vai se deixar enganar pelas lorotas do governador.

    Com certeza tem manobra dos contra nessa história.

    Resposta
  • 5 de setembro de 2011 em 19:05
    Permalink

    O Estado do Tapajós, uma luta de mais de 150 anos.

    Os antecedentes do movimento de emancipação de Tapajós são antigos, a ideia da criação desta nova Unidade Federativa partiu do governo central há mais de 150 anos, datam do início do século XIX, aproximadamente 1923.
    No Oeste o desejo emancipacionista tem raízes históricas que vêm desde a metade do século XIX, quando Dom Pedro II assinou, em 1850, o decreto de criação da Província do Rio Negro, mais tarde Província e estado do Amazonas, depois que as elites daquela unidade intentaram, sem êxito, a separação por conta própria, em 1832.
    Após a perda territorial de sua imensa banda oeste, as elites paraenses permaneceram inconformadas, e os atritos foram frequentes entre as duas unidades. Surgiu, então, a ideia de se criar uma terceira província, que viria, naquele momento, arrefecer os ânimos das elites locais. Em 1869, foram intensos os debates no Parlamento Imperial sobre a necessidade de transformar o Baixo Amazonas paraense (hoje chamado de Oeste do Pará) em uma província autônoma. Em 1832, o Grão-Pará tinha três comarcas: Belém, Santarém e Manaus. Santarém adquiria, assim, status jurídico e administrativo semelhante ao das outras duas cidades, alimentando o sonho da autonomia que jamais veio a se realizar. A redivisão territorial voltou a ser discutida novamente, para resolver as diferenças de limites entre as duas províncias, nos anos de 1869 e 1877.
    Após a instalação da República, foram feitas várias propostas de reordenamento territorial do Brasil e todas, sempre evidenciado a Amazônia e citando o Tapajós, seja como província ou como um futuro estado.
    Entre os anos de 1933 e 1980, foi proposta a redivisão territorial da Amazônia, incluindo o estado do Pará, apontada como alternativa de desenvolvimento social a criação do estado do Tapajós. Nomes como os de Segadas Viana, Juarez Távora e Ronan Liberal (Prefeito de Santarém), propuseram a criação do estado.
    Em 1984, ocorreu uma importante reunião no antigo Hotel Tropical, em Santarém que consolidou um novo momento de luta pelo plebiscito do estado do Tapajós. Por pouco não criou-se o Estado do Tapajós, na Assembleia Constituinte de 1988. Embora não tenham consolidado a criação do Estado, fundou-se a Frente Popular pelo estado do Tapajós, tendo coletado mais de 17 mil assinaturas, em pouco mais de 15 dias úteis, tendo dado entrada no Congresso Revisor, de uma emenda popular, protocolada sob o número 12.977-7, que hoje, junto com o relatório 01/90, respaldam o projeto do Senador Mozarildo Cavalcanti, de 1993.
    Em 1995 um relatório da Comissão de Estudos Territoriais da Assembleia Legislativa do estado do Pará, deu viabilidade à criação do estado do Tapajós, então uma ação político-popular , entrou no Senado Federal com o Projeto de Decreto Legislativo de Consulta Plebiscitária sobre a criação do estado do Tapajós, em 1999.
    Em 2011, a luta pela emancipação e o desenvolvimento.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *