Informe RC

PRECISAM SE EXPLICAR

Bem antes da existência dos hospitais Regional e Unimed, o comentário quase geral em Santarém era da melhor Casa de Saúde ser o Cemitério. As comprovações de irregularidades encontradas durante inspeção por uma médica sanitarista, contratada pela Prefeitura, em hospitais e clínicas particulares, maioria conveniadas ao SUS, simplesmente oficializou o que antes era do conhecimento público em relação a algumas vistas como locais de pouca higiene e muita sujeira. Corporativismo existe em todas as atividades, notadamente acentuada na classe médica, mas punir com demissão a sanitarista por ter cumprido sua obrigação, empastelando maus feitos existentes há mais de 10 anos, que colocavam, e ainda colocam, em risco a vida dos pacientes, onde até correia de prender cachorro era usado como instrumental médico e luvas cirúrgicas (descartáveis) eram lavadas e reaproveitadas em outros procedimentos, é o fim da picada! E mostra da dispensa não ser bom caminho. A médica demitida, ou não, fez sua parte, cabe a Prefeitura e Ministério Público fazerem a da população, ou provarem da médica ter faltado com a verdade. Que as instituições médicas punidas têm que se explicar, tem.

PRA MATADOURO FALTA POUCO

Normalmente contra poderosos, ações são lentas, demoradas e correm como segredo de Justiça. A coluna tomou conhecimento da existência no Fórum local (2ª Vara Cível) de um procedimento em andamento proposto pelo advogado José Edibal Cabral, contra a clínica médica Albany, por dano material (500 salários mínimos) em erro médico “comprovado” cometido por duas médicas contra paciente numa operação de histerectomia (retirada de útero) na qual as profissionais são acusadas de falta de perícia e imprudência, redundando noutro procedimento onde a vítima da barbeiragem, para sobreviver, teve de retirar um rim. Na última inspeção na “clínica” do internacional Rogério Cunha, também dono de distribuidora de remédios, muitos com validade vencidas, inclusive do SUS, a Vigilância Sanitária não poupou “elogios” ao arremedo de hospital, por pouco ou esquecimento, não taxou o local de matadouro.

ATÉ QUE ENFIM

Depois de longa espera das partes (Prefeitura e Justiça) enquanto o comandante do 3º BPM montava sua “estratégia de desocupação” segundo o jargão militar, a determinação do Juiz da 3ª Vara Cível datada de 14 de junho foi cumprida, os ocupantes das áreas de terras invadidas na Fernando Guilhon, foram retirados (28/09) para dar vez à construção de conjuntos residenciais do programa federal Minha Casa, Minha Vida, 3000 unidades. Mas foi preciso um Termo de Cooperação Técnica entre o município e a Companhia de Habitação do Estado do Pará “COHAB”, assinada em 8 de setembro, dividindo meio a meio a responsabilidade de selecionar interessados nas casas para a desocupação ser materializada. Ainda bem, ganhou Santarém. O que chamou a atenção foi a ação da PM, 250 policiais, alguns montados garbosamente em cavalos bem alimentados, com pose de heróis, acompanhados do Corpo de Bombeiros, Grupo Tático da PM, Polícia Civil, Conselho Tutelar, Comissão dos Direitos Humanos, para retirada de pouco mais de 50 famílias, sem esboçarem nenhuma resistência. Também pudera, não tinham como.

DECIDIDA POR BOLSAS

Com 3 anos de antecedência, assim como fez o ex-presidente Lula ao fazer sua opção pela ex-chefe da Casa Civil, contrariando ou não a legislação eleitoral, o senador Aécio Neves “PSDB”, ex-governador de Minas (8 anos), se lança candidato  à presidência da República em 2014, se dizendo disposto a enfrentar o ex-presidente ou a companheira Dilma, se disputar a reeleição, mas se depender do partido a excelência não consegue a indicação assim como José Serra dentro da legenda tucana. A intenção do senador, colocando seu nome a disposição da oposição, onde é bem avaliado, inclusive por partidos da base aliada da presidente, desde já coloca o país num clima de campanha eleitoral. Esta eleição deve ser decidida pelo número de portadores de bolsas. Atualmente existe a Família, a Verde, Detento, Seguro Defeso, Soldados da Borracha e a dos “perseguidos” pela Ditadura. Se vier a da Alimentação, Isento de Prisão, Água, Luz e Telefone, Casa Própria, Vestiário, Férias, Transporte e Funeral, não tem nada pro mineiro, a não ser ficar com raiva.

COMO CHOVER NO MOLHADO

O Brasil, dono do maior potencial hídrico do planeta, a falta d’água nas torneiras deve existir e se constituir problema às cidades grandes e pequenas há mais de 2 séculos. Levantamento feito pela Agencia Nacional de Águas “ANA”, afirma de 55% dos municípios brasileiros correrem risco de chegarem a 2015 com desabastecimento e o total necessário de investimentos para evitar a escassez é de 22 bilhões de reais, pouco menos dos 26 bi a serem aplicados pelo governo como patrocinador da Copa de 2014 e pouco acima de 1/3 dos 61 bilhões financiados pelo BNDES dos bolsos dos nacionais no governo do ex-presidente Lula a países pouco chegados à democracia da América do Sul e do Caribe. Culpar governos estaduais e municipais pela falta do líquido é como chover no molhado, só fazem paliativos. O que é melhor: colocar trem bala ligando Rio a São Paulo ao custo de 40 bilhões ou resolver com 22 a falta d’água a mais de 100 milhões de brasileiros?

O QUADRO É O MESMO

Não é segredo ao governo do PT em Santarém o interesse do governador Simão Jatene em ajudar seu partido o PSDB a ganhar a prefeitura nas municipais de 2012, tendo o deputado Alexandre Von como candidato. O fechamento da Janela da Infidelidade (hoje), o quadro político local mostra da coisa não estar tão fácil assim (já esteve melhor), quase nada mudou em comparação a 2008. Os políticos e suas “boas” intenções, colocados numa balança, a pesada fica meio a meio. Ninguém acredita da maioria das legendas aliadas ao governador mudem em relação a prefeita no apoio a seu candidato, parecendo ser o Inácio Corrêa, a não ser que indiquem nomes, entreguem as sinecuras, empregos  e outras coisas tantas, até o fim do ano e resolvam concorrer, façanha difícil de acontecer, estão atrelados de corpo e alma ao PT, que conhece o ponto fraco de seus dependentes. Na hora da decisão, a barriga é sempre a Senhora da Razão.

MATOU POR AMOR

Fazendo quase frente ao número de ocorrências de pedofilia, agressões às mulheres, apreensão de drogas, estouro de caixas eletrônicos, na onda de violência em prática no país, o registro de crimes nas escolas envolvendo pais, alunos e professores das mais humildes localizadas nas periferias a Campus Universitários, tomam conta da mídia nacional. O caso do menino de 10 ocorrido no ABC paulista, atirou na professora e se suicidou, foi mais um diante das centenas ocorridos de lá pra cá (uma semana) nos registros policiais. Em Juazeiro do Norte (Ceará), adolescente de 16 é desarmado quando pretendia matar 2 colegas de aula. Em Brasília, advogado e professor de Direito de duas universidades, mata aluna (seu ex-caso), leva o corpo à Polícia, se entrega e diz ter matado por amor. “Quem ama não mata” e em “mulher não se bate nem com uma flor”, devem ser invencionice de Euclides Marinho e do compositor pernambucano Capiba.

CAMPEÃO DOS CAMPEÕES

Se um dia depender de julgamento do Conselho de Ética da Câmara Federal, ou do plenário, o resultado vai ser idêntico ao obtido pela deputada Jaqueline Roriz, os crimes cometidos foram anteriores ao mandato. O deputado Paulo Maluf, antes investigado por práticas desonestas quando prefeito e governador de São Paulo num montante de 1 bilhão de reais transferidos por doleiros a paraísos fiscais, depois de muitos anos passa a condição de réu por decisão do Supremo Tribunal Federal, onde foi aberto processo criminal acusado de formação de quadrilha, corrupção e lavagem de dinheiro, extensivo a seus familiares diretos, a pedido do Ministério Público Federal de São Paulo e do Procurador Geral da República. O interessante é do acusado ter ordem de prisão expedida pela Interpol “Polícia Internacional” a 180 países do planeta terra e no Brasil é deputado federal, gozando de prestigio, menos com a Polícia Federal onde esteve “hospedado” por diversas vezes. Oh terra boa!

CONTRASTES

No meio dos ricos e poderosos: Polícia Federal apura roubalheira no Porto de Paranaguá; Em Belém, no percurso do Círio de Nazaré, terá o camarote das celebridades, pobre importante, participa puxando a corda; Capitão Nascimento, herói do filme Tropa de Elite, descobre: no Brasil, os maiores bandidos não são traficantes; Governo e oposição decidem no banheiro; Comissão de Justiça da Câmara Federal aprova 118 projetos em 3 minutos; Ministros abusam do erário, viajam mais que aviões de carreira. No meio da plebe rude e pobre: Jovem abandona os estudos e cai no tráfico; Badú tomba com um tiro no peito; Árbitro de futebol executado enquanto apitava jogo; Vítima se ajoelha e reza antes da execução; Mulher dada como morta, colocada na geladeira, quase morre congelada; Presidiário mata mulher com facada no pescoço. Os Ricos relaxam na Ilha de Caras, os Pobres se escondem na de Cotijuba.

O INVERSO DO REVERSO

Semana passada, diversos senadores em sessões do Senado Federal se reportaram ao Círio de Nazaré, todos afirmando ser a maior manifestação religiosa do país, quando o senador Eduardo Suplicy “PT” em seu discurso surpreendeu os colegas, pediu a intercessão da Santa pelo fim da corrupção no Brasil. Ao mesmo tempo, o Conselho de Ética da Câmara Federal se reunia e derrotava por 16 a 2 a abertura de processo de cassação do mandato do deputado Valdemar da Costa Neto,  réu no do Mensalão, apontado por Roberto Jefferson de dar uma bicada de 10 milhões (2004), proposto pelo PSS e PSOL suspeito de cobrar propina em setores do Ministério dos Transportes, onde o ministro foi exonerado, acusado de corrupção juntamente com a maioria dos representantes do DNIT nos estados. O senador Suplicy pediu o impossível à Santa, o mesmo da companheira Dilma em querer acabar com a miséria.

AVE DE PRESTÍGIO

O Promotor de Justiça, Silvio Brabo, começou ouvir os responsáveis pelas Organizações Sociais de Saúde (OSS), encarregadas de administrar os hospitais regionais do Estado, todos suspeitos de irregularidades no trato com os recursos do SUS. O de Santarém, desde o início de seu funcionamento tem sido alvo de acusações pouco republicanas e deve ter muitas historias a serem contadas e ouvidas pelo servidor da Justiça. Uma das mais graves foi a denúncia do dep. Alexandre Von feita na Assembléia Legislativa e por alguns vereadores na Câmara de Santarém, contra a empresa Ganso, contratada há anos pelo hospital para serviços de hemodiálise a preços estratosféricos. Começou faturando quase 1 milhão de reais/mês, hoje reduzidos, depois de muita grita, a 400. Calculam do SUS ter sido surrupiado acima de 10 milhões. Dizem dos donos da “ave” terem muito prestígio e distribuírem muito “milho”. Será?

BANDIDO CLASSE “A”

Maioria da população não tem conhecimento de leis e não entende de filhos de pais ricos, quando condenados por crimes contra a vida, patrocinados por advogados bem pagos, custarem a cumprir pena enquanto o caso não chega a última instância de recursos, o Supremo (e ponha anos nisso!). Em São Paulo, um skinhead (não gosta de homossexuais) que em 2003 obrigou 2 jovens a se jogarem de trem em movimento (um morreu e outro teve o braço amputado) que respondia pelo crime em liberdade, semana anterior levado a Júri Popular, depois de 13 horas de julgamento foi condenado a cumprir pena em regime fechado (31 anos e 9 meses), mas não foi preso, saiu do local livre, leve e solto, vai recorrer da sentença em liberdade, por decisão do Supremo. Será se fosse filho de pobre teria todo esse prestígio? Alô! Justiça.

Por: Ronaldo Campos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *