Obra pública abandonada transforma-se em antro de vandalismo

PROFESSOR ALUISIO PIRANHA: O prefeito Raimundo Reis abraçou a causa da retomada da construção da Escola de Ensino Médio paralisada desde 2006

Indignados, a população curuaense, docente e discentes, solicitam do prefeito Raimundo Reis,  que o mesmo, cobre  com veemência junto ao  Governador do Estado Simão Jatene, a imediata retomada da construção da Escola estadual no Município de Curuá, para suprir a demanda da clientela escolar do ensino médio. Para se ter dimensão do descaso com o dinheiro público, desde 2006 a construção edificada com dois pavilhões, encontra-se totalmente abandonada e a mercê do tempo. Portanto, o que serviria para uma instituição educacional, atualmente está sendo utilizada para a ação de vandalismo e antro de tudo que não presta.

Segundo o Professor Aluisio Piranha, Diretor da escola da rede Estadual, o ensino médio no Município, está funcionando na Escola Municipal Soraia Chaybi. Informou à nossa redação que a obra paralisada é fruto de um convênio de número 512/2005, em parceria: Município, SEDUC e Governo do Estado. Disse também que, a obra foi iniciada em 2006, e que o Projeto é oriundo do então Governador Simão Jatene.

“No referido empreendimento existe  irregularidade. O débito, objeto da planta do projeto original, foi planejado para construção de 8 salas de aulas. Na realidade, até o presente momento só foram iniciadas e/ou construídas 6.Lamento que em detrimento do desperdício de dinheiro público, ou descaso para a educação,  se passaram 4 anos do Governo do PT, e absolutamente nada foi feito. Por conta disso, parte física das estrutura do prédio tais como: Telhado, Banheiro e Paredes já apresenta sinais de comprometimento, além do mesmo estar literalmente tomado pelo mato”, disse o professor.

Desperdício de dinheiro público: Escola abandonada pelo Governo do Estado

“Em parceria com o Poder público municipal, já fomos várias vezes  na Capital do Estado, cobrar do Secretário de Educação. Até  a presente data ainda não logramos êxito na solução plausível para mais essa problemática no setor educacional a nível estadual. É  importante frisar que, mesmo com poucas perspectivas do conclusão da obra, a curto prazo, o prefeito Raimundo Reis  não tem medidos esforços  nas cobranças incisivas junto ao Governador do Estado”, concluiu o diretor.

Jornal O Impacto

4 comentários em “Obra pública abandonada transforma-se em antro de vandalismo

  • 19 de dezembro de 2011 em 15:59
    Permalink

    eu cmuh ex aluna da escola Soraya Marques Chayb viih a situação dos alunos kiih ali estudam sem ter uma escola propria ja kiih a inresponsabilidade da prefeitura foi deixar uma obra sem terminada.. lastimas ..

    Resposta
  • 14 de dezembro de 2011 em 20:47
    Permalink

    Desde que começei o ensino médio em Curuá,em 2007, esse prédio que seria para funcionar a escola estadual, está parada, ainda lembro das promeças políticas que eram feitas de que \” o ano que vem esta escola vai está pronta\” e olha que já estão fazendo dois anos que terminei o médio, e este ano para terminar este prédio nuca chega… enquanto isso os alunos estudam numa escola cedida pelo município,em turmas super lotadas, o que prejudica o bom desempenho da aula dada pelo professor, e o aprendizado dos alunos.
    Por este \”pequeno\” exemplo vemos a PALHAÇADA, que é a política no município, e no estado, reflexo da \”POLITICAGEM\” brasileira.
    Todos os dias somos chamamados de burros, ou melhor povo brasileiro mesmo, quando passamos em frente a essas obras abandonadas a exemplo a \”Escola Estadual\” de Curuá. Vemos alí o suor de nossos rostos, jogados no lixo, (isso quando não ajudamos a destruir), são os impostos que pagamos, que deveriam voltar em forma de serviços para o bem estar social, que estão alí, transformados em lixo e jogados na nossa cara nos chamando de inocentes, já que nas próximas eleições vamos votar nos mesmos políticos, que jogam no ralo o dinheiro público por causa de richa partidária, só porque que foram lá em casa, pegaram na minha mão,pegaram meu filho no colo, ou talvez me deu uma passagem de barco,para alguma cidade visinha….
    Agora eu pergunto… É pra isso que somos obrigados a votar ? pra nos darem ESMOLAS, nos chamarem de AMIGOS, COMPANHEIROS…
    EU acho que não !
    Votamos e elegemos pessoas para nos representar, e resguardar nossos direitos mais básicos, trabalhando pelo bem comum e não de suas contas bancárias…
    Mas vc deve ta pensando, o que ele quis dizer com esse monte de besteiras ?
    Bom nada de mais, só queria mostrar minha indignação para a situação de descaso com a educação, saúde, infra-estrutura, e tudo o que é público nesse país, especialmente em curuá, e dar apoio moral á luta dos professores da Escola Estadual Soraya Marques Chayb, afinal passei por lá e me orgulho de dizer isso, apoio principalmente ao professor Aluízio, que não é de hoje que vem batendo nessa tecla quebrada dessa escola, não que o prédio não possa ser concluído, claro que pode, basta um esforcinho de \”nosso\” gestor, e um pequeno esforço de labor de \”nossos\” vereadores. É simples senhores representantes, basta esquecer as briguinhas de cumpadre e cumadre, e trabalhar pelos seus verdadeiros patrões.
    A ! mais uma coisa, Não nos iludamos com promeças! Já chega de prometer o que o povo quer ouvir, cadê a criatividade gente …?
    Mil desculpas a quem o chapéu servil, mas , fazer o quê ! afinal sou eleitor de Curuá também e fico preocupado, com essa situção…
    Alguém precisa se mover e tentar organizar essa baderna… To sentindo falta da presença dos professores (que não são capachos)nesse cenário.

    Resposta
  • 13 de novembro de 2011 em 01:30
    Permalink

    Com a criaçao do tapajos as pequenas cidades terão mais acesso a orgãos do governo e com isso poderão. exigir mais dos mesmo sou a favor do. Estado tapajos creio que atendera as necessidades da região

    Resposta
  • 10 de novembro de 2011 em 14:37
    Permalink

    MAIS UM MOTIVO PRA SAIR DA MAO DESSES QUE ESQUECERAM DO OESTE DO ESTADO.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *