Homossexuais capacitam atendentes do Disque-Denúncia

Delegada Christiane Lobato

Com o objetivo de coibir ações discriminatórias contra homossexuais como homofobia em várias cidades do Pará, a partir da próxima semana, os atendentes do serviço Disque-Denúncia (181) estarão aptos a receber informações e denúncias sobre a prática. Na manhã de ontem, 26, os atendentes foram capacitados para oferecer o atendimento adequado ao usuário do serviço.

A capacitação foi promovida por integrantes do movimento Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), no auditório B da Delegacia Geral, em Belém.

O trabalho é desenvolvido em parceria com o Sistema de Segurança Pública do Estado. A proposta é capacitar todos os servidores do sistema. A primeira turma será composta pelos servidores que atuam no Disque-Denúncia, na ouvidoria pública estadual e na Diretoria de Prevenção Social da Violência e da Criminalidade (Diprev), da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup).

A capacitação faz parte do Plano Estadual de Segurança Pública e Combate a Homofobia. Participaram do treinamento policiais civis, policiais militares, bombeiros, servidores do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPC) e do Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran).

“É mais do que uma capacitação. Este é um trabalho de sensibilização. Quanto mais informações os servidores tiveram, melhor será o atendimento prestado por eles”, define a  delegada Christiane Lobato, à frente da Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAV) da Polícia Civil. Ela destaca ainda que o trabalho do sistema de segurança pública não se resume a repressão.

“Não trabalhamos só com o papel de polícia repressora. Trabalhamos a partir de três eixos: da repressão, com as investigações; da prevenção, com orientação, palestras e divulgação do problema para que a sociedade passe a denunciar, e do atendimento à vítima, por meio de um núcleo psicossocial. Nossa finalidade é reprimir e também prevenir novos crimes”, detalha a delegada.

Outro objetivo do trabalho é estimular as denúncias sobre homofobia e crimes discriminatórios em outras cidades do Pará, como Santarém. “Muitos casos de violência não são denunciados. A partir de agora, a vítima terá a certeza de que receberá um atendimento de qualidade e será bem orientada”, declara Bruna Lorrane, representante do movimento LGBT.

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *