Denúncia – Ensino modular não funciona em Belterra

Jonival faz a denúncia
Jonival faz a denúncia

O comunitário Jonival Neves, morador da comunidade de Piquiatuba, em Belterra, Oeste do Pará, esteve na redação do jornal o Impacto, no começo desta semana, para denunciar que, por conta de muitas promessas e enrolação por parte do coordenador do Ensino Modular no município de Belterra, Davirley Sampaio e da antiga Secretária de Educação e agora prefeita Dilma Serrão, o Sistema Modular de Ensino nunca foi implantado, nem na comunidade Piquiatuba, onde a Escola Santa Terezinha funcionaria como escola-pólo, muito menos nas comunidades ao redor, onde os alunos sofrem por falta de implantação desse programa de ensino público.
Descaso: “O coordenador do Ensino Modular no município, Davirley Sampaio, deveria informar quais seriam os procedimentos, para que as comunidades partissem do princípio da legalidade e conseqüente implantação do programa”, disse Jonivaldo. “Infelizmente isso nunca aconteceu. Incluindo a comunidade Nazaré e comunidades próximas, fizemos um levantamento e existem 118 alunos que dependem da instalação do Ensino Modular”, esclareceu.
Jonival Neves, morador na comunidade Piquiatuba, onde moram cerca de 98 famílias, disse que apesar de muito procurar documentos que pelo menos justificassem pedidos de ensino modular para sua comunidade, tanto em Santarém, na 5ª URE, quanto em Belterra, na Secretaria de Educação e Prefeitura, nada encontrou. Além da comunidade Piquiatuba, onde mora, as comunidades de Aramanaí e Prainha também seriam beneficiadas com a implantação do Ensino Modular da região do Tapajós: “Acontece que há sete anos estamos esperando pelo Ensino Modular, mas nunca foi implantado”, desabafou Jonival. Cansados de confiar em promessas que nunca foram cumpridas, resolveu procurar a equipe do jornal O Impacto onde fez a denúncia.
O comunitário recorda que: “na época em que eu era estudante tive que me deslocar à Santarém, porque na comunidade Piquiatuba, onde morava, não existia o Modular”, contou Jonival, indagando: “Graças a Deus tive condições para viajar à Santarém, mas como é que fica a situação do aluno que não tem condições financeiras, possui família e filhos e quer estudar?”, pergunta ele.
Criticas: Desfiando seu rosário de críticas, Jonival Neves contou pormenores do que pode ser considerado descaso por parte da prefeitura de Belterra e alguns funcionários municipais: “Estamos esperando a posição da prefeita Dilma Serrão”, citou o comunitário. Por obra e graça dos desígnios divinos. Na segunda-feira, dia 18, houve uma reunião em Belterra, com membros da 5ª URE, SEDUC e representante da prefeita Dilma Serrão. Aproveitando a reunião, os comunitários resolveram expor o problema. Professor Nonato, da 5ª URE em Santarém, falou das possibilidades que o Estado pode atingir para implantar o Ensino Modular. “Acontece que esses projetos estavam parados, nem os membros da 5ª URE, muito menos os técnicos da SEDUC sabiam explicar a razão”, disse Jonivaldo
Falta de empenho: Na referida reunião ficou esclarecido que alguém usou de má fé para que o Ensino Modular não fosse implantado no município de Belterra. “Alguém do governo municipal (Belterra), guardou o documento e nem chegou a dar entrada. Ontem, segunda-feira, durante a reunião, o professor Nonato, da 5ª URE, entrou com documentação e nós também vamos fazer assim, para que o processo de implantação tenha início. O coordenador Davirley tem que usar de sabedoria para fazer alguma coisa; deixar de aparecer nas comunidades apenas em época de eleições e enrolar as pessoas, porque isso traz uma imagem negativa, para ele e para o Município”, afirmou o comunitário.

Por: Carlos Cruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *