Hospital Regional – Cuidados com a Saúde: Doenças Renais

Drª Ivaneida Pantoja
Drª Ivaneida Pantoja

Localizado na porção posterior do abdômen, paralelo à coluna vertebral, o rim é um órgão essencial para a vida e possui entre as suas funções a filtragem do sangue, controle da pressão arterial e o estimulo a produção de glóbulos vermelhos bem como da vitamina D, entre outras funções. E, devido sua importância a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) realiza toda segunda quinta-feira de março a Campanha Nacional de Prevenção as Doenças Renais. Em Santarém o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) atende 141 pacientes renais oriundos de toda a região oeste paraense no setor de hemodiálise.

De acordo com a médica nefrologista do HRBA, Drª Ivaneida Pantoja, geralmente os problemas renais não apresentam sintomas, o que dificulta no diagnostico da doença que necessita ser tratada logo na primeira fase para evitar complicações futuras. “É preciso identificar no meio da população quem são as pessoas com problemas renais e trazê-las para realizar testes. Toda a população deve fazer o exame de creatinina e de urina como rotina pelo menos uma vez por ano, justamente para identificar os pacientes que estão em fase inicial do adoecimento renal”, explicou a médica.

Embora silenciosa a doença renal crônica é caracterizada por uma perda lenta, progressiva e irreversível da função renal. E uma doença que não tem cura mais tem tratamento desde que identificada logo nos primeiros estágios. “O paciente ambulatorial, que não está na fase hemodialítica, recebe o acompanhamento e suporte para que a velocidade de perda renal seja diminuída, ou seja, podemos evitar que ele entre no tratamento de hemodiálise”, continuou a médica.

Em relação a outras doenças que podem desencadear o agravamento de problemas renais, o diabetes e a hipertensão surgem como principais inimigos dos rins e por isso estes pacientes necessitam de maior atenção. “O diabetes e a hipertensão surgem como as duas patologias principais causadoras de doenças renais crônicas e que levam o maior número de pacientes a dependência da hemodiálise, e por isso, é muito importante manter tanto o diabetes quanto a hipertensão sob controle”, informou a nefrologista ao citar que estes pacientes necessitam de um acompanhamento médico diferenciado com a realização de exames de rotina constantes.

Uma orientação realizada pela médica diz respeito a prática de exercícios físicos, a boa alimentação, a quantidade de liquido ingerida, que segundo a orientação médica deve ser de dois a três litros de água por dia. Em relação ao tratamento das doenças renais crônicas, a hemodiálise ainda causa um impacto na vida dos pacientes. “A hemodiálise acaba limitando a vida do paciente que precisa estar no hospital três vezes por semana, no caso de diálise peritoneal, fazer as trocas em casa quatro vezes por dia, e isso causa a limitação da vida social do paciente. Antes de chegar na hemodiálise tem a questão do edema, do inchaço e da anemia que acabam trazendo sintomas ao pacientes antes mesmo dele iniciar o tratamento”, finalizou a médica sem deixar de citar os problemas causados aos pacientes de municípios que não possuem centros de hemodiálise e que precisam deixar sua casa, família e amigos para realizar o tratamento em outras cidades.

Fonte: RG 15/O Impacto e Ascom/HRBA

4 comentários em “Hospital Regional – Cuidados com a Saúde: Doenças Renais

  • 18 de março de 2013 em 17:08
    Permalink

    Parabéns ao Jornal OIMPACTO e ao HOSPITAL REGIONAL!!
    É disso que nós , população , precisamos:INFORMAÇÃO SÉRIA, DE GRANDE UTILIADDE, ESCLARECEDORA.

    Resposta
  • 17 de março de 2013 em 01:09
    Permalink

    Parabéns ao Hospital Regional pelo belo trabalho na divulgação de informações preventivas.

    Resposta
  • 16 de março de 2013 em 14:06
    Permalink

    será que em santarém tem como o pobre fazer exame de graça! será que o médico da prefeitura não pode dar encaminhamento para o pobre fazer em laboratório mais perto da sua casa sem precisar ir no regional. depois o laboratório recebe da prefeitura.

    Resposta
  • 16 de março de 2013 em 12:00
    Permalink

    A temida pedra no rim, lembro quando criança certa vez vi meu pai ter uma crise violenta … frouxo ele não era mas nem em sonho,ele detestava fresco e frescura, mas lembro como se fosse hoje a crise dessa doença \”deixou ele de 4\” ,de tanta dor ele se arrastava pela casa parece uma cobra so que urrando, esperando o médico chegar .
    A médica tem toda razão e muito bom OImpacto informar a população sobre esses fatos perigosos e de grande importancia!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *